Perfil da prática da automedicação por estudantes de medicina / Overview of the practice of self-medication by medical students

Marcela Cirino de Brito, César Teixeira Castilho

Abstract


Introdução: A automedicação, caracterizada pela ministração de medicamentos sem orientação profissional ou com a dispensa de prescrição médica, é uma prática realizada pela população de forma generalizada, notoriamente de alta prevalência entre estudantes de medicina. Apesar de em certas situações se dar de forma benéfica, tomar medicamentos sem nenhum tipo de aconselhamento profissional, é uma atitude que configura sérios riscos à saúde, tanto individual quanto coletiva. Objetivo: Avaliar a prevalência e os fatores envolvidos na prática da automedicação por estudantes do curso de medicina. Método: Trata-se de um estudo observacional analítico de caráter transversal sobre o perfil da automedicação em acadêmicos de medicina, com enfoque na análise da prevalência da prática entre essa população. A amostra do estudo contou com 315 estudantes. Os dados foram coletados por meio da aplicação de um questionário eletrônico enviado por aplicativos de mensagens instantâneas a estudantes de medicina de uma faculdade privada de ensino superior do estado de Minas Gerais. Os dados obtidos foram tabulados e a análise das respostas se deu mediante uso do programa Minitab 18. Para a associação entre as variáveis categóricas foram utilizados o Teste exato de Fisher e o Teste qui-quadrado de Pearson.  Resultados: A prevalência da automedicação na população estudada foi alta (92,7%), no período retroativo de 12 meses, e, mesmo os que não praticaram em nenhum momento nesse período relataram já terem se automedicado em algum momento da vida. Os medicamentos mais utilizados pelos participantes foram os analgésicos, seguidos dos AINES. A maior parte dos participantes (42%) respondeu que o ingresso no curso de medicina influenciou a intensificar a prática, enquanto que 33% assinalou que não influenciou em nada, 3% que influenciou a começar a praticar, 20% que influenciou a reduzir a prática e 2% que influenciou a não praticar. Conclusão: A identificação da prevalência da automedicação pelos estudantes de medicina é um importante marcador para auxiliar medidas cabíveis de intervenção quando necessárias, para que os estudantes possam minimizar a realização inadequada desse hábito por si mesmos e para que assim possam auxiliar os futuros pacientes quanto ao assunto.


Keywords


Automedicação, Estudantes de Medicina, Prevalência.

References


CUNHA, Laís Fabrício de Oliveira; BACHUR, Tatiana Paschoalette Rodrigues. A influência da educação médica na prática da automedicação entre acadêmicos de medicina. RevInter, v. 12, n. 1, 2019.

PILGER, Maurício Castro et al. Automedicação entre acadêmicos de Medicina das Universidades Católica e Federal de Pelotas/RS. Rev. AMRIGS, p. 26-31, 2016.

MONTGOMERY, A. J. et al. A review of self-medication in physicians and medical students. Occupational medicine, v. 61, n. 7, p. 490-497, 2011.

HOOPER, Clare; MEAKIN, Richard; JONES, Melvyn. Para onde os estudantes vão quando estão doentes: como os estudantes de medicina acessam os cuidados de saúde. Educação médica , v. 39, n. 6, p. 588-593, 2005.

LENZI, Rosinaide Valquiria; THOMAZIN NETO, Paulo; DOMBROSKI, Renato Douglas Pascoal. A prática da automedicação entre estudantes da área da saúde de uma instituição de ensino superior do município de Cacoal-RO. 2017.

AQUINO, Daniela Silva de; BARROS, José Augusto Cabral de; SILVA, Maria Dolores Paes da. A automedicação e os acadêmicos da área de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, p. 2533-2538, 2010.

WORLD HEALTH ORGANIZATION et al. The role of the pharmacist in selfmedication and self-care. Geneva: WHO, 1998.

ALVES, Damião Romero Firmino et al. Automedicação: prática entre graduandos de enfermagem. Rev. enferm. UFPE on line, p. 363-370, 2019.

DOMINGUES, Maria Paula Santos et al. Automedicação entre os acadêmicos da área de saúde. Visão Acadêmica, v. 18, n. 2, 2017.

LIMA, M. F. P. et al. A PRÁTICA DA AUTOMEDICAÇÃO EM CRIANÇA POR PAIS E RESPONSÁVEIS. HOLOS, v. 35, n. 5, p. 1-13, 2019.

DOMINGUES, Paulo Henrique Faria et al. Prevalência e fatores associados à automedicação em adultos no Distrito Federal: estudo transversal de base populacional. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 26, p. 319-330, 2017.

GUSHIKEN, Veronica Ozaki; HAYASHIDA, Monica Naomi; MELETTI, José Fernando Amaral. Automedicação em estudantes de medicina. Perspectivas Médicas, v. 24, n. 1, p. 10-19, 2013.

BERNARDES, Helena Cardoso et al. Perfil epidemiológico de automedicação entre acadêmicos de medicina de uma universidade pública brasileira/Epidemiological profile of self-medication among medical academics of a brazilian public university. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 4, p. 8631-8643, 2020.

BATAIER, Vanessa Sabatine et al. Automedicação entre docentes de nível superior. Revista Enfermagem Atual In Derme, v. 81, n. 19, 2017.

PEREIRA, Januaria Ramos et al. Riscos da automedicação: tratando o problema com conhecimento. Universidade da Região de Joinville, 2008.

KISHI, Margarete Akemi; MENEGASSO, Pedro Eduardo; RIZZI, Raquel Cristina Delfini. MEDICAMENTOS ISENTOS DE PRESCRIÇÃO: Farmácia não é um simples comércio. In: CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO; ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Projeto Farmácia Estabelecimento de Saúde. Brasília: [s. n.], 2010. v. Fascículo 2., ISBN 978-85-63931-05-4.

OLIVEIRA, Bruna Maria Cristino et al. AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS. 2019.

COLLUCCI, Cláudia. Quase 80% dos brasileiros se automedicam, diz pesquisa Datafolha: maioria no país se automedica até quando tem receita médica. Folha de São Paulo, São Paulo, ano 99, n. 32896, 27 abr. 2019. Equilíbrio e Saúde, p. B9. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2019/04/quase-80- dos-brasileiros-se-automedicam-diz-pesquisa-datafolha.shtml. Acesso em: 13 jul. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-032

Refbacks

  • There are currently no refbacks.