Síndrome de burnout: Uma revisão de literatura a respeito da doença e sua relação com a profissão médica / Burnout syndrome: A literature review of the disease and its relationship to the medical profession

Marcela Cristina Caetano Gontijo, Maura Regina Guimarães Rabelo, Anna Beatriz Lourenço Tibério Lima, Eduarda Elisa Caetano Gontijo, Gabriela Marques Valente, José Guilherme Guimarães Rabelo, Maria Gabriela Ferreira Carvalho, Bruno Hashimoto Yonegura

Abstract


O estresse no trabalho foi definido inicialmente como conjunto de sintomas médicos-biológicos e psicossociais inespecíficos. Em 1997 expandiram esse conceito para além dos serviços que trabalham com pessoas, colocando as manifestações como exaustão emocional e física, o cinismo e a ineficácia profissional das pessoas em seu trabalho. Entende-se que cada vez mais essa síndrome será parte da prática médica, tanto nos pacientes como nos próprios médicos, portanto, este trabalho busca compreender causas e consequências da Síndrome de Burnout na classe médica. Estudos realizados indicam que a SB é um grande problema psicossocial do mundo atual, despertando interesse e preocupação da comunidade científica. Realizou-se uma revisão narrativa de caráter qualitativo, para uma investigação atualizada do tema estudado. Os fatores de risco se relacionam com a organização, o indivíduo, o trabalho e a sociedade. São características definidoras da SB: estresse crônico e progressivo, perda da eficácia/eficiência, sensação de esgotamento emocional e físico, diminuição das relações interpessoais e aumento do absenteísmo. O diagnóstico é feito através da realização de entrevista clínica associada a outros métodos de avaliação psicológica. O tratamento e a prevenção são intervenções direcionadas ao paciente e intervenções estruturais-organizacionais. A síndrome pode afetar mais de 40% da classe médica. Concluiu-se que a síndrome é uma patologia de multifatorial, influenciada por características individuais e estruturais/organizacionais, que impactam e prejudicam na qualidade do atendimento. A doença tem se tornado muito comum em todo o mundo.  Porém, dados epidemiológicos ainda são escassos.


Keywords


esgotamento profissional, síndrome de Burnout, médicos.

References


BORGES, Lívia Oliveira et al. A síndrome de burnout e os valores organizacionais: um estudo comparativo em hospitais universitários. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 15, n. 1, p. 189-200, 2002.

BRASIL, Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

CARLOTTO, M. S., LIBRELOTTO, R., PIZZINATO, A., & BARCINSKI, M.. Prevalência e factores associados à Síndrome de Burnout nos professores de ensino especial. Análise Psicológica, 2012. 30(3), 315-327.

CARLOTTO, Mary Sandra. A síndrome de Burnout e o trabalho docente. Psicol. estud., Maringá. v. 7, n. 1, p. 21-29, junho, 2002.

DEJOURS, Christophe - A loucura do trabalho. Cortez-Oboré, São Paulo, 1992.

FERRER, Ramón. Burn out o síndrome de desgaste professional. Medicina Clínica, University of Barcelona, 2002. 119. 495–496. 10.1016/S0025-7753(02)73473-8.

FONSECA, Ricardo Tadeu Marques da. Saúde Mental para e pelo Trabalho. Saúde mental no trabalho: coletânea do fórum de saúde e segurança no trabalho do Estado de Goiás /coordenação geral, Januário Justino Ferreira; coordenação científica, Laís de Oliveira Penido. – Goiânia: Cir Gráfica, 2013. p.137.

FREUDENBERGER, H. J. Staff burn-out. Journal of social issues, Malden, v. 30, no. 1, p. 159-165, 1974.

GIL-MONTE, P. R. El síndrome de quemarse por el trabajo (“burnout”). Una enfermedad laboral en la sociedad del bienestar. Madrid: Pirámide, 2005.

GIL-MONTE, P. R. The influence of guilt on the relationship between burnout and depression. European Psychologist, 2012. 17(3), 231-236.

GIL-MONTE, P. R.. Evaluación psicométrica del síndrome de quemarse por el trabajo (burnout): el cuestionario “CESQT”. In J. Garrido (Org.), Power’s Management. Barcelona: Planeta, 2008a.

GIL-MONTE, P. R.. Magnitude of relationship between burnout and absenteeism: A preliminary study. Psychological Reports, 2008b, 102, 465-568.

GLINA, D. M. R., ROCHA, L. E., BATISTA, M. L., & MENDONÇA, M. G. V.. Saúde mental e trabalho: uma reflexão sobre o nexo com o trabalho e o diagnóstico, com base na prática. Cadernos de Saúde Pública, 2001. 17(3),607-616.

