O uso da Fitoterapia e suas implicações / The use of herbal medicine and its implications

Manasses Almeida de Franca, Wenderson Renovato de Lima, Thales Soares de Oliveira, Jaqueline Nascimento dos Santos, Climério Avelino de Figueredo, Maria do Socorro Sousa, Bruno Henrique Andrade Galvão, Danielly Albuquerque da Costa

Abstract


O uso de plantas medicinais como alternativa terapêutica é uma prática realizada por milhares de brasileiros, sendo influenciada por fatores sociais, econômicos e culturais. Este trabalho teve como objetivo investigar o conhecimento da comunidade da UFPB, Campus I, sobre o uso da Fitoterapia e suas implicações. Trata-se de uma pesquisa exploratória, descritiva, com abordagem quantitativa, realizada de março a outubro de 2019, com discentes, docentes, técnico-administrativos, funcionários terceirizados e os usuários de serviços ambulatoriais. Os resultados evidenciaram que os entrevistados têm conhecimento equivocado em vários aspectos importantes no que se refere à Fitoterapia, seu uso e suas implicações. De maneira geral, em todos os grupos entrevistados, de 20 a 30% das pessoas afirmaram que o tratamento com plantas não contém substâncias quimicamente ativas e de 10 a 20% responderam que as plantas não têm efeito colateral. Esse equívoco também ficou expresso quando em torno de 50% de todas as categorias entrevistas afirmaram que as plantas medicinais podem ser usadas junto com qualquer outra terapia, incluindo seu uso em grávidas, idosos e crianças abaixo de dois anos. Para os grupos destacados no estudo, de uma maneira geral, os entrevistados correlacionam efeitos adversos para o grupo das grávidas, levando ao abortamento. Outro aspecto citado foi a relação entre uso de doses elevadas e surgimento de algum efeito adverso. Diante do exposto, é imprescindível um melhor conhecimento da Fitoterapia entre as pessoas para que seu uso ocorra de forma segura.


Keywords


Plantas Medicinais. Interação medicamentosa. Toxicidade.

References


ALEXANDRE, R. F., BAGATINI, F., SIMÕES, C. M. O. Interações entre fármacos e medicamentos fitoterápicos à base de ginkgo ou ginseng. Revista Brasileira Farmacognosia, v. 18, p.117-126, 2008a.

ALEXANDRE, R. F., BAGATINI, F., SIMÕES, C.M.O. Potenciais interações entre fármacos e produtos à base de valeriana ou alho. Revista Brasileira de Farmacognosia. v. 18, p. 455- 463, 2008b.

AMORIM et al.. Conhecimento sobre Fitoterapia e Homeopatia em comunidade universitária. Revista Brasileira de Educação e Saúde. V.10, n.3, p.128-135, jul-set 2020.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância e Sanitária. Medicamentos Fitoterápicos e Plantas Medicinais. Disponível em: Acesso em: 17/10/20.

BALBINO, E.E.; DIAS, M. F. Farmacovigilância: um passo em direção ao uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.20, n.6, p.992-1000, 2010.

BAMES, J. Pharmacovigilance of herbal medicines: a UK perspective. Drug Safety, v. 26, p. 829-851, 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 648/GM, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 29 mar. 2006b.

_____. Ministério da Saúde. Portaria nº 886/GM, de 20 de abril de 2010. Institui a Farmácia Viva no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 22 abril. 2010, pag. 75, Secção 1.

_____. Resolução RDC nº 18, de 03 de abril de 2013. Dispõe sobre as boas práticas de processamento e armazenamento de plantas medicinais, preparação e dispensação de produtos magistrais e oficinais de plantas medicinais e fitoterápicos em farmácias vivas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

_____. Resolução RDC nº 26, de 13 de maio de 2014. Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos e o registro e a notificação de produtos tradicionais fitoterápicos. Diário Oficial da União.

CAMPESATO, V.R. Uso de Plantas Medicinais durante a gravidez e risco para malformações congênitas. Tese de Doutorado - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2005.

DINIZ, M. F. F. M. ESTEVAM, E. C. IN: Araújo, E. C.; Freitas, N. O.; Sousa, J. C. (Org.). Saberes, conhecimentos e práticas da enfermagem sobre plantas medicinais. Novas Edições Acadêmicas, 2014.

FERREIRA, E.T. et al. A utilização de plantas medicinais e fitoterápicos: uma revisão integrativa sobre a atuação do enfermeiro. Brazilian Journal of Health Review, v. 2, n.3, p.1511-1523, 2019.

