Principais fatores de risco relacionados à sintomatologia da pirose / Main risk factors related to the symptomatology of heartburn

Ruth Medeiros Dantas Teixeira, Ana Paula Barbosa de Lima Fernandes, Hanna de Azevedo Medeiros, Beatriz Martins Oliveira, Maria Tereza Petry

Abstract


De acordo com os Critérios de ROMA IV, a pirose consiste em dor retroesternal em queimação, sendo o principal sintoma relacionado às doenças do esôfago, atingindo todas as faixas etárias. A presença dessa manifestação constantemente prejudica a qualidade de vida e pode cursar ou não com lesões erosivas na mucosa esofágica. Por esses motivos, o aprofundamento nesse assunto torna-se relevante e esta revisão objetiva apresentar os principais fatores de risco envolvidos nessa queixa. Para isto, foi realizada uma revisão bibliográfica por meio de pesquisa nas bases científicas LiLacs, PubMed, Scielo, Gastroentherology Journal, buscando pelos descritores: clínica médica, pirose, refluxo gastroesofágico, sinais e sintomas. A pirose não produz sinais específicos ao exame físico do paciente, tendo sido melhor identificado durante a anamnese. Tem prevalência global de 11,9%, sendo mais comum em mulheres e está associada ao estilo de vida, como maus hábitos alimentares, uso de anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs), e à fatores que aumentam a pressão intra-abdominal, como obesidade, gravidez e exercício físico extenuante, constituindo dessa forma os mecanismos principais dessa queixa.  É manifestada de forma ocasional ou frequente, e pode culminar no prejuízo da qualidade de vida, mas é capaz de ser tratada com medidas comportamentais e/ou o uso de fármacos. Pode-se concluir que a pirose é uma manifestação muito comum na prática clínica pela sua alta prevalência global. Por ser melhor identificada durante a anamnese, é imprescindível o entendimento anatômico, semiológico e fisiopatológico dessa entidade clínica, visando seu correto diagnóstico e manejo terapêutico. Na necessidade de uma melhor investigação, pode-se lançar mão de exames de imagem para avaliação do trato gastrointestinal superior.


Keywords


clínica médica, pirose, refluxo gastroesofágico, sinais e sintomas

References


MARTINEZ, Júlio César et al . Aspectos clínicos, manométricos e endoscópicos dos distúrbios motores primários do esôfago. ABCD, arq. bras. cir. dig., São Paulo , v. 28, n. 1, p. 32-35, 2015.

MORAES-FILHO, Joaquim Prado P .. Doença refratária do refluxo gastroesofágico. Arq. Gastroenterol. São Paulo, v. 49, n. 4, p. 296-301, dezembro de 2012.

Dowgiałło-Wnukiewicz, Natalia et al. “Study of the prevalence of gastroesophageal reflux symptoms and the role of each in relation to the GERD Impact Scale, based on a population of patients admitted for laparoscopic surgery compared to a control group” Wideochirurgia i inne techniki maloinwazyjne = Videosurgery and other miniinvasive techniques vol. 13,2 (2018): 199-211.

OCHMAN, Valquiria dos Santos. Pirose funcional: estudo de caso utilizando uma análise funcional do comportamento, Brasília, 2009.

KAHRILAS, Peter J .; SMOUT, André JPM. Arq. Gastroenterol. , São Paulo, v 49, supl. 1, p. 11-20, 2012.

HENRY, Maria Aparecida Coelho de Arruda. Diagnóstico e tratamento da doença do refluxo gastroesofágico. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva, São Paulo, v. 3, n. 27, p.210-215, maio 2014.

SILVA, Marlone Cunha da et al. Esofagite eosinofílica em adultos. .

SILVA, Luiz Filipe Duarte; LEMME, Eponina Maria de Oliveira. Esôfago em quebra-nozes -- avaliação clínica de 97 pacientes. Arq. Gastroenterol., São Paulo , v. 37, n. 4, p. 217-223, Oct. 2000 .

Yeong Yeh Lee, Justin C.Y. Wu. Management of Patients With Functional Heartburn. Gastroenterology. Volume 154, Issue 8, Pages 2018-2021.e1 (June 2018).

MARTINEZ, Rodrigo et al. Anatomia do tubo digestivo. In: ORIÁ, Reinaldo Barreto; BRITO, Gerly Anne de Castro (Org.). Sistema digestório: integração básico-clínica. Brasil: Blucher, 2016. Cap. 2. p. 61-88.

Abrahão Junior, Luiz João. Doença do refluxo gastroesofágico. Jbm, Rio de Janeiro, v. 102, n. 6, p.31-36, nov. 2014.

BOR, Serhat et al. Association of Heartburn During Pregnancy With the Risk of Gastroesophageal Reflux Disease. Clinical Gastroenterology And Hepatology, [s.l.], v. 5, n. 9, p.1035-1039, set. 2007..

RICHTER, Joel E.; RUBENSTEIN, Joel H.. Presentation and Epidemiology of Gastroesophageal Reflux Disease. Gastroenterology, [s.l.], v. 154, n. 2, p.267-276, jan. 2018. Elsevier BV.

RICHTER, Joel E. et al. Presentation and Epidemiology of Gastroesophageal Reflux Disease. Gastroenterology, [s.l.], v. 154, n. 2, p.267-276, jan. 2018.

Semiologia Médica - Celmo Celeno Porto - 7ª Edição. 2013. Editora Guanabara Koogan.

SAKAE, Thiago Mamôru; SAKAE, Gislene Rosa Feldman Moretti; RUZON, Rafaela Fernanda Lebbos. Perfil epidemiológico dos exames de Endoscopia Digestiva Alta no Hospital Nossa Senhora da Conceição de 2007 a 2010. Arquivos Catarinenses de Medicina, Florianópolis, v. 4, n. 41, p.38-41, 2012.

SHINJO, Samuel Katsuyuki; DE SOUZA, Fernando Henrique Carlos; DE MORAES, Julio Cesar Bertacini. Dermatomiosite e polimiosite: da imunopatologia à imunoterapia (imunobiológicos). Revista Brasileira de Reumatologia, v. 53, n. 1, p. 105-110, 2013.

MACEDO, Sandra Sofia Abreu Pereira. Meios de Diagnóstico na Doença de Refluxo Gastro-Esofágica. 2011. 36 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciências Biomedicas, Universidade do Porto, Porto, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-35

Refbacks

  • There are currently no refbacks.