Doença de Chagas: Aspectos epidemiológicos, fisiopatológicos e de transmissão / Chagas disease: Epidemiological, physiopathological and transmission aspects

Ayssa Marinho Vitorino de Almeida, João Antonio Batista de Matos Soares, Laryssa Marques Pereira Crizanto, Maria do Socorro Vieira Pereira, Clélia de Alencar Xavier Mota

Abstract


Introdução: A Doença de Chagas representa uma condição infecciosa, com elevada carga de morbimortalidade. Configura um importante problema de saúde pública no Brasil, com diferentes cenários regionais. Diante disso, o estudo tem como objetivo contextualizar a Doença de Chagas, evidenciando os principais mecanismos fisiopatológicos, de transmissão e de profilaxia que permeiam a doença. Metodologia: Trata-se de uma revisão sistemática de literatura, realizada através da leitura e discussão de artigos obtidos na base de dados PUBMED, SCIELO e LILACS. Como estratégia de busca foram utilizados os seguintes descritores: “doença de chagas”, “fisiopatologia” e “epidemiologia’’. Os artigos utilizados no estudo foram selecionados, através da leitura do “abstract”, no período de Janeiro á Maio de 2021, sendo considerados, pertinentes ao estudo, aqueles que foram publicados na íntegra nos últimos cinco anos e nos idiomas português e inglês. Resultados e Discussões: A Doença de Chagas é provocada pelo protozoário Trypanosoma cruzi e é considerada problema de saúde pública e social, pois, é caracterizada como parte da identidade da pobreza e dos maus tratos as condições de saúde, afetando populações em situação de vulnerabilidade, especialmente aquelas com baixa visibilidade e pouca voz política, desencadeando processos de estigma e discriminação. É uma patologia que provoca impacto de morbimortalidade importante e é relativamente negligenciada por pesquisadores. Geralmente contrai-se a Doença de Chagas quando se é contaminado pelas fezes do inseto "barbeiro" portador de um protozoário, o Trypanosoma cruzi. É este tripanosoma que, circulando pelo sangue do homem, irá penetrar e produzir lesões em órgãos importantes como no coração, esôfago e os intestinos, causando uma série de sintomas da doença. No entanto, mecanismos alternativos de transmissão vêm sendo observados, destacando-se a transmissão transfusional, a congênita (mãe a filho, durante a gestação), a acidental (contaminação em laboratório) e mesmo em transplante de órgãos (quando o doador é infectado). Assim, é essencial o maior conhecimento referente à fisiopatologia da doença e sua dinâmica de transmissão, envolvendo pessoas infectadas e sob o risco de infecção, diferentes populações do parasito, espécies do vetor e reservatórios de T. cruzi. Este conhecimento integrado representa fator central para a busca de ações consistentes e sustentáveis quanto à gestão, a vigilância, ao controle e a atenção à saúde e social, a fim de que sejam coerentes e efetivas. Considerações Finais: Espera-se com este documento fortalecer o desenvolvimento de ações integradas para o enfrentamento da doença no país com foco em epidemiologia, gestão, atenção integral (incluindo famílias e comunidades), comunicação, informação, educação e pesquisas.


Keywords


Doença de Chagas, Fisiopatologia, Epidemiologia.

References


ALVES, Nayra Suélen Gomes Dias. Influência da infecção por Trypanosoma Cruzi sobre a microbiota intestinal no hospedeiro mamífero. 2020.

BONNEY, Kevin M. et al. Pathology and pathogenesis of Chagas heart disease. Annual Review of Pathology: Mechanisms of Disease, v. 14, p. 421-447, 2019.

CORREIA, Jennifer Rodrigues et al. Doença de Chagas: aspectos clínicos, epidemiológicos e fisiopatológicos. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 13, n. 3, p. e6502-e6502, 2021.

DA SILVA BRITO, Josué. Doença de Chagas: aspectos fisiopatológicos e históricos. Revista Atenas Higeia, v. 1, n. 2, p. 54-60, 2019.

DIAS, J. V. et al. Conhecimentos sobre Triatomíneos e sobre a Doença de Chagas em localidades com diferentes níveis de infestação vetorial. Ciência & Saúde Coletiva. 2016.

FERNANDES, Anna Luísa Barbosa et al. Incidência e prevalência da doença de chagas no Brasil. CIPEEX, v. 2, p. 978-983, 2018.

FIDALGO, A. S. O. B. V. et al. Insect vectors of Chagas disease (Trypanosoma cruzi) in Northeastern Brazil. Rev Soc Bras Med Trop. March-April, 2018.

FONSECA, Gabriela Andrade. Fisiopatologia e diagnóstico das principais hemoparasitoses causadoras de infecção em humanos. 2020.

GUARNER, J. Chagas disease as example of a reemerging parasite. Seminars in Diagnostic Pathology. 2019.

MATTOS, E. C. et al. Fragment detection of Coleopteran and Triatomine insects in experimentally contaminated acai pulp and sugarcane juice. Rev Soc Bras Med Trop. Vol: 53. 2020.

MELO, Antônia P. M. et al. 2021. ‘’ Doença de Chagas: Aspectos Clínicos e Farmacoepidemiológicos’’. Doenças infecciosas e parasitárias no contexto brasileiro [livro eletrônico], 154-167/ organização Tatiana Paschoalette Rodrigues Bachur; Denise Barguil Nepomuceno. Campina Grande: Editora Amplla, 2021. 2 V. DOI: 10.51859/amplaa.dip344.2121-0.

MENDONÇA, Rafael Mota; ROCHA, Aymée Medeiros da; ANDRADE, Maria Sandra; SILVA, Aline Beatriz dos Santos. Doença de Chagas: serviço de referência e epidemiologia. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, [S.L.], v. 33, p. 1-12, 2020. Fundacao Edson Queiroz.

SANTANA, M. P. et al. Prevalência da doença de Chagas entre doadores de sangue do Estado do Piauí, Brasil, no período de 2004 a 2013. Cad. Saúde Pública 2018; 34(2):e00123716.

TEIXEIRA, N. F. D. et al. Multiple Approaches to Address Potential Risk Factors of Chagas Disease Transmission in Northeastern Brazil. Am. J. Trop. Med. Hyg. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-037

Refbacks

  • There are currently no refbacks.