Avaliação in vitro da suscetibilidade de bactérias gram positivas e negativas quando expostas a óleos vegetais ozonizados / In vitro evaluation of the susceptibility of gram positive and negative bacteria when exposed to ozonized plant oils

Bruno Antunes Contrucci, Gustavo Rogério Pinato, Augusto Oliveira Silva, Júlia Moraes Castro, Matheus Rodrigues Zorzetti, João Victor Cóllo, Henrique Mendes Farinazzo, Maria Fernanda Lomba Corsini, Sarah Francis Costa Galvão, Bruna Belone Garcia

Abstract


A morbimortalidade causada por infecções relacionadas à assistência à saúde é um assunto de constante relevância a políticas e órgãos públicos. As características intrínsecas e adquiridas de microrganismos prevalentes em ambiente intra-hospitalar favorecem a sua rápida disseminação e elevado índice de complicações, gerando impacto na mortalidade, prevalência de doenças, e consequentemente nos custos envolvidos à assistência. Com a necessidade constante de busca por meios alternativos de controle de infecções, o gás ozônio, com suas características bactericidas, tem se mostrado alternativa promissora. Diante disso, autores buscaram avaliar a susceptibilidade in vitro das bactérias gram negativas e positivas mais prevalentes em ambiente intra-hospitalar, quando submetidas a óleos ozonizados em diferentes concentrações. Observou-se que ambas as classes de bactérias, tanto gram negativas quanto positivas, tiveram seus crescimentos inibidos quando expostas ao azeite de dendê em concentrações de ozônio à 100%. Contudo, quando o ozônio diluído em óleo de girassol e azeite de oliva, permitiu crescimento bacteriano em quaisquer concentrações, de todas as bactérias avaliadas. Com isso, nota-se o efeito bactericida do ozônio quando diluído em compostos lipofílicos a concentrações elevadas, o que corrobora o estímulo a buscas de novas formas de aplicação.  

 

 


Keywords


Ozônio, Óleo Vegetal, Bactéria, Antibacteriano.

References


Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Segurança do paciente e qualidade em serviços de saúde: medidas de prevenção de infecção relacionada à assistência à saúde. Brasília (DF): ANVISA; 2013.

Zimlichman E, Henderson D, Tamir O, Franz C, Song P, Yamin CK. Health care associated infections a meta-analysis of costs and financial impact on the US health care system. JAMA Int Med. 2013; 173:281-301.

Souza ES, Belei RA, Carrilho CMDM, Matsuo T, Yamada-Ogatta SF, Andrade G, et al. Mortality and risks related to healthcare-associated infection. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2015 Jan-Mar; 24(1): 220-8.

Simões AS, Couto I, Toscano C, Gonçalves E, Póvoa P, Viveiros M, et al. Prevention and control of antimicrobial resistant healthcare-associated infections: The Microbiology Laboratory Rocks Front Microbiol. 2016, 7:855.

Centers of Disease Control (CDC). Antibiotic Resistance Threats in the United States, 2013 Edn. Atlanta, GA.

Seibert G, Homer R, Meneghetti BH, Righi RA, Dal Forno NL, Salla A. Einstein. 2014; 12(3): 282-6.

Perna TDGS, Puiatti MA, Perna DH, Pereira NMM, Couri MG, Ferreira CMD. Revista Sociedade Brasileira Clínica Médica. 2015. Abr-Jun; 13(2):119-23.

Forsythe, SJ. Microbiologia da Segurança dos Alimentos. United Kingdon, Wiley-Blackwell, 2° ed., p.496, 2013.

Cavalcante DA, Leite Júnior BRC, Tribst AAL, Cristianini M. Inativação de Escherichia coli O157:H7 e Bacillus subtilis por água ozonizada. B.CEPPA, Curitiba, v.32, n. 1, p. 105-112, jan./jun. 2014.

Donkor ES. Understanding the pneumococcus: transmission and evolution. Front. Cell. Infect. Microbiol. V. 3, p. 1-5, mar. 2013.

Clinical and Laboratory Standards Institute. Performance Standards for Antimicrobial Susceptibility Testing; Twenty-Fifth Informational Supplement. CLSI document M100-S25. Wayne, PA: Clinical and Laboratory Standards Institute; 2015.

Corrêa Rde A, Lundgren FL, Pereira-Silva JL, Frare e Silva RL, Cardoso AP, Lemos AC, et al. Brazilian guidelines for community-acquired pneumonia in immunocompetent adults - 2009. J Bras Pneumol. 2009;35(6):574-601.

Menezes, APO. Colonização nasofaringeana por Streptococcus pneumoniae: Estudo longitudinal em crianças menores de cinco anos de idade. f. il. Tese (Doutorado) – Fundação Oswaldo Cruz, Centro de Pesquisa Gonçalo Moniz, Salvador, 2014.

Teles MF, Rodrigues MSP, Oliveira CNT, Souza CL, Oliveira MV. Prevalência de Streptococcus pyogenes em orofaringe de portadores assintomáticos: revisão de literatura. C&D-Revista Eletrônica da Fainor, Vitória da Conquista, v.8, n.1, p.38-53, jan./jun. 2015.

Vieira FMJ, Figueiredo CR, Soares MC, Weckx LY, Santos O, Magalhães G, Orlandi P, Weckx LLM, Pignatari S. Prevalência de Streptococcus pyogenes em orofaringe de crianças que frequentam creches: estudo comparativo entre diferentes regiões do país. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. 2006;72(5):587-91.

Bocci V. Scentific and medical aspects of ozone therapy. State of the Art. Arc Med Res 2006; 37:425-35.

Tormin SC, Navarini A, Almeida JOCF, Travassos LHR, Negri MVG, Silva RA. Análise do efeito bactericida do ozônio sobre bactérias multirressistentes. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo. 2016.

Nogales CG, Ferreira MB, Lage-Marques JL, Comparison of the antimicrobial activity of three different concentrations of aqueous ozone on Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus aureus, and Enterococcus faecalis – in vitro study. Rev Esp Ozonoterapia. 2014; 4:9-15.

Smith NL, Wilson AL, Gandhi J, Vatsia S, Khan SA. Ozone therapy: an overview of pharmacodynamics, current research, and clinical utility. Med Gas Res. 2017;7(3):212-219.

Sánchez-Martínez G. The challenges of ozone therapy and access to sources of information. Rev Esp Ozonoterapia. 2014; 4:87-9.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-097

Refbacks

  • There are currently no refbacks.