A fitoterapia e o enfermeiro no âmbito da atenção primária à saúde / Phytotherapy and the nurse in primary health care

Daniel Rocha Nery, Lana Bruna Barbosa Batista, Jaqueline Maria da Silveira e Silva

Abstract


A Fitoterapia é o estudo das plantas medicinais e sua usabilidade na cura das doenças em suas diferentes formas de apresentação farmacêutica, sendo considerada necessária pela Organização Mundial de Saúde a sua utilização no domínio sanitário. Objetivo: este estudo teve como objetivo discutir o uso da fitoterapia na Atenção Primária à Saúde (APS) e o papel do enfermeiro. Método: tratou-se de uma revisão de literatura realizada mediante coleta de dados bibliográficos disponíveis nas plataformas do Ministério da Saúde (MS), banco de dados digitais LILACS, SCIELO e PUBMED e em teses e dissertações publicadas entre 2006 e 2020 que abordaram temas relacionados a prática da fitoterapia na APS. Desenvolvimento: a utilização de plantas para fins terapêuticos remonta desde os primórdios da humanidade. Vários países reconhecem a importância da fitoterapia e aprovam seu uso dentro das políticas públicas de saúde, incluindo o Brasil, onde a prática é respaldada pela Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) e pela Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (PNPMF). O nível primário de atenção é responsável pela maioria dos atendimentos em saúde no país. Embora a prática fitoterápica apresente muitos benefícios, há aspectos dificultadores para a implementação desta na APS, tornando-se fundamental o papel do enfermeiro neste contexto. Considerações finais: cabe à ação conjunta entre gestores do SUS e instituições de ensino a capacitação para o atendimento fitoterápico de modo a permitir a efetividade desta prática na Atenção Primária.

 


Keywords


Fitoterapia, Política de Saúde, Gestão de serviços de saúde, Enfermagem, Atenção Básica.

References


BASTOS, R.A.A.; LOPES, A.M.C. A fitoterapia na Rede Básica de saúde: o olhar da Enfermagem. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v. 14, n. 2, p. 21-28, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rbcs/article/view/3877. Acesso em: 15 mar. 2020.

BECKER, M.M. Programa de fitoterapia na rede pública de saúde no Brasil. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012. Disponível em: https://spb.ufsc.br/files/2012/09/TCC-Mariana-Becker.pdf. Acesso em: 15 mar. 2020.

BORGES, I.A.L. Consulta de enfermagem, prescrições de medicamentos e solicitações de exames por enfermeiros na atenção básica à saúde. Enfermagem em Foco, v. 16, n. 1, p. 5-8, 2010. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/1. Acesso em: 02 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse do SUS – RENISUS. Brasília, DF, 06 de mar. 2009. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/sus/pdf/marco/ms_relacao_plantas_medicinais_sus_0603.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, DF, 2012b, 110 p. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf. Acesso em: 12 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares: atitude de ampliação de acesso. Brasília, DF, 2015, 96 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_praticas_integrativas_complementares_2ed.pdf. Acesso em: 07 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Práticas Integrativas e Complementares, Plantas Medicinais e Fitoterapia na Atenção Básica. Brasília, DF, 2012a, 156 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/praticas_integrativas_complementares_plantas_medicinais_cab31.pdf. Acesso em: 07 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. A fitoterapia no SUS e o Programa de Pesquisa de Plantas Medicinais da Central de Medicamentos. Brasília, DF, 2006b, 148 p. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/fitoterapia_no_sus.pdf. Acesso em: 08 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília, DF, 2006a, 60 p. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_fitoterapicos.pdf. Acesso em: 07 mar. 2020.

BRASIL. Portaria n° 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 24 de out. 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html. Acesso em: 12 abr. 2020.

BRASILEIRO, B.G. et al. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no ‘‘Programa Saúde da Família’’, Governador Valadares, MG, Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, São Paulo, v. 44, n. 4, p. 629-636, out./dez., 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-93322008000400009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 mar. 2020.

BRUNING, M.C.R.; MOSEGUI, G.B.G.; VIANNA, C.M.M. A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu - Paraná: a visão dos profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 10, p. 2675-2685, out., 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232012001000017&script=sci_arttext. Acesso em: 12 abr. 2020.

CALIXTO, J.B.; SIQUEIRA JUNIOR, J.M. Desenvolvimento de medicamentos no Brasil: desafios. Gazeta Médica da Bahia, v. 78, n. 1, p. 98-106, 2008. Disponível em: http://www.gmbahia.ufba.br/index.php/gmbahia/article/view/269. Acesso em: 20 abr. 2020.

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM – BA. Parecer COREN – BA N⁰ 030/2014: Prescrição de Medicamentos Fitoterápicos por Enfermeiro. Salvador, 26 jun. 2014. Disponível em: http://ba.corens.portalcofen.gov.br/parecer-coren-ba-n%E2%81%B0-0302014_15628.html. Acesso em: 30 abr. 2020.

