Doenças mentais mais prevalentes no contexto da atenção primária no Brasil: uma revisão de literatura / Most prevalent mental diseases in the context of primary care in Brazil: a literature review

Marcelo Alves Boaventura, Eythor Ávila Reis, Isabel Campos Godinho, Luís Henrique de Oliveira Filho, Natália Caroline Caixeta, Vívian Estavanate Castro, Maura Regina Guimarães Rabelo, Marilene Rivany Nunes

Abstract


Os transtornos mentais ou comportamentais apresentam manifestações clínicas distintas, acarretando alterações em aspectos biopsicossociais dos seus portadores. É sabido que os principais transtornos mentais presentes no Brasil são: ansiedade, depressão e transtornos de personalidade. Para que haja uma atuação efetiva nas esferas de prevenção, promoção, e tratamento das doenças mentais, sua caracterização em diferentes aspectos é essencial. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura de 16 publicações no período de 2016 a 2021, encontradas nas bases de dados: Biblioteca Virtual de Saúde-BVS, PubMed, LATINDEX E SCIELO, com os descritores “saúde mental”, “unidade básica de saúde”, “depressão”, “ansiedade”, “transtorno de personalidade” e “transtorno de humor”. A discussão foi separada em tópicos referentes a cada um dos distúrbios mais prevalentes, sendo eles: Transtorno de ansiedade, Transtornos de personalidade e Depressão. Dessa forma, foi possível perceber que apesar de constituírem condições distintas, todas enfrentam desafios parecidos relativos à sua abordagem na Atenção Primária a Saúde, referentes ao acolhimento, a escuta atenciosa do paciente e ao vínculo entre o usuário do sistema e as redes de atenção. O modelo assistencial referente a saúde mental no Brasil evoluiu bastante, entretanto, ainda existem pontos a serem aprimorados, que dizem respeito tanto à capacitação profissional, quanto à abrangência de ações de saúde e a disseminação de informações.


Keywords


Assistência á saúde mental, Atenção Primária, Transtornos Mentais.

References


ABELHA, L. Depressão, uma questão de saúde pública. Cad. saúde colet., Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 223, Sept. 2014.

ABP, Associação Brasileira de Psiquiatria. Depressão unipolar: diagnóstico. Diretrizes Clínicas na Saúde Suplementar. p. 4, 2011.

AGUGLIA A. et al. Off-Label Use of Second-Generation Antipsychotics in Borderline Personality Disorder: A Survey of Italian Psychiatrists. Journal of Personality Disorders, 2021.

Associação Americana de Psiquiatria. Manual diagnóstico e estatístico dos transtornos mentais – 5ª ed. (DSM-5): Editora, Artmed; 2014.

ARAGÃO E. I. S. et al. Padrões de Apoio Social na Atenção Primária à Saúde: diferenças entre ter doenças físicas ou transtornos mentais. Ciência & Saúde Coletiva, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde mental / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília; Ministério da Saúde, 2013.

DA SILVA I. B. L. VERONEZ F. S. Estratégias da Atenção Básica sobre os casos de Transtorno de Ansiedade em adultos e idosos. Brazilian Journal of Health Review, 2021.

CAPONI P. K. DARÉ S. N. Cuidado ao indivíduo com depressão na atenção primária em saúde. Estudos Contemporâneos da Subjetividade, 2017.

COSTA, C.O. et al. Prevalência de ansiedade e fatores associados em adultos. J Bras Psiquiatr, v.68, n.2, p.92-100. 2019.

FERNANDES M. A. et al. Prevalência de transtornos de ansiedade como causa de afastamento do trabalhador. Rev. Bras. Enferm. , Brasília, v. 71, supl. 5, pág. 2213-2220, 2018.

FERNANDES M. A. et al. Transtornos de ansiedade: vivências de usuários de um Ambulatório especializado em saúde mental. Rev enferm UFPE on line, Recife, v.11, n.10, p.3836-44, out. 2017.

FERNANDES M. A. et al. Prevalence of geriatric depression in a basic health unit. Revista de enfermagem da UFPI, 2018.

HARDING K. Words matter: the Royal College of Psychiatrists' position statement on personality disorder. Lancet Psychiatry, v. 7, n. 5, 2020.

JUNIOR G.A. et al. Levantamento Epidemiológico em Saúde Mental

de um Município do Interior de Minas Gerais. Rev. Epidemiol. Controle Infecç, Santa Cruz do Sul, v.9, n.3, p.207-211, jul/set. 2019.

KAPLAN H. I. et al. Compêndio de psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica. Artes Médicas, 1997.

KOYAMA E.T. et al. Saúde mental no Brasil: revisão de literatura. Revista Uningá, 2009.

LIMA JÚNIOR. C. A. Plano de ação para melhoria da atenção em saúde mental na unidade básica de saúde urbana do município de girau do ponciano – Alagoas. Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Curso de especialização em atenção básica em saúde da família, 2013.

MAGALHÃES J. M. et al. Depressão em idosos na estratégia saúde da família: uma contribuição para a atenção primária. Rev Min Enferm, 2016.

MAZER A.K. et al. Transtornos da personalidade. Revistas USP, Ribeirão Preto, v. 50, supl. 1, p. 85-97, 2017.

MENEZES A. K. S. et al. Transtorno de ansiedade generalizada: uma revisão da literatura e dados epidemiológicos. Revista Amazônia Science & Health, 2017.

MOTTA C. C. L. et al. O atendimento psicológico ao paciente com diagnóstico de depressão na Atenção Básica. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 22, n. 3, p. 911-920, Mar. 2017.

OMS. Depression and other common mental disorders: global health estimates[Internet]. Geneva: WHO; 2017.

RÓS I.A. et al. Avaliação da Psicoterapia de Grupo em Pacientes com Ansiedade e Depressão. Revista Psicologia e Saúde, v. 12, n. 1, p. 75-86, jan./abr. 2020.

RUFINO S. Aspectos gerais, sintomas e diagnóstico da depressão. Rev. Saúde em foco, 2018.

SESA-ES. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESPÍRITO SANTO Diretrizes Clínicas em Saúde Mental. 1 ed. Vitória- ES, 2018.

SOARES NETO J. J. et al. O Programa Mais Médicos, a infraestrutura das Unidades Básicas de Saúde e o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal. Ciência & Saúde Coletiva, 2016.

SOUZA J. et al. Mental health in the Family Health Strategy as perceived by health professionals. Rev Bras Enferm [Internet], 2017

SOUZA L.S. et al. Prevalência de transtornos mentais comuns em adultos no contexto da atenção primária à saúde. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, n.18, dez.2017.

WELLAUSEN R.; TRENTINI, C.M. É preciso diagnosticar patologias de personalidade? Revista Brasileira de Psicoterapia, v. 17, n. 1, p. 54-68, 2015.

WHO. Mental disorders. World Health Organization, 2019. Disponível em: < https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/mental-disorders >. Acesso em: 14. Set. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-121

Refbacks

  • There are currently no refbacks.