Alterações endócrinas secundárias à cirurgia bariátrica: revisão sistemática / Endocrine changes secondary to bariatric surgery: systematic review

Bruna Malvestiti Vieira dos Santos, Isabella Pereira Sabino, Marcel Moreschi Rossi, Gabriella Soares de Souza

Abstract


INTRODUÇÃO: A cirurgia bariátrica (CB) ou metabólica resulta em alterações neuroendócrinas e metabólicas significativas. OBJETIVO: Apresentar as alterações endócrinas secundárias à CB, a partir de uma revisão sistemática de literatura. METODOLOGIA: Foi realizada uma revisão sistemática de artigos nas bases de dados PubMed e Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) em março de 2021, utilizando os descritores "endocrine changes" e "bariatric surgery”. Foram selecionados 16 estudos após serem incluídos na análise todos os estudos publicados entre 2016 e 2021 e excluídos os estudos duplicados; os realizados em animais; os publicados em mandarim ou língua grega; os de revisão convidada, revisão de literatura ou estudo exploratório; e os que não apresentaram as alterações secundárias à CB. RESULTADOS: Após a CB, observam-se alterações nos níveis de grelina, metencefalina, opioides, hormônio tireoestimulante (TSH), colesterol total (CT), lipoproteína de baixa densidade (LDL) e contagem total de leucócitos (CTL); na atividade de alanina aminotransferase (ALT), gama-glutamil transferase (GGT) e proteína C-reativa (PCR); em bifenilos policlorados (PCBs) e toxicidade equivalente (TEQ) e consequente alteração nos eixos hipotálamo-hipófise-tireoide (HHT) e hipotálamo-hipófise-gônadas (HHG); no eixo GH-IGF-1 (hormônio do crescimento - fator de crescimento tipo insulina I); diminuição da resistência insulínica, com melhora do perfil glicêmico. Após gastrectomia vertical (GV), verifica-se diminuição de densidade mineral óssea volumétrica (vDMO) e tecido adiposo da medula (TAM) em extremidades, aumento do TAM lombar e modificação na composição do TAM. Em pacientes, tolerantes à glicose, submetidos ao bypass gástrico em Y-de-Roux (BGYR), não houve alteração funcional das células beta pancreáticas. Após cirurgia de obesidade primária endoluminal (POSE), foram notadas alterações na fisiologia neuroendócrina gastrointestinal, ocasionando significativa perda ponderal, melhora da homeostase da glicose e aumento da saciedade. DISCUSSÃO: A perda ponderal induzida pela CB altera os valores de GH, IGF-1, PCR, insulina, glicose em jejum, irisina, nesfatina-1, poluentes orgânicos persistentes (POPs), globulina ligadora de hormônios sexuais (SHBG), índice de testosterona livre (FTI), testosterona, hormônio estimulante da tireoide (TSH), tiroxina (T4), cortisol, PCBs, pesticidas organoclorados (OCPs), perfluoroquímicos (PFCs) e éteres difenílicos polibromados (PBDEs). Após GV, há alteração dos níveis de grelina, opioides, metencefalina, TSH, CT, LDL, triglicerídeos, PCR, CTL, FSH, LH, vDMO lombar, TAM e na atividade de ALT e GGT. Após BGYR, verificam-se alterações relacionadas à insulina, glucagon, hormônios intestinais, IGF, LH, SHBG, albumina, testosterona livre e total, dehidroepiandrosterona (DHEA), bifenilos halogenados, policlorados estruturalmente relacionados dibenzo-p-dioxinas dibenzofuranos (PCDD/Fs), difeniléteres, PCBs, TEQs e compostos bromados. Ao comparar as alterações após BGYR e GV, há diferentes alterações relacionadas a grelina, testosterona, pressão arterial (PA), peptídeo semelhante ao glucagon (GLP) 1, peptídeo YY (PYY), glicemia e insulina. Há alterações equivalentes quanto a insulina e glicose em jejum, GLP-2 e glucagon. Quanto a POSE, evidencia-se alterações relacionadas a leptina, glicose, grelina e PPY. CONCLUSÃO: há alterações distintas e equivalentes após BGYR e GV, individual ou associadamente, relacionando-se a homeostase da glicose, riscos cardiovasculares, remissão de comorbidades – DM2, HAS e dislipidemia –, IMC, SOP, função ovariana e esvaziamento gástrico. Em comparação, a POSE mostra superioridade quanto à perda ponderal e redução de comorbidades.

