REDE CEGONHA: Avanços e Desafios para Gestão em Saúde no Brasil / REDE CEGONHA: Progress and Challenges for Health Management in Brazil

Eliane Cristina da Cruz Santos, Maria Auxiliadora Pereira (In Memorian)

Abstract


A estratégia governamental nacional intitulada rede cegonha (RC) foi implantada através da portaria n° 1.459 de 24/6/2011 e traz um novo modelo de atenção à Saúde Materno-infantil com uma assistência garantida à mulher desde o planejamento reprodutivo, passando pelo pré-natal, pré-parto, parto, pós parto e assistência infantil. É uma estratégia que apresenta caráter de acolhimento e resolutividade, onde é garantido a gestante o acesso ao pré-natal, parto e puerpério, garantindo inclusive o direito de um acompanhante durante todo o processo. A rede cegonha enfoca a redução da mortalidade materna e infantil. O artigo objetiva conhecer os avanços e desafios obtidos na implementação da Rede Cegonha. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica em que foram utilizados levantamentos nas bases de dados: LILACS, SciELO, MEDLINE e BVS, com temas referentes à Rede cegonha. Utilizou-se os descritores: Rede Cegonha, Saúde da Mulher e Gravidez, de forma agrupada ou isolada. A amostra final desta revisão foi constituída por onze artigos científicos, selecionados pelos critérios de inclusão previamente estabelecidos. Desses, quatro foram encontrados na base de dados LILACS que estavam sobrepostos aos quatro pesquisados na SciELO e vinte e dois na BVS. O quadro 1 representa as especificações de cada um dos artigos. Sobre os tipos de estudos encontrados, observou-se que (27,27%) dos artigos tratava-se de artigos qualitativos, com abordagem quantiqualitativa, relato de experiência e revisão narrativa (27%), pesquisa documental e quantitativas somaram (45,73%). Dentro da política materno-infantil o Brasil já avançou bastante, mas precisa atingir ainda algumas metas, como reduzir as taxas de mortalidade materna, assim como conseguiu reduzir a mortalidade infantil. Já teve a iniciativa de criar várias estrategias para melhorar a assistência à saúde da mulher, que foram citadas nesse artigo e que por mais que precise de implementação já o coloca a frentes de alguns paises emergentes no que diz respeito a temática. Os desafios são muitos, pois não basta apenas formular políticas e não fazer a população conhecer os seus direitos. Precisa-se garantir os direitos da mulher e da criança, reduzir o número de cesareanas, diminuir a prática de medicalização no parto, dentre outros.

 


Keywords


Rede Cegonha, Saúde da Mulher, Acolhimento.

References


ADESSE, L.; SILVA, K. S.; BONAN, C.; FONSECA, V. M. Complicações do abortamento e assistência em maternidade pública integrada ao Programa Nacional Rede Cegonha. SAÚDE DEBATE | RIO DE JANEIRO, V. 39, N. 106, P. 694-706, JUL-SET 2015.

ALVES, Thaynara Oliveira et al. Gestação de alto risco: epidemiologia e cuidados, uma revisão de literatura. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, v.4, n.4, p.14860-14872 jul./aug. 202.

ALVES, Maria Luzia Pereira. Adequação da atenção à Saúde da Mulher e da Criança no município do Paudalho segundo olhar da rede cegonha / Maria Luzia Pereira Alves. - Recife: [s.n.], 2012. 25 p. Plano de Intervenção (Especialização em Gestão de Sistemas e Serviços em Saúde) - Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz, 2012.

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Planificação da atenção primária à saúde nos estados/Conselho Nacional de Secretários de Saúde-Brasília:CONASS,2011; VII: 275-318.

BRASIL. IBGE: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/, acesso em: 01 de setembro de 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao Pré-Natal de Baixo Risco – Cadernos de Atenção Básica 32 - Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2012.

BOTELHO, Louise Lira Roedel; · CUNHA, Cristiano Castro de Almeida; · MACEDO, Marcelo. O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e Sociedade. Belo Horizonte, v.5, n. 11, p. 121-136 · maio-ago. 2011 · ISSN 1980-5756. Disponível em: Acesso em: 12 maio 2014.

CARNEIRO, Júlia Dias. Mortalidade materna cai no Brasil, mas não atingirá meta da ONU. BBC Brasil. Rio de Janeiro. 2015. Disponível em: http://g1.globo.com /bemestar/noticia/2015/03/mortalidade-materna-cai-no-brasil-mas-nao-atingira-meta-da-onu.html. Acesso em 05 de abr. 2016.

CARNEIRO, Rosamaria Giatti. Dilemas antropológicos de uma agenda de saúde pública: Programa Rede Cegonha, pessoalidade e pluralidade. Interface (Botucatu) vol.17 n.44 Botucatu Jan./Mar. 2013

FERNANDES, Roberta Zanelli Sartori; VILELA, Maria Filomena de Gouveia. Estratégias de integração das práticas assistenciais de saúde e de vigilância sanitária no contexto de implementação da Rede Cegonha. Ciênc. saúde coletiva vol.19 n.11 Rio de Janeiro Nov. 2014. Disponível em:

FERREIRA, Maria Verônica Ferrareze. Controle de infecção relacionada a cateter venoso central: revisão integrativa. Dissertação de mestrado em enfermagem apresentada a Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, 2007.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Tábua completa de mortalidade para o Brasil - 2011. Breve análise da mortalidade no período 2000-2011. Rio de Janeiro: IBGE; 2012.

MENDES, Karina Dal Sasso; SILVEIRA, Renata Cristina de Campos Pereira; GALVAO, Cristina Maria. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto contexto - enferm., Florianópolis, v. 17, n. 4, dez. 2008. Acesso em: 14 out. 2015. doi: 10.1590/S0104-07072008000400018.

MONTEIRO, Viviane dos Santos Jacob. Qualidade da Informação na atenção ao pré natal pelas equipes de Saúde da Família em uma área programática do município do Rio de Janeiro. / Viviane dos Santos Jacob Monteiro. -- 2015. 96 f.: tab.; graf.

REBELLO, Maria Tereza Maia Penido; RODRIGUES NETO, João Felício. A humanização da assistência ao parto na percepção de estudantes de medicina. Rev. bras. educ. med. vol.36 no.2 Rio de Janeiro Apr./June 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022012000400006. Acesso em: 14 de out. 2015.

SOUZA, Marcela Tavares de; SILVA, Michelly Dias da; CARVALHO, Rachel de. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010; 8 (1 Pt 1):102-6.

TERTULIANO, M.L.P. et al. A percepção do parto: vivência de estudantes inseridos no Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde.Rev Med Minas Gerais 2014; 24 (Supl 1): S13-S19.

WHITEMORE, Robin; KNAFL, Kathleen. A revisão integrativa : metodologia atualizada. Journal of Advanced Nursing de 2005, V.52, n.5, p. 546-553, Blackwell Publishing Ltd. Disponível em: < http: //users.phhp.ufl.edu/rbauer/ebpp/whittemore_knafl_05.pdf >. Acesso em : 08 out. 2015.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-017

Refbacks

  • There are currently no refbacks.