Análise de procedimentos em unidade de terapia intensiva neonatal: subsídios para melhoria da assistência / Analysis of procedures in neonatal intensive care unit: subside for improvement of care

Roberta Tognollo Borotta Uema, Rosimara Oliveira Queiroz, Marjorie Fairuzy Stolarz, Gabrieli Patricio Rissi, Bianca Machado Cruz Shibukawa, Ieda Harumi Higarashi

Abstract


Descrever as medidas de alívio da dor aplicadas durante os procedimentos em bebês hospitalizados em unidade de terapia intensiva neonatal. Estudo descritivo e exploratório, realizado em duas unidades de terapia intensiva neonatal do noroeste do Paraná, por meio de observação não participante dos procedimentos, no período de janeiro a março de 2015, nos três turnos de trabalho das instituições. Foram acompanhados 130 procedimentos, porém 12 foram excluídos, totalizando 118. Destes, somente 34 receberam alguma medida de alívio para minimizar o estímulo álgico. Ressalta-se a importância de sensibilizar e capacitar os profissionais de enfermagem quanto à avaliação e manejo da dor, ressaltando que não existe distinção de dor entre os procedimentos, uma vez que, no bebê hospitalizado, tudo se torna um estímulo estressante e consequentemente álgico.


Keywords


Dor, Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, Cuidados de Enfermagem, Observação.

References


AREDES, NDA; SANTOS, RCA e FONSECA, LMM. Cuidados com a pele do recém-nascidos prematuro: revisão integrativa. Revista Eletrônica de Enfermagem, v.19, 2017. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fen/article/view/43331. Acesso em: 5 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.5216/ree.v19.43331

BAXTER, L et al. A ressonância magnética funcional e de difusão revelam a base neurofisiológica da atividade cerebral evocada por estímulos nocivos em neonatos. Nature Communications, v.12, May 2021. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8115252/ . Acesso em: 4 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.1038/s41467-021-22960-0

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à Saúde do Recém-Nascido: Guia para os profissionais de Saúde – Cuidados Gerais. Brasília – DF, 2014. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_recem_nascido_%20guia_profissionais_saude_v1.pdf. Acesso em: 4 ago. 2021.

CARBAJAL, R et al. Práticas de pré-medicação para intubação traqueal em neonatos transportados por equipe francesas de transporte médico: um estudo observacional prospectivo. BMJ Open, V.9 (11) nov.2019. Disponível em: https://bmjopen.bmj.com/content/9/11/e034052 . Acesso em: 4 ago. 2021. DOI: httpps://doi.org/0.1136/bmjopen-2019-034052

CRUZ, TC et al. Avaliação da dor de recém-nascidos durante procedimentos invasivos em terapia intensiva. Revista Dor, v. 17 (3) Jul-Set. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rdor/a/cWpHWvCPCcjBXLkfcvZWGvg/?lang=pt&format=html. Acesso em: 5 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.5935/1806-0013.20160070

EMMA, O et al. O uso e relato de escalas de dor neonatal: uma revisão sistemática de ensaios clínicos randomizados. PAIN, v. 162, ed.2 p. 353-360, fev. 2021. Disponível em: https://journals.lww.com/pain/Fulltext/2021/02000/The_use_and_reporting_of_neonatal_pain_scales__a.4.aspx . Acesso em: 4 ago. 2021. DOI: https://doi.org/ 10.1097 / j.pain.0000000000002046

FITRI, SYR et al. A versão indonésia do Premature Infant Pain Profile – Revisão: Tradução e adaptação de uma avaliação da dor neonatal. International Journal of Nursing Sciences, v.6 (4) Out. 2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6838999/ Acesso em: 4 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ijnss.2019.06.010

GIMENEZ, IS et al. Avaliação temporal da dor neonatal após aspiração de vias aéreas. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 32 (1) Jan- Mar. 2020. Disponível em: http://rbti.org.br/artigo/detalhes/0103507X-32-1-12 . Acesso em: 4 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.5935/0103-507X.20200011

