Auriculoterapia como opção terapêutica para ansiedade: Uma revisão de literatura / Auriculotherapy as a therapeutic option for anxiety: A review of the literature

Kaline Ribeiro de Freitas, Sherley Romeiro Freire

Abstract


A pandemia do novo coronavírus está causando impacto na saúde mental dos indivíduos provocando adoecimento. Sabe-se que a ansiedade é uma resposta natural do organismo a situações novas e desconhecidas, estando presente em muitos momentos de nossas vidas. Mas ela pode se tornar danosa quando essa resposta se torna excessiva. Nos dias atuais, com o aumento de casos de adoecimentos e mortes devido a COVID-19, a Organização Mundial de Saúde (OMS) identificou aumento dos casos de ansiedade, atribuindo isso ao isolamento social, medo de contágio e perda da renda e emprego. Objetivo: Identificar evidências na literatura científica acerca da auriculoterapia como opção terapêutica para a ansiedade e identificar estudos nessa temática durante o período de pandemia. Método: Pesquisa bibliográfica com buscas em bases de dados como o Scielo, Google Acadêmico e Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), além de dados oficiais da Organização Mundial de Saúde, com palavras-chave: ansiedade, auriculoterapia e saúde mental, e critérios de inclusão como: trabalhos apresentados nos idiomas portuguesa, publicados nos últimos 4 anos. Resultados e Discussões: 3 artigos compuseram a amostra do estudo, sendo 1 deles realizado no período da pandemia. Na revisão sistemática de Corrêa et. al (2019), 24 amostras compuseram o estudo e 22 (92%) tiveram evidências positivas da auriculoterapia para ansiedade, estresse e depressão. Outros autores como Novak et al (2020) realizaram um ensaio clínico não randomizado em 42 voluntários, dividido em Grupo Auriculoterapia (GA) e Grupo Controle (GC). Nesse estudo, o GA recebeu 12 atendimentos de auriculoterapia. Os participantes do GC foram submetidos a um treino de 20 minutos de bicicleta ergométrica, uma vez por semana, por 12 semanas. O estudo concluiu a eficácia da auriculoterapia no tratamento proposto, com melhora da ansiedade e melhora significativa na qualidade do sono e de vida dos participantes.  Trigueiro et. al (2020), relataram em seus estudos a aplicação da auriculoterapia em 48 trabalhadores de uma base do serviço de atendimento móvel de urgência, no período da pandemia, em uma cidade do Nordeste brasileiro. Esses autores mencionaram que a prática visou contribuir com a melhora dos sintomas físicos (dor) e emocionais (ansiedade, estresse), maior promoção da saúde e aumento da disposição para o trabalho, sendo requisitada sua continuidade. Conclusão: As evidências disponíveis neste estudo acerca dos efeitos da auriculoterapia como opção terapêutica para a ansiedade, mostrou dados promissores nesse contexto. Com 1 estudo identificado durante o período da pandemia em profissionais de saúde da linha de frente, significa que essa prática terapêutica foi percebida como benéfica para reduzir os riscos à saúde mental nesse momento de crise sanitária. Com isso, compreende-se que a auriculoterapia é um importante método terapêutico para ansiedade, minimizando impactos negativos até mesmo nas repercussões da COVID-19.


Keywords


Ansiedade, Auriculoterapia, Saúde Mental.

References


American Psychiatric Association. (2014). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM-5. Tradução Maria Inês Correa Nascimento et al. 5. ed. Porto Alegre: Artmed.

ASMUNDSON, Gordon J. G.; TAYLOR, Steven. Coronaphobia: fear and the 2019-nCoV outbreak. Journal of Anxiety Disorders. 2020; v.70: 102-96. doi:10.1016/j.janxdis.2020.102196. Disponível em:< https://reader.elsevier.com/reader/sd/pii/S0887618520300104?token=977741953959D9F31B3C0CD2A2B0FE302BA89C8CBE978372CD4BDBB6BD876A00C7482B7988D55DD358814201EEFBC7FB&originRegion=us-east-1&originCreation=20210804144856>. Acesso em: 04 jul 2021.

BARROS, Marilisa Berti de Azevedo et al. Relato de tristeza/depressão, nervosismo/ansiedade e problemas de sono na população adulta brasileira

durante a pandemia de COVID-19. Epidemiol. Serv. Saude. Brasília, v. 29(4):e2020427, 2020. Disponível em:. Acesso em: 20 jan 2020.

BELASCO, Isabel Cristina; PASSINHO, Renata Soares; VIEIRA, Valéria Aparecida. Práticas integrativas e complementares na saúde mental do estudante universitário. Arq. bras. psicol., Rio de Janeiro, v. 71, n. 1, p. 103-111, 2019. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2020.

BERGAMIN, E., et al. Auriculoterapia na Qualidade de Vida de Professores de um Centro de Educação Infantil de Chapecó (SC). Rev Bras Terap e Saúde, 4(1):7-11, 2013. Disponível em: http://www.omnipax.com.br/RBTS/artigos/v4n1/RBTS-4-1-2.pdf. Acesso em: 06 jun 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: atitude e ampliação de acesso/Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – 2. Ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BROOKS, Samanta K. et al. O impacto psicológico da quarentena e como reduzi-lo: revisão rápida das evidências. The Lancet. 2020; 395: 912-20. Disponível em: < https://www.thelancet.com/action/showPdf?pii=S0140-6736%2820%2930460-8>. Acesso em: 05 jun 2021.

