Detecção de aflatoxinas e potencial antioxidantes de ervas comumente utilizadas para “chás” por usuários do SUS/FAR / Aflatoxin detection and antioxidant potential of herbs commonly used for "teas" by SUS/FAR users

Gabriela Ribeiro de Sousa, Márvia Cleysse Cunha Correia, Maria da P Spínola Miranda

Abstract


Antioxidantes naturais são substâncias capazes de reduzir os impactos dos radicais livres no organismo. Dentre as principais fontes de antioxidantes estão alimentos, vitaminas, chás e compostos inorgânicos como o zinco. Diversos fatores influenciam no potencial antioxidantes dessas fontes, sendo, portanto, de suma importância a escolha de produtos que venham contribuir com a redução mais eficiente destes radicais. Por outro lado, deve-se buscar produtos seguros que não venham oferecer riscos ao consumi-los. Substâncias toxicas devem estar ausentes ou dentro dos limites permissíveis. Assim, as aflatoxinas, potentes agentes carcinogênicas produzidas por fungos, especialmente dos gêneros Aspergillus, Fusarium e Penicillum, desenvolve-se em várias matrizes, incluindo também as plantas medicinais. Nas quais devem estar ausentes, segundo legislações vigentes. Nesse contexto, o estudo teve como objetivo avaliar o potencial antioxidante das ervas mais consumidas no município de Salvador bem como contribuir para a avaliação de risco desses produtos quanto à contaminação por aflatoxina. A avaliação da atividade antioxidante foi feita através do método de DPPH e a detecção de aflatoxinas utilizou-se a cromatografia em camada delgada analítica. As amostras de erva doce apresentaram os maiores teores de compostos fenólicos e atividade antioxidante. Entretanto, cerca de 52% das amostras apresentaram fluorescência características de aflatoxinas. Demonstrando assim, a importância da constante avaliação de risco e adoção de boas práticas de armazenamento durante a comercialização desses produtos. 


Keywords


micotoxinas, avaliação de risco, atividade antioxidante, compostos fenólicos totais.

References


ALMEIDA, E. M.; FERREIRA, H. J.; ALVES, D. R.; SILVA, W. M. B. Therapeutic potential of medicinal plants indicated by the Brazilian public health system in treating the collateral effects induced by chemotherapy, radiotherapy, and chemoradiotherapy: A systematic review. Complementary Therapies in Medicine. n. 49, 2020.

ALMEIDA, M. Z. de; PRATA, E. M. Levantamento da flora medicinal comercializada na Cidade do Salvador, Bahia. Salvador: Laboratório de Produtos Naturais da Escola de Farmácia da UFBA, 1990. Mimeo.

ALVES, C. B., RODRIGUES, E. S. B., THOMAZ, D. V., AGUIAR FILHO, A. M., GIL, E. S., & COUTO, R. O. Correlation of polyphenol content and antioxidant capacity of selected teas and tisanes from Brazilian market. Brazilian Journal of Food Technology, 23, 2020.

ASHIQ, S.; HUSSAIN, M.; AHMAD, B. Natural occurrence of mycotoxins in medicinal plants: A review. Fungal Genetics and Biology. v. 66, p. 1-10, 2014.

BARREIROS, A.L.B.S.; DAVID, J.M.; DAVID, J.P.; Estresse oxidativo: Relação entre geração de espécies reativas e defesa do organismo. Química Nova, v. 29, n. 1, p. 113-123, 2006.

BRAGA, J. C. B.; SILVA, L. R.; Consumo de plantas medicinais e fitoterápicos no Brasil: perfil de consumidores e sua relação com a pandemia de COVID-19. Brazilian Journal of Health Review. Curitiba, v.4, n.1, p.3831-3839 jan./feb. 2021.

BRAIBANTE, M. E. F.; SILVA, D.; BRAIDANTE, H. T. S.; PAZINATO, M.S. A química dos chás. Quím. nova esc. vol. 36, n° 3, p. 168-175, 2014

BRAND-WILLIAMS, W.; CUVELIER, M.E.; BERSET C. Use of free radical method to evaluate antioxidant activity. Lebensmittel Wissenschaft Technologie, v. 28, p. 25-30, 1995.