GUEDES, BLS et al. Pressão positiva contínua nas vias aéreas em neonatos: cuidados prestados pela equipe de enfermagem. Revista Escola Anna Nery v.23 (2), 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ean/a/hMvrdvSzRBswTYdcNpHY49L/?lang=pt. Acesso em: 4 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2018-0122

KEGLER, JJ et al. Manejo da dor na utilização do cateter central de inserção periférica em neonatos. Revista Escola Anna Nery, Rio de Janeiro – RJ v. 20 (4), 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ean/a/PZwBFH8LcMBNQ6vyCfgKxTf/abstract/?lang=pt. Acesso em: 4 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160099

LAGO, P et al. Práticas de sedação e analgesia em unidade de terapia intensiva neonatal italiana: resultados do estudo EUROPAIN. Italian Journal of Pediatrics v.43 (26) Mar. 2017. Disponível em: https://ijponline.biomedcentral.com/articles/10.1186/s13052-017-0343-2. Acesso em: 4 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.1186/s13052-017-0343-2

LIMA, VF et al. Vivência dos familiares de prematuros internados em unidade de terapia intensiva neonatal. Revista Mineira de Enfermagem, Minas Gerais – BR, v. 21, 2017. Disponível em: http://reme.org.br/artigo/detalhes/1162. Acesso em: 04 ago. 2021. DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20170036

MACIEL, HIA et al. Medidas farmacológicas e não farmacológicas de controle e tratamento da dor em recém-nascidos. Revista Brasileira de Terapia Intensiva v. 31 (1), 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbti/a/WDnJF38dgpWWwwmwrDFStdP/?lang=en . Acesso em: 4 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.5935/0103-507X.20190007

MENGER, JL et al. Efeitos do posicionamento do hammock nos parâmetros clínicos me bebês prematuros admitidos a uma unidade de terapia intensiva neonatal: uma revisão sistemática. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo – BR, v. 39, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rpp/a/GdS87QQsTKYTsYCwLJ46Qzc/?lang=en. Acesso em: 4 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1984-0462/2021/39/2019399

MOURA, DM e SOUZA, TPB. Conhecimento da equipe de enfermagem na unidade de terapia intensiva neonatal sobre a dor do recém-nascido. Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor, São Paulo – BR, v.1, jun. 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/brjp/a/D6vBFMjnF9mFd35LPVznDHz/?lang=en . Acesso em: 4 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.5935/2595-0118.20210027

PERRY, M et al. Dor neonatal: percepções e prática atual. Critical Care Nursing Clinics North America, v.30 (4) p. 549-561, Dec.2019. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6570422/ . Acesso em: 4 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cnc.2018.07.013

SANTOS, KFM et al. A enfermagem no manejo da dor em recém-nascidos internados em unidade de terapia intensiva neonatal. Research Society and Development, v.10 (7), jun. 2021. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/16428. Acesso em: 4 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i7.16428

SILVA, SRP et al. Assistência de enfermagem na UTI neonatal: dificuldades enfrentadas pelos enfermeiros e prejuízos causados aos recém-nascidos. Brazilian Journal of Health Review v.3 (4) p.9464-9473, 2020. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/14016/11720. Acesso em: 5 ago. 2021. DOI: https://doi.org/ 10.34119/bjhrv3n4-182

SANTOS, T. N.; COSTA, A. A. G.; GOMES, C. S. Pronga nasal em recém-nascidos prematuros: a perspectiva no cuidado de enfermagem. Revista de Enfermagem UFPE, Pernambuco, v. 9, p. 8071-8078, maio 2015. Supl. 4. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2021.

SILVA, T. P. D.; SILVA, L. J. D. Escalas de avaliação da dor usadas no recém-nascido: revisão sistemática. Acta Medica Portuguesa, Lisboa, v. 23, n. 3, p. 437-454, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2021.

STEVENS, B. J. et al. The premature infant pain profile-revised (PIPP-R): initial validation and feasibility. Clinical Journal of Pain, New York, v. 30, no. 3, p. 238-343, Mar. 2014. Acesso em: 10 ago. 2021. DOI: 10.1097/AJP.0b013e3182906aed.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-019

Refbacks

  • There are currently no refbacks.