CASTILLO, Ana Regina G. L. et. al. Transtornos de Ansiedade. Revista Brasileira de Psiquiatria, 22 (2000): 20-23. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbp/v22s2/3791.pdf> Acesso em:12 jun,2017.

CORRÊA, Hérica Pinheiro, et al. Efeitos da auriculoterapia sobre o estresse, ansiedade e depressão em adultos e idosos: revisão sistemática. Revista da escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 54, e03626, 2020. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v54/1980-220X-reeusp-54-e03626.pdf>. Acesso em: 21 fev. 2021.

FERNANDES, Márcia Astrês et al. Prevalência dos transtornos de ansiedade como causa de afastamentos de trabalhadores. Revista Brasileira de Enfermagem REBEN. 71 (supl 5), 2018. Disponível em: :< https://www.scielo.br/j/reben/a/BJjn3CpqWBMPky8GNNGBCBS/?lang=en>. Acesso em: 21 jun 2021.

GRAÇA, Bianca Carvalho da; et al. Uso da auriculoterapia no controle da lombalgia, ansiedade e estresse de profissionais do sistema penitenciário. BrJP. São Paulo, abr-jun;3(2):142-6, 2020. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/brjp/a/4dQMLtcJJdVrY796x5HNn5L/abstract/?lang=pt >. Acesso em: 04 abr 2021.

HALLER, Heidemarie et al. Complementary therapies for clinical depression: An overview of systematic reviews. BMJ Open, 2019; 9(8): 1–15. Disponível em:. Acesso em: 20 mai 2021.

IASEVOLI, Felice et al. Sofrimento psicológico em pacientes com doença mental grave durante o surto de COVID-19 e quarentena em massa de um mês na Itália. Psychol Med . 2021; 51 (6): 1054-1056. doi: 10.1017 / S0033291720001841. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7261960/>. Acesso em: 04 jul 2021.

KUREBAYASHI, Leonice Fumiko Sato, et al. Auriculotherapy to reduce anxiety and pain in nursing professionals: a randomized clinical trial. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2017; 25:e2843. Access: 22 jul 2021. Available in: https://www.scielo.br/j/rlae/a/dXT34Ys9QphvTj9NPRhsW3p/?lang=pt&format=pdf

Lei, Lei et al. Comparação da prevalência e fatores associados de ansiedade e depressão entre pessoas afetadas por pessoas não afetadas pela quarentena durante a epidemia de COVID-19 no sudoeste da China. Med Sci Monit . 2020; 26: e924609. Doi: 10.12659 / MSM.924609. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7199435/>. Acesso em: 20 jun 2021.

Li, Wei et al. Characteristics of deaths amongst health workers in China during the outbreak of COVID-19 infection. Shanghai, 2020. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7141456/?report=classic>. Acesso em: 08 de jul. de 2020.

Organizacao Mundial de Saude-OMS. Depression and other common mental disorders: global health estimates[Internet]. Geneva: WHO; 2017[cited 2017 Nov 04]. Available from:. Acesso em: 08 jan 2021.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. ONU destaca necessidade urgente de aumentar investimentos em serviços de saúde mental durante a pandemia de COVID-19. Opas Brasil, 2020. Disponível em: < https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6170:onu-destaca-necessidade-urgente-de-aumentar-investimentos-em-servicos-de-saude-mental-durante-a-pandemia-de-covid-19&Itemid=839>. Acesso em: 21 fev. 2021.

PAGNO, Marina. Ministério da Saúde divulga resultados preliminares de pesquisa sobre saúde mental na pandemia: dados iniciais apontam que a ansiedade é o transtorno mental mais presente entre os brasileiros no período, 2020. Elaborado por Marina Pagno. Disponível em:.Acesso em: 19 jun. 2021.

RIBEIRO, Caique Jordan Nunes; et al. Intervenções de restrição de mobilidade social durante a pandemia da COVI-19 e suas repercussões psicossociais no Brasil. Enferm. Foco. Sergipe, 11 (1) Especial: 179-181, 2020. Disponível em:.

Acesso em: 20 jan 2021.

SCHMIDT, Beatriz; et al. Saúde mental e intervenções psicológicas diante

da pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Estudos de Psicologia (Campinas) [online]. 2020, v. 37, e200063. ISSN 1982-0275. Disponível em: . Acesso em 28 mai 2021.

SILVERIO-LOPES, Sandra; CARNEIRO-SULIANO, Lirane. Atlas de Auriculoperapia de A a Z. 4. ed. Curitiba: Omnipax, 2020.

SOUZA, Dirlen Ferreira de et al. O impacto do confinamento domiciliar Covid 19 no comportamento alimentar: uma revisão integrativa. Brazilian Journal of Development. Curitiba, 2021, v.7, n.8, p.75807-75819. Disponível em< https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/33735/pdf>. Acesso em: 09 ago 2021.

TRIGUEIRO, Rosiane Lopes et al. Pandemia COVID-19: relato do uso de auriculoterapia na otimização da saúde de trabalhadores de urgência. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 73, supl. 2, e20200507, 2020. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2021.

YARIBEYGI, Habib et al. The impact of stress on body function: A review. EXCLI Journal, 2017; 16: 1057–1072. Disponível em: Acesso em: 26 abr 2021.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-011

Refbacks

  • There are currently no refbacks.