CARÃO, A. C. P.; BURBARELLI, M. F. C.; POLYCARPO, G. V.; SANTOS, A. R.; ALBUQUERQUE, R.; OLIVEIRA, C. A. F. Métodos físicos e químicos de detoxificação de aflatoxinas e redução da contaminação fúngica na cadeia produtiva avícola. Ciência Rural, Santa Maria, v.44, n.4, p.699-705, abr, 2014.

CARVALHO, N. S.; BEZERRA, A. N.; VIANA, A. C. C.; MORAIS, S. R.; AZEVEDO, D. V. Qual a percepção das gestantes acerca do uso de plantas medicinais e ou fitoterápicos: uma revisão integrativa da literatura. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 4, p. 9282-9298 jul./aug.. 2020.

CHRISTENSEN, C.M. Molds, mushrooms and mycotoxins. Minneapolis. University of Minnesota Press, 1975. 265p.

CRUZ, D. B. Atividade antioxidante e citotoxicidade de plantas do cerrado rupestre brasileiro: Gomphrena arborescens L.f., Gomphrena virgata Mart., Miconia ferruginata DC. e Vochysia elliptica Mart. 2017. 100 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina, 2017.

FERRAZ, C. V.; CHAGAS, J. C.; DORIGON, E. B. Artemisia absinthium L.: Aplicabilidade na saúde humana. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 4, p. 10650-10661 jul./aug. 2020.

HALLIWELL, B.; AESCHBACH, R.; LÖLIGER, J.; ARUOMA, O.I. The characterization of antioxidants. Food and Chemical Toxicology, v. 33, n. 7, p. 601-617, 1995.

IAMANAKA B. T. et al. Micotoxinas em Alimentos. Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, vol. 7, p.138-161, 2010.

IARC (International Agency for Research on Cancer). Some traditional herbal medicines, some mycotoxins, naphthalene and styrene. 82 Lyon, France: IARC. 2002.

MANACH, C.; SCALBERT, A.; MORAND, C.; RÉMÉSY, C.; JIMENEZ, L. Polyphenols: food sources and bioavailability. American Journal of Clinical Nutrition, v.79, p.727-747, 2004.

MARMITT, D. J.; BITENCOURT, S.; SILVA, G. R.; GOETTERT, M. I.; REMPEL, C. Medicinal Plants of Renisus with Analgesic Activity. J Crit Rev, Vol 3, Issue 3, 1-4, 2016.

MARMITT, D. J.; BITENCOURT, S.; SILVA, G. R.; REMPEL, C.; GOETTERT, M. I.; RENISUS Plants and Their Potential Antitumor Effects in Clinical Trials and Registered Patents. Nutrition And Cancer. 2020. DOI:10.1080/01635581.2020.1810290

MARMITT, D. J.; GOETTERT, M. I.; REMPEL, C.; SILVA, A. C. Plantas Medicinais da RENISUS Com Potencial Anti-inflamatório: Revisão Sistemática Em Três Bases de Dados Científicas. Revista Fitos, Rio de Janeiro, Vol. 9(2): 73-159, Abr-Jun 2015

MAURYA, B. K.; TRIGUN, S. K. Fisetin Modulates Antioxidant Enzymes and Inflammatory Factors to Inhibit Aflatoxin-B1 Induced Hepatocellular Carcinoma in Rats. Oxidative Medicine and Cellular Longevity. v. 4, p. 1-9, 2016.

MONTES, R. A.; SOUZA, R. O. L.; MORAES, S. R.; MIRANDA, M. G.; FRIEDE, R.; LIMA, A. L. S.; AVELAR, K. E. S. Qualidade microbiológica de drogas vegetais utilizadas na fitoterapia popular. Revista Espacios, v. 38, n.11, 2017.

MOURA, D. F. et al. A Importância da Biossegurança na Produção e Utilização de Produtos Naturais e Fitoterápicos. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 2,p.7054-7062 feb. 2020.

