Projeto Psicoestudantes: Relato de experiência em uma Policlínica de Manaus / Psychostudents Project: Experience report in a Manaus Polyclinic

Roberta Marques Bezerra, Heloíza da Silva Monteiro, Euziane Oliveira de Brito

Abstract


O presente artigo é um relato de experiência que consiste na descrição dos trabalhos realizados e dos resultados obtidos na implementação de um projeto para estagiários/acadêmicos de psicologia em uma Policlínica de Manaus. O objetivo principal foi promover o autoconhecimento dos alunos a partir da experiência deles com as demandas do serviço de psicologia, buscando auxiliar no processo de escuta de situações trazidas pelos estagiários/acadêmicos, pois isso também favorece a compreensão de processos intersubjetivos, ao invés de apenas verificar as questões de casos teóricos e práticos acompanhados por eles durante o estágio ou universidade, desenvolvendo a autonomia e a autoconfiança, questões  essas necessárias para a prática da psicologia. O projeto iniciou em agosto de 2020 e foi realizado na sala de reunião da Policlínica, com os alunos que faziam o estágio nessa mesma Policlínica, sob a responsabilidade da psicóloga da Policlínica que faz a supervisão local de estágio. Para a realização de tal proposta, foram realizadas rodas de conversas, previamente agendadas de 15 em 15 dias, com temas e atividades selecionadas e que tivessem relação com o autoconhecimento e com as experiências vivenciadas pelos estagiários na prática dos atendimentos: empatia, resiliência, autopercepção, autocuidado, dentre outros. Diante desse projeto, os estagiários participaram ativamente das atividades e contribuíram com a partilha. Foi construído um espaço em que os alunos integraram a teoria, a prática e a própria experiência emocional percebida, e, tudo isso auxiliou como ponto de partida para a promoção do autoconhecimento. Por meio deste projeto, o aluno teve a oportunidade de vivenciar a expansão da consciência sobre si mesmo e identificar o reflexo disso nos atendimentos ou através dos atendimentos. O projeto permanece em curso com os estagiários/acadêmicos que cursam a disciplina de estágio local na policlínica e foi inserido no cronograma da supervisão de estágio da referida Policlínica.

 

 


Keywords


psicologia, saúde mental, adaptação psicológica, serviços de Saúde para estudantes.

References


Andrade A. S.; Tiraboschi G. A.; Antunes N. A.; Viana P. V. B. A.; Zanoto P. A.; Curilla R. T. (2016). Vivências Acadêmicas e Sofrimento Psíquico de Estudantes de Psicologia. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(4): 831-846. DOI: 10.1590/1982-3703004142015

Banaco, R. Sobre o Comportamento e Cognição, 1999.

Barros, R. Uma Introdução ao Comportamento Verbal, 2003.

Bastos M. E.; Maia M.A.; Oliveira F. CL.; Nascimento F. S. (2019). Sofrimento psíquico de universitários: uma revisão integrativa. Brazilian Journal of Development, DOI:10.34117/bjdv5n10-040

Brito, M.A. e outros. (2021). Sinais de depressão em estudantes dos cursos da área da saúde. Brazilian Journal of Health Review. DOI:10.34119/bjhrv4n1-066

Castro, V. Reflexões Sobre A Saúde Mental Do Estudante Universitário: Estudo Empírico Com Estudantes De Uma Instituição Pública De Ensino Superior, 2017.

Oliveira, M. O Autoconhecimento e sua Importância no Contexto do Trabalho em uma Instituição Pública federal de Saúde e de Ensino, 2011.

Martins, E; Dantas, M; Pinheiro, F. Autoconhecimento e Autoestima, 2011.

Rodrigues, J; Souza, A. Autoconhecimento: Contribuições da Pesquisa Básica, 2007.

Ruas, C.A.S, e outros. (2019). Resiliência dos estudantes de enfermagem de uma universidade na Baixada Fluminense/RJ. DOI:10.34119/bjhrv2n4-015.

Guimarães, LCR e outros. (2021). Estresse de discentes do curso de medicina em uma universidade promotora da saúde. DOI:10.34119/bjhrv4n4-069

Silva, J. Autoconhecimento como Técnica Psicoterapêutica Para a Mudança Comportamental, 2007.

Vieira, C. Perceber-se e Aprender-se: Caminho Para o Autoconhecimento, 2017.

Authier, J. (1977). The Psychoeducation Model: Defi nition, contemporary roots and content. Canadian Journal of Counselling and Psychotherapy, 12(1), 15-22.

Cole, H. P., & Lacefi eld, W. E. (1982). Theories of learning, development, and psychoeducational design: Origins and applications in nonschool settings. Viewpoints in Teaching and Learning, 58(3), 6-16.

Wood, M. M., Brendro, L. K., Fecser, F. A., & Nichols, P. (1999). Psychoeducation: An Idea Whose Time Has Come. Richmond, VA: The Council for Children with Behavioral Disorders.

Lemes, Carina Belomé; Neto, Jorge Ondere (2017). Aplicações da Psicoeducação no Contexto da Saúde. DOI: 10.9788/TP2017.1-02

NOGUEIRA, Carlos André et al. A importância da psicoeducação na terapia cognitivo comportamental: uma revisão sistemática. Revista das Ciências da Saúde do Oeste Baiano. Barreiras, v. 2, n. 1, p. 108-120, 2017. Disponível em:< http://fasb.edu.br/revista/index.php/higia/article/view/190/211>. Acesso em: 8 jul. 2018.

CARVALHO, Marcele Regine; MALAGARIS, Lucia Emmanoel Novaes, RANGÉ, Bernard P. (org). Psicoeducação em Terapia Cognitivo-Comportamental. Sinopsys, 2019.

Vilhena, N.E.P.; (2020). Avaliação das causas da insegurança nos Acadêmicos de Medicina na introdução da Prática Ambulatorial. DOI:10.34119/bjhrv3n6-069




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-114

Refbacks

  • There are currently no refbacks.