COTTA, R.M.M. et al. Organização do trabalho e perfil dos profissionais do Programa Saúde da Família: um desafio na reestruturação da atenção básica em saúde. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 15, n. 3, p. 7-18, 2006. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742006000300002. Acesso em: 20 abr. 2020.

FIGUEREDO, C.A.; GURGEL, I.G.D.; GURGEL JUNIOR, G.D. A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos: construção, perspectivas e desafios. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 2, p. 381-400, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-73312014000200381&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 15 mar. 2020.

FRANCA, I.S.X. et al. Medicina popular: benefícios e malefícios das plantas medicinais. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 61, n. 2, p. 201-208, mar./abr., 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672008000200009. Acesso em: 12 abr. 2020.

HARAGUCHI, L.M.M. et al. Impacto da Capacitação de Profissionais da Rede Pública de Saúde de São Paulo na Prática da Fitoterapia. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, v. 44, n. 1, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-55022020000100215&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 05 maio 2020.

HORTA, W.A. Processo de enfermagem. São Paulo: EPU, 1979. 99 p. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B256SlwXERmvZWIyYjIyYWQtZmQzMi00Y2MzLWIyZTQtOTcyZTEzZGI2MDIx/view?hl=pt_BR. Acesso em: 18 abr. 2020.

LIMA, L. Fitoterápicos e usos de plantas medicinais. Jornal da UNESP, v. 16, n. 166, 2006. Disponível em: http://www.unesp.br/aci/jornal/166/farmacologia.htm. Acesso em: 12 abr. 2020.

MATSUCHITA, H.L.P.; MATSUCHITA, A.S.P. A Contextualização da Fitoterapia na Saúde Pública. Uniciências, v. 19, n. 1, p. 86-92, 2015. Disponível em: https://revista.pgsskroton.com/index.php/uniciencias/article/view/3160. Acesso em: 18 abr. 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Plantas medicinais e fitoterápicos no SUS. Portal da Saúde, 2019. Disponível em: https://www.saude.gov.br/acoes-e-programas/programa-nacional-de-plantas-medicinais-e-fitoterapicos-ppnpmf/plantas-medicinais-e-fitoterapicos-no-sus. Acesso em: 30 abr. 2020.

OSHIRO, M.C. et al. A evolução do registro e prescrição de fitoterápicos no Brasil sob a perspectiva legal e sanitária. Vigilância Sanitária em Debate: Sociedade, Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, v. 4, n. 4, p. 116-122, 2016. Disponível em: https://visaemdebate.incqs.fiocruz.br/index.php/visaemdebate/article/view/790. Acesso em: 30 abr. 2020.

QUIALA, M.G.; PITA, G.D. Efectividad de la fitoterapia em pacientes con asma bronquial. Revista Ciencias Médicas, v. 16, n. 1, p. 118-131, 2012. Disponível em: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1561-31942012000100014. Acesso em: 06 abr. 2020.

ROSA, C.; CAMARA, S.G.; BERIA, J.U. Representações e intenção de uso da fitoterapia na atenção básica à saúde. Ciência & saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 311-318, jan., 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011000100033&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 17 abr. 2020.

SILVA, M.I.G. et al. Utilização de fitoterápicos nas unidades básicas de atenção à saúde da família no município de Maracanaú (CE). Revista Brasileira de Farmacognosia, João Pessoa, v. 16, n. 4, p. 455-462, out./dez., 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-695X2006000400003〈=en. Acesso em: 12 abr. 2020.

SOLLA, J.; CHIORO, A. Atenção ambulatorial especializada. In: GIOVANELLA, L. et al. Políticas e sistema de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008. p. 627- 663. Disponível em: http://www.escoladesaude.pr.gov.br/arquivos/File/ATENCAO_AMBULATORIAL_ESPECIALIZADA_Solla_e_Chioro.pdf. Acesso em: 23 abr. 2020.

THIAGO, S.C.S.; TESSER, C.D. Percepção de médicos e enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família sobre terapias complementares. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 45, n. 2, p. 249-257, abr., 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102011000200003&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 18 abr. 2020.

TOMAZZONI, M.I.; NEGRELLE, R.R.B.; CENTA, M.L. Fitoterapia popular: a busca instrumental enquanto prática terapêuta. Texto Contexto- Enfermagem, Florianópolis, v. 15, n. 1, p. 115-121, jan./mar., 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-07072006000100014&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 17 mar. 2020.

TUROLLA, M.S.R.; NASCIMENTO, E.S. Informações toxicológicas de alguns fitoterápicos utilizados no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, São Paulo, v.42, n.2, p.289-306, abr./jun., 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-93322006000200015&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 17 abr. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-022

Refbacks

  • There are currently no refbacks.