 

 


Keywords


Alterações endócrinas, Cirurgia bariátrica, Cirurgia metabólica.

References


ANDRADE, Victor Brito Prado Kallas et al. Evidências nos parâmetros clínico-laboratoriais pós Cirurgia Bariátrica em diabéticos: Revisão Sistemática Integrativa. Brazilian Journal of Health Review, v. 4, n. 2, p. 9515-9526, 2021.

BREDELLA, Miriam A. et al. Effects of sleeve gastrectomy on bone marrow adipose tissue in adolescents and young adults with obesity. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, v. 105, n. 11, p. e3961-e3970, 2020.

BROWN, Robert H. et al. Mobilization of environmental toxicants following bariatric surgery. Obesity, v. 27, n. 11, p. 1865-1873, 2019.

DESHMUKH, Harshal et al. Association of endocrine active environmental compounds with body mass index and weight loss following bariatric surgery. Clinical Endocrinology, v. 93, n. 3, p. 280-287, 2020.

DIRKSEN, Carsten et al. No islet cell hyperfunction, but altered gut-islet regulation and postprandial hypoglycemia in glucose-tolerant patients 3 years after gastric bypass surgery. Obesity surgery, v. 26, n. 9, p. 2263-2267, 2016.

DYACZYŃSKI, Michał et al. Opioid-like peptides and ghrelin mitigation of bariatric results depends on obesity level. Endokrynologia Polska, v. 71, n. 1, p. 27-33, 2020.

EL KHOURY, Lionel et al. Metabolic surgery and diabesity: a systematic review. Obesity surgery, v. 28, n. 7, p. 2069-2077, 2018.

ESPINÓS, J. C. et al. Gastrointestinal physiological changes and their relationship to weight loss following the POSE procedure. Obesity surgery, v. 26, n. 5, p. 1081-1089, 2016.

JANSEN, Aina et al. The Influence of Persistent Organic Pollutants on Thyroidal, Reproductive and Adrenal Hormones After Bariatric Surgery. Obesity surgery, v. 30, n. 4, p. 1368-1378, 2020.

JINGGE, Y. et al. Effect of laparoscopic Roux-en-Y gastric bypass versus laparoscopic sleeve gastrectomy on fasting gastrointestinal and pancreatic peptide hormones: A prospective nonrandomized trial. Surgery For Obesity And Related Disases- Metabolism, v. 14 (10): 1521-1529, 2018.

JUIZ-VALIÑA, Paula et al. Altered GH-IGF-1 Axis in Severe Obese Subjects is Reversed after Bariatric Surgery-Induced Weight Loss and Related with Low-Grade Chronic Inflammation. Journal of Clinical Medicine, v. 9, n. 8, p. 2614, 2020.

JÚNIOR, Agostinho S. Machado et al. The effect of sleeve gastrectomy on the hormonal profile of patients with polycystic ovary syndrome. Obesity surgery, v. 29, n. 8, p. 2415-2419, 2019.

KJÆR, Mette Mandrup et al. The impact of gastric bypass surgery on sex hormones and menstrual cycles in premenopausal women. Gynecological Endocrinology, v. 33, n. 2, p. 160-163, 2017.

MAJORCZYK, M. et al. The influence of bariatric surgery on serum levels of irisin and nesfatin-1. Acta Chir Belg, v. 119, p363-369, 2019.

NUSSBAUMER, Rahel et al. First-Phase Insulin and Amylin after Bariatric Surgery: A Prospective Randomized Trial on Patients with Insulin Resistance or Diabetes after Gastric Bypass or Sleeve Gastrectomy. Obesity Facts, v. 13, n. 6, p. 584-595, 2020.

PURNELL, JQ. et al. Prospective evaluation of insulin and incretin dynamics in obese adults with and without diabetes for 2 years after Roux-en-Y gastric bypass. Diabetologia. v. 61(5):1142–54, 2018.

WABITSCH, M. Gastrointestinal endocrinology in bariatric surgery. Endocr Dev. v. 32, p124–38, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-038

Refbacks

  • There are currently no refbacks.