INTERNATIONAL STRESS MANAGEMENT ASSOCIATION. Burnout: 30% sofrem do tipo de estresse mais devastador. 2013 Available from: http://www.ismabrasil.com.br/artigo/burnout-y-30-sofrem-do-tipo-de-estresse-mais-devastador.

LACY, Brian E; CHAN, Johanna L. Physician Burnout: The Hidden Health Care Crisis. Clin Gastroenterol Hepatoly,2018 Mar;16(3):311-317. doi: 10.1016/j.cgh.2017.06.043.

LOUREIRO, Helena; PEREIRA, Ana Nicole; OLIVEIRA, Ana Patrícia; PESSOA, Ana Raquel. Burnout no trabalho. Revista de Enfermagem Referência [Internet], 2008.

MASLACH, C.; JACKSON, S. E. The measurement of experienced burnout. Journal of Occupational Behavior, Sussex, England, v. 2, n. 2, p. 99-113, 1981.

MASLACH, Christina.; LEITER, Michae. The truth about Burnout: how organizations cause personal stress and what to do about it. Jossey-Bass Publishers, São Francisco, 1997.

MASLACH, Christina; SCHAUFELI, Wilmar; LEITER, Michae. Job burnout. Annual Review Psychology, 2001.

MORI, Mariana Ono; VALENTE, Tânia Cristina O.; NASCIMENTO, Luiz Fernando C.. Síndrome de Burnout e rendimento acadêmico em estudantes da primeira à quarta série de um curso de graduação em medicina. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 36, n. 4, p. 536-540, Dec, 2012.

MOSS, M; GOOD, V S; GOZAL, D; KLEINPELL, R; SESSLER, C N. An official critical care societies collaborative statement: burnout syndrome in critical care health care professionals: a call for action. Am J Crit Care. 2016, 150:17-26.

MUROFUSE, N.T.; ABRANCHES, S.S., NAPOLEÃO, A.A. Reflexões sobre estresse e Burnout e a relação com a enfermagem. Rev Latino-am Enfermagem, março-abril, 2005.

OMS, Divisão de Saúde Mental. Diretrizes para a prevenção primária de transtornos mentais, neurológicos e psicossociais. Organização Mundial da Saúde, 1994.

PANAGIOTI, Maria; PANAGOPOULOU, Efharis; BOWER, Peter; LEWITH, George; KONTOPANTELIS, Evangelos; CHEW-GRAHAM, Carolyn DAWSON, Shoba; VAN MARWIJK, Harm; GERAGHTY, Keith; ESMAIL, Aneez. Controlled Interventions to Reduce Burnout in Physicians: A Systematic Review and Meta-analysis. JAMA Intern Med, 2017;177(2):195–205. doi:10.1001/jamainternmed.2016.7674

PATEL, R S; SEKHRI, S; BHIMANADHAM, N N; et al. A Review on Strategies to Manage Physician Burnout. Cureus, June 03, 2019. 11(6): e4805.

SCHAUFELI, Wilmar; LEITER, Michae; MASLACH, Christina. Burnout: 35 Years of research and practice. Career Development International. (2009). 14.10.1108/13620430910966406.

SELYE, Hans. The stress of life. New York: McGraw Hill, 1984.

SIEDSMA, M; EMLET, L. Physician burnout: can we make a difference together? Crit Care. 2015, 19:273.

THOMAÉ, Maria Noelia Vanessa; AYALA, Elio Adrian; SPHAN, Marina Soledad; STORTTI, Mercedes Alejandra. Etiologia y prevencion del sindrome de burnout em los trabajadores de la salud. Revista de Posgrado de la VIa Cátedra de Medicina - N° 153, enero, 2006.

TRIGO, Telma Ramos; TENG, Chei Tung; HALLAK, Jaime Eduardo Cecílio. Síndrome de burnout ou estafa profissional e os transtornos psiquiátricos. Rev. psiquiatr. clín., São Paulo, v. 34, n. 5, p. 223-233, 2007.

VENEGAS, Carolina Lavin; NKANGU, Miriam; DUFFY, Melissa; FERGUSSON, Dean; SPILG, Edward. Interventions to improve resilience in physicians who have completed training: a systematic review. PLOS ONE 2019; 14(1): e0210512.

YATES, Scott W. Physician Stress and Burnout. The American Journal of Medicine, Volume 0, Issue 0, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-108

Refbacks

  • There are currently no refbacks.