A prevalência de enxaqueca em acadêmicos de medicina / The prevalence of migraine in medical academics

Bianca Pires Camargos, Jesse Heloisa Carvalho Mendonça, Júlia Alcântara Junqueira Meneghetti, Júlia Oliveira Perez, Vanessa Ferreira Santana

Abstract


Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a enxaqueca ou migrânea atinge 15% da população mundial, inclusive universitários, e interfere no cotidiano desses. Assim, é preciso analisar o seu predomínio entre os acadêmicos de medicina, já que é uma doença que intervém no desempenho do educando. Este trabalho caracteriza-se por uma revisão sistemática, tendo sido realizado levantamento bibliográfico nas bases de dados Lilacs, SciELO e PubMed. Foram selecionados 13 artigos e após leitura destes, foram incluídos aqueles dentre o período de 2006 a 2019, com abordagem direcionada aos estudantes de medicina e com foco especial à enxaqueca, totalizando 10 artigos na seleção final. Sabe-se que a enxaqueca, doença neurológica altamente incapacitante responsável pela redução da produtividade e pelo aumento do absenteísmo laboral, apresenta, dentre a população brasileira, uma média da prevalência de 18% ao longo da vida. Os acadêmicos de medicina participam dessa porcentagem e grande parte queixa-se do comprometimento na qualidade de vida. Nessa perspectiva, a literatura expõe maior predomínio no gênero feminino e associa essa diferença às variações hormonais ocorridas durante o ciclo menstrual. Além disso, para responder às demandas impostas pelo curso, esses universitários abdicam de horas de sono regulares e enfrentam um cotidiano estressante, fatores que predispõem às crises álgicas. Nesse sentido, estudos de referência mostram que essa cefaleia está mais presente nos últimos períodos do curso, visto que as obrigações e responsabilidades aumentam. Dessa forma, para um melhor rendimento, muitos discentes tornam-se adeptos à automedicação e ao uso abusivo de analgésicos, o que desencadeia efeitos colaterais significativos. Sob essa ótica, é de suma importância que os estudantes atentem-se para os episódios de dor a fim de buscar um tratamento adequado por profissionais capacitados. Ademais, é preciso procurar alternativas que melhorem a rotina acadêmica e amenizem, assim, os malefícios advindos dessa cefaleia. É notável, pois, que a enxaqueca é dominante no ambiente universitário e causa prejuízos na rotina acadêmica e na qualidade de vida dos estudantes de medicina, os quais, por estarem submetidos a momentos de estresse e por se privarem de hábitos de lazer em troca de horas inexoráveis de estudos, são mais ameaçados por essa cefaleia. Diante disso, medidas de promoção e prevenção são essenciais nesse âmbito para promover um melhor rendimento acadêmico e pessoal desses futuros profissionais.

 


Keywords


Prevalência, Enxaqueca, Acadêmicos de Medicina.

References


SANTOS, Rawanderson; et al. Prevalência de cefaleia e seus impactos em estudantes de medicina em uma universidade pública. Revista Brasileira de Neurologia, 55(3):5-8, 2019. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2019/10/1022871/revista553-v2-artigo1.pdf. Acesso em: 06/10/2020.

GONÇALVES, Filipe Vieira Cardoso, et al. Cefaleia e comprometimento da qualidade de vida em estudantes de medicina: um estudo transversal. Programa de Iniciação Científica da Faculdade Pernambucana de Saúde, 2017. Disponível em: https://tcc.fps.edu.br/bitstream/fpsrepo/308/1/Cefaleia%20e%20comprometimento%20da%20qualidade%20de%20vida%20em%20estudantes%20de%20medicina_vers%C3%A3o%20final.pdf . Acesso em: 06/10/2020.

CATHARINO, Antônio Marcos da Silva; et al. Cefaléia: prevalência e relação com o desempenho escolar de estudantes de medicina. Migrâneas cefaléias, v.10, n.2, p.46-50, abr./mai./jun. 2007.

SOUZA, Nathalye Emanuelle; et al. Cefaleia: migrânea e qualidade de vida. Revista de Saúde. 2015

ANDRADE, Anna Flávia Brant; et al. Prevalência e fatores associados à enxaqueca nos estudantes da Faculdade de Medicina de Barbacena, MG – Brasil. Revista de Medicina de Minas Gerais, 2011

PAHIM, Luciane Scherer; et al. Prevalência e fatores associados à enxaqueca na população adulta de Pelotas, RS. Revista de Saúde Pública 2006.

Carvalho, Swanny Simões de; et al. Cefaleia e qualidade de vida em estudantes de medicina durante a graduação. Revista Interdisciplinar do Pensamento Científico. Nº 3, volume 4, artigo nº 24, Julho/Dezembro 2018.

LOPES, D. C. P.; FÜHRER, F. ME. C.; AGUIAR, P. M. C. Cefaleia e qualidade de vida na graduação de medicina. Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria. 2015 Maio/Ago;19(2):84-95

MENON, B.; KINNERA, N. Prevalence and characteristics of migraine in medical students and its impact on their daily activities. Annal so fIndi an Academy of Neurology, v. 16, n. 2, p. 221-5, 2013.

FERRI-DE-BARROS, J. E.; et al. Cefaleia em estudantes de medicina e psicologia. Arq. Neuro-Psiquiatr.[online]. 2011, vol.69, n.3, pp.502-508.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-072

Refbacks

  • There are currently no refbacks.