Diagnóstico “processos familiares interrompidos” em pais de crianças com câncer / Diagnosis "disrupted family processes" in parents of children with cancer

Nayane Emilly Sales de Queiroz, Caren Nádia Soares de Sousa, Janaína Calisto Moreira, Fátima Dayanne Wirtzbiki Ferreira, Francisca Andréa Marques de Albuquerque, Adriana Sousa Carvalho de Aguiar, Cicera Brena Calixto Sousa Borges

Abstract


Câncer infantil é todo e qualquer tipo de processo patológico que desencadeia um neoplasma maligno e que se manifesta em crianças menores de 15 anos. Além dos prejuízos acarretados ao público infanto-juvenil, o diagnóstico do câncer origina malefícios também aos cônjuges. Neste contexto, o diagnóstico Processos Familiares Interrompidos mostra-se uma importante ferramenta na assistência aos pais de crianças diagnosticadas com câncer. O presente estudo objetivou investigar a possível presença de tal diagnóstico em pais de crianças diagnosticadas com câncer e internadas para tratamento em uma unidade de referência. Estudo descritivo, com abordagem quantitativa e qualitativa, do tipo transversal. Os critérios de inclusão utilizados foram: consentimento das participações, maioridade e acompanhamento da rotina de tratamento do filho. 100% dos entrevistados apresentaram uma característica definidora ou um fator relacionado presentes no diagnóstico de enfermagem investigado. Ao longo do estudo, surgiram cinco categorias, a saber: mudanças no relacionamento conjugal; alterações nos processos de comunicação; mudanças na vida sexual do casal; modificações no convívio do casal; expressões de sentimentos. Dentre os achados observados ao longo deste estudo, destaca-se a quantidade de relatos da existência de mudanças abruptas na rotina dos pais das crianças hospitalizadas, evidenciando deste modo a presença do diagnóstico estudado em todos os participantes.


Keywords


Oncologia, Diagnóstico de enfermagem, Disfunção familiar.

References


Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva [Internet]. 2018. Disponível em: http:// www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/infantil.

Negreiros RV, Furtado IS, Vasconcelos CRP, Souza LSB, Vilar MMG, Alves RF. A importância familiar no tratamento do câncer infantil. RSC online. 2017; 6(1): p 57 - 64.

Caprini FR, Motta AB. (2017). Câncer infantil: uma análise do impacto do diagnóstico. Psicologia: teoria e prática. 2017; 19(2): 164-176.

Santos DP, Silveira AO. Repercussões do câncer infantil na vida da criança e nos subsistemas familiares: revisão integrativa da literatura (TCC). Brasília (DF): Curso de Enfermagem, Universidade de Brasília; 2016.

Finelli LAC, Silva KJ, Santana MR. Percepção da mãe quanto às consequências que o câncer do filho traz ao relacionamento conjugal. RBPeCS. 2015; 2(1): 18-21.

Silva MM, Lima, LS. Participation of the family in hospital-based palliative cancer care: perspective of nurses. Rev Gaúcha Enferm. 2014 Dec; 35(4): 14-19. Huitzi-Egilegor JX, Elorza-Puyadena MI, Urkia- Etxabe JM, Esnaola-Herrero MV, Asurabarrena- Iraola C. Retrospective study of the implementation of the nursing process in a health area. Rev Latino- Am Enfermagem. 2013; 21(5):1049-53.

Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução COFEN n. 358, de 15 de outubro de 2009: dispõe sobre a sistematização da assistência de enfermagem e a implementação do processo de enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de enfermagem, e dá outras providências. Brasília (DF); 2009 [citado 2012 maio 04]. Disponível em: http://site.portalcofen.gov.br/node/4384.

Diagnósticos de enfermagem da NANDA-I: definições e classificação 2018-2020 [recurso eletrônico] / [NANDA International]; tradução: Regina Machado Garcez; revisão técnica: Alba Lucia Bottura Leite de Barros... [et al.]. 11a ed. Porto Alegre: Artmed; 2018.