LIMA, S.C.S et al.. Representações e usos de plantas medicinais por homens idosos. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v.20, n.4, p.1-8, 2012.

LIMA, L.O. Farmacovigilância no Brasil: Panorama das notificações no âmbito da fitoterapia, Dissertação de mestrado. UFPR, Curitiba, 2013. 177p.

MACIEL, M.A.M., PINTO, A.C., VEIGA JR., V.F., GRYNBERG, N.F., ECHE VARRIA, A. Plantas medicinais: a necessidade de estudos multi disciplinares. Química Nova, v. 25, p. 429 438, 2002.

MATOS, F. J. A. Farmácias Vivas. Fortaleza: edições UFC; 1991.

MATOS, F.J.A et al.. Plantas Tóxicas: Estudo de Fitotoxicologia Química de Plantas Brasileiras. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda, 2011.

NASCIMENTO, M.C.; ROMANO, V.F.; CHAZAN, A.C.S. QUARESMA, C. H. Formação em práticas integrativas e complementares em saúde: desafios para as universidades públicas. Trabalho, Educação e Saúde, v.16, n.2, p.751-772, 2018.

NICOLETTI1, M.A. et al.. Principais Interações no uso de Medicamentos Fitoterápicos. Infarma, v.19, n. 1/2, 2007.

OLIVEIRA, C.J; ARAÚJO, L.T. Plantas medicinais: usos e crenças de idosos portadores de hipertensão arterial. Revista Eletrônica de Enfermagem, v.9, n.1, p.93-105, 2007.

OLIVEIRA, F. Q.; GONÇALVES L. A. Conhecimento sobre plantas medicinais e fitoterápicos e potencial de toxicidade por usuários de Belo Horizonte, Minas Gerais. Revista Eletrônica de Farmácia. v.3, n.2, p. 36-41, 2006.

OLIVEIRA JUNIOR, R.G.D et al.. Plantas medicinais utilizadas por um grupo de idosos do Município de Petrolina, Pernambuco. Revista Eletrônica de Farmácia, v.4, n.3, p.16-28, 2012.

OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Bulletin of the World Health Or ganization: Regulatory situation of herbal medicines A worldwi de review. Geneva, 1998.

RIO DE JANEIRO (Estado). Resolução SES nº1757, de 18 de fevereiro de 2002. Contraindica o uso de Plantas Medicinais no Âmbito do Estado do Rio de Janeiro e dá outras providências. Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro, 20 fev. 2002, v.27, n.33. Parte I.

SALLES S. Homeopatia, Universidade e SUS: resistências e aproximações. São Paulo: Hucitec/Fapesp; 2008.

SECOLI, S.R. Polifarmácia: interações e reações adversas no uso de medicamentos por idosos. Revista Brasileira de Enfermagem, v.63, n.1, p.136-140, 2010.

SILVA, J. N.; DANTAS, I. C. CHAVES, T.P. Plantas utilizadas como abortivas no município de Bom Jardim – PE. Revista de Biologia e Farmácia, v. 4, n.1, 2010.

SOUSA, M. S. O uso de plantas medicinais na pediatria. In: Ednaldo Cavalcante de Araújo, Natália Oliveira de Freitas, Josueida de Carvalho Sousa. (Org.). Saberes, conhecimentos e práticas da enfermagem sobre plantas medicinais. NEA - Novas Edições Acadêmicas, 2014.

SOUZA, M. et al. Plantas medicinais abortivas utilizadas por mulheres de UBS: etnofarmacologia e análises cromatográficas por CCD e CLAE. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu v.15, n.4, 2013. Supl. 1.

TEIXEIRA, M. Z.; LIN, C.A. Educação médica em terapêuticas não convencionais. Revista Médica (São Paulo). Out.-dez., v. 92, n. 4, p.224-235, 2013.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. The importance of Pharmacovigilance - Safety Monitoring of Medicinal Products. Geneva, 2002.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Guidelines on safety monitoring of herbal medicines in pharmacovigilance systems. Geneva, 2004.

WILLIAMSON, E.; DRIVER, S.; BAXTER, K. et al.. Interações medicamentosas de Stockley. Plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos. Porto Alegre: Artmed Editora Ltda, 2009.

WILLIAMSON, E. M. Interactions between herbal and conventional medicines. Expert Opinion on Drug Safety, v. 4, p. 355-378, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-094

Refbacks

  • There are currently no refbacks.