NORONHA, M. V. P.; ALENCAR, R. N.; COSTA, J. C.; BACHUR, T. P. R. Chronic Exposure to Aflatoxin B1 and Oncogenesis of Hepatocellular Carcinoma. Revinter, v. 13, n. 03, p. 29-41, out. 2020.

NUNES, F.C.G. Avaliação microbiológica e toxigênica de chás e cápsulas usados como fitoterápicos na cidade de São Paulo, 2003. Dissertação: Mestrado – Escola Paulista de Medicina, São Paulo.

PACHECO, L. No Princípio, o Mercado. In: SERRA, O. et al (orgs.). O Mundo das Folhas. Feira de Santana: UEFS; Salvador: UFBA, 2002b. p. 211-221.

RENISUS. Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS. Plantas medicinais que apresentam potencial para gerar produtos de interesse ao SUS. Ministério da Saúde. Disponível em: . 2009.

RAMIREZ-MARES, M. V.; CHANDRA, S.; MEJIA, E.G. In vitro chemopreventive activity of Camellia sinensis, Ilex paraguariensis and Ardisia compressa tea extracts and selected polyphenols. Mutation Research, v.554, p.53–65, 2004.

RODRIGUEZ AMAYA, D.B.; VALENTE SOARES, L.M. Survey of aflatoxins, ochratoxin a, zearalenone and sterigmatocystin some brazilian foods, utilizing a mult-toxin thin layer chromatographic method. J. Assoc. Of Anal. Chemistry, v. 72, n. 1, p. 22-26, 1989.

ROESLER, R.; MALTA, L. G.; CARRASCO, L. C.; HOLANDA, R. B.; SOUSA, C. A. S.; PASTORE, G. M. Atividade antioxidante de frutas do cerrado. Foof Science and Technology. v. 27, n. 1, 2007.

SANTOS, M. C. Q.; ARAÚJO, C. R. F. Fitoterapia como Alternativa de Imunomodulação em Idosos em Tempos de Covid-19. CIEH, 2020

SANTOS, R. L.; NOBRE, M. S. DE C.; GUIMARÃES, G. P.; DANTAS, T. B.; VIEIRA, K. V. M.; FELISMINO, D. DE C.; DANTAS, I. C. Contaminação fúngica de plantas medicinais utilizadas em chás. Rev Ciênc Farm Básica Apl., Paraíba, 2013;34(2):289-293 ISSN 1808-4532.

SANTOS, T. T. Avaliação da Utilização e do Conhecimento sobre Plantas Medicinais por Famílias de uma Escola Pública no Município de Salvador. Estudos IAT, v.5, n.3, p. 68-77, out., 2020.

SANTURIO, J.M. Micotoxinas e Micotoxicoses na Avicultura. Revista Brasileira de Ciência na Avicultura, Campinas, v.2, n.1, jan./abr., 2000

SEYFRIED, M. et al. Pectinas de plantas medicinais: características estruturais e atividades imunomoduladoras. Rev. Bras. Plantas Med., Botucatu, v. 18, n. 1, p. 201-214, Mar. 2016.

SILVA, N. C. S.; VITOR, A. M.; BESSA, D. H. S.; BARROS, R. M. S. A Utilização de Plantas Medicinais e Fitoterápicos em Prol da Saúde. Única: cadernos acadêmicos. v. 3, n. 3, 2017.

SOUSA, C. M. M. et al. Fenóis totais e atividade antioxidante de cinco plantas medicinais. Química Nova, v. 30, n. 2, p. 351-355, 2007.

TANIWAKI, M. H.; FONSECA, H.; PIZZIRANI-KLEINER, A. A. Variabilidade de produção de aflatoxinas por linhagens de aspergillus flavus em diferentes tempos de manutenção. Piracicaba, SP, fev./maio, 1993.

TOSUN, H.; AYYILDIZ, T. Occurrence of aflatoxin M1 in organic dairy products. Quality Assurance and Safety of Crops & Foods, Sept, 2013

WOLFE, K.; WU, X.; LIU, R.H. Antioxidant activity of apple peels. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 53, n. 3, p. 609-614, 2003.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-027

Refbacks

  • There are currently no refbacks.