Barros SRAF, Albuquerque APS. Condutas de enfermagem no diagnóstico da dor e a classificação dos resultados. Rev dor. 2014 June; 15(2): 107-111.

Dyniewicz AM. Metodologia da pesquisa em saúde para iniciantes. 2º ed. São Caetano do Sul, São Paulo: Difusão Editora; 2009.

Fagundes CSO, Silva MF, Silva Júnior RF, Barbosa HA. “Senti culpa, muita tristeza e vontade de chorar” - percepções sobre o câncer para mães e cuidadores de crianças em tratamento oncológico. Bionorte. 2015 Jul; 4(2): 48-60.

Alves SWE, Uchôa-Figueiredo LR. Estratégias de atuação da psicologia diante do câncer infantil: uma revisão integrativa. Sbph. 2017 Jun; 20(1): 55-74.

Luz SK, Mosmann CP. Funcionalidade e comunicação conjugal em diferentes etapas do ciclo de vida. Spagesp. 2017 Jul 20; 19(1): 21-34.

Daltro MCSL, Moraes JC, Marsiglia RG. Cuidadores de crianças e adolescentes com transtornos mentais: mudanças na vida social, familiar e sexual. Saúde e Sociedade. 2018 Jun; 27(2): 544-555.

Beck ARM, Lopes MHBM. Cuidadores de crianças com câncer: aspectos da vida afetados pela atividade de cuidador. Revista Brasileira de Enfermagem. 2007; 60(6): 670-675.

Pereira ECB. Câncer infantil: os impactos na vida de pais que tiveram seus filhos diagnosticados [TCC]. Santa Catarina: Universidade do Sul de Santa Catarina; 2017.

Pontes HP, Praxedes AENQ, Oliveira MGP, Pinheiro BLA, Rolim KMC, Frota MA. Sentimentos vivenciados durante o tratamento do câncer infantil. Investigação Qualitativa em Saúde. 2018; 2: 1167-1174.

Debone MC, Pedruncci ESN, Candido MCP, Marques S, Kusumota L. Nursing diagnosis in older adults with chronic kidney disease on hemodialysis. Revista Brasileira de Enfermagem. 2017 Aug; 70(4): 800-805.

Andrade RC, Marques AR, Leite ACAB, Martimiano RR, dos Santos BD, Pan R et al. Necessidades dos pais de crianças hospitalizadas: evidências para o cuidado. Rev Eletr Enf [Internet] 2015; 17(2) [acesso em 15 dez 2015]. Disponível: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v17i2.30041.

Gonçalves KG, Figueiredo JR, Oliveira SX, Davim RMB, Camboim JCA, Camboim FEF. Criança hospitalizada e equipe de enfermagem: uma opinião de acompanhantes. Rev Enferm UFPE on line. 2017[citado em 2016 jun. 01]; 11(Supl. 6): 2586-3. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/ revistaenfermagem/article/download/23427/19114

Pontes HP, Praxedes AENQ, Oliveira MGP, Pinheiro BLA, Rolim KMC, Frota MA. Sentimentos vivenciados durante o tratamento do câncer infantil. Investigação Qualitativa em Saúde. 2018; 2: 1167-1174.

Barbosa AS, Studart RMB. Nursing diagnostics in patients hospitalized in a high complexity postoperative unit. Rev de Enferm UFPI [internet] 2017 Jul-Set; 6(3): 18-23. Disponível em: https://doi.org/10.26694/reufpi.v6i3.5893.

Anjos C, Santo FHE, Carvalho EMMS. O câncer infantil no âmbito familiar: revisão integrativa. Rev Min Enf. 2015; 19(1): 227-40.

Camponogara S, Pinno C, Dias GL, Bonfada MS, Belmonte TDJ, Loiola CN. Sentimentos vivenciados por pais de crianças hospitalizadas em unidades de terapia intensiva neonatal e pediátrica. Rev Enferm. UFPI. 2018; 7(4): 43-7.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-070

Refbacks

  • There are currently no refbacks.