Índice de comprometimento neural em pacientes com hanseníase em decorrência do diagnóstico tardio / Neural impairment index in leprosy patients due to delayed diagnosis

Iraciane Rodrigues Nascimento Oliveira, Renata Brito Marinho, Thaissa Nazareno de Almeida, Nayanna Sousa Carneiro, Isabella Lima Chagas Reis Batista

Abstract


A hanseníase é uma das principais causas de incapacidade evitável no mundo. Em decorrência do diagnóstico tardio e da ausência de tratamento, complicações podem surgir, por consequência do comprometimento de nervos periféricos. O objetivo desse estudo é analisar o índice de comprometimento neural devido ao atraso no diagnóstico. A coleta de dados foi feita em uma Unidade de Saúde da Família, através dos Formulários para Avaliação Neurológica Simplificada preenchidos ao diagnóstico. É um estudo quantitativo, descritivo e de campo, no qual as variáveis nominais foram relatadas na forma descritiva e as variáveis numéricas organizadas em distribuição de frequência, de acordo com o sexo, a faixa etária, grau de incapacidade e forma clínica. A amostra inclusa foi composta de 9 pacientes do sexo masculino e 9 do sexo feminino, sendo a idade média de 54,33 anos. A forma Dimórfica foi a mais prevalente e o grau de comprometimento neural tipo 1 foi o mais frequente. Na relação entre o sexo e a forma clínica, observou-se que no sexo masculino prevaleceu a forma Dimórfica, enquanto no sexo feminino prevaleceu a forma Tuberculoide (p=0,287; IC 95%). No sexo masculino houve um maior comprometimento grau 1, enquanto o sexo feminino apresentou um maior comprometimento grau 2 (p=0,053; IC 95%). Conclui-se que são necessários mais estudos na cidade de Imperatriz – MA tendo em vista a sua alta endemicidade da doença, a fim promover um maior controle da doença e de suas consequências neurais.

 


Keywords


Hanseníase, Diagnóstico Tardio, Incapacidades Em Hanseníase, Avaliação da Deficiência, Degeneração Neural.

References


Lastórial JC, Abreu MAMM. Hanseníase: diagnóstico e tratamento. Diagn Tratamento. 2012;17(4):173-9.

Araújo AERA, Aquino DMC, Goulart IMB, Pereira SRF, Figueiredo IA, Serra HO, Fonseca PCA, Caldas AJM. Complicações neurais e incapacidades em hanseníase em capital do nordeste brasileiro com alta endemicidade. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(4):899-910.

Filho AGJ, Loures EA, Junior SH, Simoni LF, Pires PR, Jesus SG. Análise dos resultados de neurólises em pacientes com hanseníase. HU Rev. 2016;42(1):53-60.

Raposo MT, Caminha AVQ, Heukelbach J, Sánchez-González MA, Medeiros JLA, Nemes MIB. Assessment of physical impairments in leprosy patients: a comparison between the world health organization (who) disability grade and the eye-hand-foot score. Rev. Inst. Med. 2011;53(2):77-81.

Xavier MB, Tavares NCS, Corrêa SC, Gonçalves BK, Ramos MAB, Macedo GMM. Correlação entre as formas clínicas da hanseníase e o grau de incapacidade neurológica. Rev Par de Med. 2014;28(2):[s.p.].

Moura LMA, Pereira MA; Veloso LC. Estratégias utilizadas pelos serviços de saúde na detecção precoce da hanseníase: uma revisão integrativa. Rev. Saúde em foco. 2015;2(1):130-50.

Henry M, An NG, Teasdale K, Prado R, Amar H, Rays MS, Roberts L, Siqueira P, Wildt G, Virmond M, Das PK. Factors contributing to the delay in diagnosis and continued transmission of leprosy in Brazil – an explorative, quantitative, questionnaire based study. Trop Dis. 2016; 10(3):45-2.

Figueiredo IA, Silva AAM. Aumento na detecção de casos de Hanseníase em São Luís, Maranhão, Brasil, de 1993 a 1998. A endemia está em expansão? Cad. Saúde Pública 2003; 19(2): 439-45.

Lima LS, Jadão FRS, Fonseca RNM, Silva Junior GF, Barros Neto RC. Caracterização clínica-epidemiológica dos pacientes diagnosticados com hanseníase no município de Caxias, MA. Rev Bras Clin Med 2009; 7: 74-83.

Corrêa RGCF, Aquino DMC, Caldas AJM, Amaral DKCR, França FS, Mesquita ERRBP. Epidemiological, clinical, and operational aspects of leprosy patients assisted at a referral service in the state of Maranhão, Brazil. Rev Soc Bras Med Trop 2012; 45(1): 89-94.

Finez MA, Salottil SRA. Identificação do grau de incapacidades em pacientes portadores de hanseníase através da avaliação neurológica simplificada. J Health Sci Inst. 2011;29(3):171-5.

Ponnighaus JM, Fine PEM, Sterne JAC, Bliss L, Wilson RJ, Malema SS. Incidence rates of leprosy in Karonga District, Northern Malawi: patterns by age, Sex, BCG status and classification. Int J Lepr. 1994, 62(1): 10-23.

Chopra NK, Agrawal JS. Hansen's disease deformities: an epidemiological study in a multidrug therapy project Baroda District. Star. 1990; may/june:9-12.

Borges E, Gallo MEN, Alvim MFS, Bittencourt E. Determinação do grau de incapacidade em hansenianos não tratados. Cad Saúde Publica. 1987;3(3):266-71.

Oliveira MHP. Associação entre atividades ocupacionais dos hansenianos e incapacidades físicas. Rev Bras Enfermagem. 1993;46(3/4):279-85.

Martinez Dominguez V, Bechelli LM, Patwary KM. World Health Organization surveys of disabilites in leprosy in Northes Nigeria, Cameroon and Thailand (Khonkaen). Int J Lepr Other Mycobact Dis.1966;34(3):244-54.

Barbosa FPS, Melo IF, Pires JCB, Margarida TC, Silva Junior JLR, Santana CF. Incapacidades neurológicas provocadas pela Hanseníase em uma unidade do município de Anápolis- GO entre 2011 e 2013. Rev. Educ. Saúde 2016; 4 (2).

Alves CJM, Barreto JA, Fogagnolo L, Contin LA, Nassif PW. Avaliação do grau de incapacidade dos pacientes com diagnóstico de hanseníase em serviço de dermatologia do estado de São Paulo. Rev Soc Bras Med Trop. 2010;43(4):460-1.

Carvalho GA, Alvarez RRA. Avaliação de incapacidades físicas neuro-músculo-esqueléticas em pacientes com hanseníase. Hansen. int . 2000, 25(1): 39-48.

Moschioni C, Antunes CMF, Grossi MAF, Lambertucci JR. Risk factors for physical disability at diagnosis of 19,283 new cases of leprosy. Rev Soc Bras Med Trop. 2010, 43(1):19-22.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-024

Refbacks

  • There are currently no refbacks.