Situação epidemiológica brasileira sobre as hepatites B e C no período de 2000 a 2016 / Brazilian epidemiological situation about hepatitis B and C in the period from 2000 to 2016

Eliane Cristina da Cruz Santos, Maria Auxiliadora Pereira (In Memorian)

Abstract


A presente pesquisa trata sobre as Hepatites Virais B e C. Objetivou-se: avaliar a situação epidemiológica no período de 2000 a 2016 das infecções por hepatites B e C; compreender a distribuição das hepatites B e C no Brasil; identificar as taxas de incidência/detecção das hepatites B e C; analisar o coeficiente de mortalidade das Hepatites B e C; conhecer a proporção de casos segundo a provável fonte de infecção e avaliar o impacto das medidas de controle. O tipo de investigação foi quantitativa, descritiva, documental e retrospectivo. A amostra incluiu dados coletados entre janeiro a setembro de 2017, diretamente do Sistema Nacional de Agravos e Notificações (SINAN), do Ministério da Saúde (MS) referentes ao período de 2000 a 2016, dentre outros. Nos resultados pode-se constatar que a Região Sul é a que mais detecta e notifica casos; o estado de Rondônia apresentou a maior taxa de incidência de Hepatite B; a faixa etária mais acometida pela hepatite B corresponde a 35 a 39 anos; o sexo mais afetado é o masculino durante todo o período pesquisado; a principal fonte de infecção da Hepatite B foi a via sexual; o coeficiente de mortalidade é maior no sexo masculino. Em relação à taxa de detecção de hepatite C por  região de residência, destacou-se a Região Sudeste; a taxa de incidência dos casos de hepatite C destacou-se a cidade de Porto Alegre; a taxa de detecção de caso de hepatite C segundo sexo, razão de sexo e ano de notificação foi maior em homens;  segundo a faixa etária, a hepatite C evidenciou alta em  maiores de 60 anos, porém quando se conta por sexo entre 45 e 49 em homens e 60 anos ou mais para mulheres; o compartilhamento de seringas e agulhas contaminadas entre usuário de drogas é a principal forma de disseminação da hepatite C com taxa de 50% de novos casos; o coeficiente de mortalidade de hepatite C destaca-se na Região Sul; o coeficiente de mortalidade por hepatite C segundo sexo, razão de sexos e ano de óbito é maior em homens.

 

 

Keywords


Hepatite, Hepatite B, Hepatite C, Saúde pública.

References


BRASIL, Ministério da Saúde. Guia de vigilância epidemiológica. Brasília; 2005.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. ABCDE do diagnóstico das Hepatites Virais, 24 p., Brasília, 2009.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico das Hepatites Virais, Ano I – n° 1, 2010.

CAVALHEIRO, NP; De La Rosa A, Elagin S, Tengan FM, Araújo ES, Barone AA. Hepatitis C: sexual or intrafamilial transmission? Epidemiological and phylogenetic analysis of hepatitis C virus in 24 infected couples. Rev Soc Bras Med Trop. 2009;42(3):239-44.

DRUMMER, H.E. (2014) Challenges to the development of vaccines to hepatitis C virus that elicit neutralizing antibodies. Front Microbiol 5:329.

FOCACCIA R, Conceição OJG, Sette H, Sabino E, Bassit L, Nitrini DR et al. Estimated prevalence of viral hepatitis in the general population of the Municipality of São Paulo, measured by a serologic survey of a stratified, randomized and residence-based population. BJID 1998; 2 (6): 269-84.

FOCACCIA R, Conceição OJG. Quadro clínico das formas agudas benignas. In: Focaccia R, editor. Hepatites virais. São Paulo: Atheneu; 1997. p.3-6.

FERREIRA, Maria Verônica Ferrareze. Controle de infecção relacionada a cateter venoso central: revisão integrativa. Dissertação de mestrado em enfermagem apresentada a Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, 2007.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

PEREIRA, Leila Maria Moreira Beltrão; XIMENES, Ricardo Arraes de Alencar; MOREIRA, Regina Célia Moreira. (Coor.). Estudo de prevalência de base populacional das infecções pelos vírus das hepatites A, B e C nas capitais do Brasil. Pernambuco: Universidade Federal de Pernambuco, 2010.

VERONESI. Tratado de Infectologia. 4.ed. rev. e atual. São Paulo: Atheneu, 2010. 2v, 1351.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-014

Refbacks

  • There are currently no refbacks.