Benefícios da posição verticalizada no parto normal / Benefits of the upright position in normal childbirth

Virgínia Braz da Silva Vaz, Marília Tavares Rodrigues, Nathalia Quiel Barros Martins, Gabriela Oliveira de Moura Rigonato, Matheus Henrique Junqueira de Carvalho, Gabriela Flores do Nascimento, Nathália Flores do Nascimento, Nicole Rosenthal Winckler da Silva

Abstract


A Organização Mundial de Saúde (OMS), desde a década de 90, emitiu resoluções a respeito das práticas adotadas no trabalho de parto que favorecem o binômio. Dessa forma, nos últimos anos no Brasil, principalmente após a instituição da Política Nacional de Humanização do Parto, de 2011, a humanização do trabalho de parto tem sido defendida, a fim de proporcionar a melhor experiência para a parturiente.  

No que concerne aos benefícios para mãe e feto, inúmeros estudos demonstram como a autonomia da mulher no momento do parto é saudável, tanto no âmbito físico como psicológico, para um momento menos doloroso e traumático, além da recuperação mais eficaz e a melhor conexão entre os pacientes e a equipe de multiprofissional de saúde.

Assim, esse procedimento de parto humanizado foi analisado, neste trabalho, através de uma Revisão Integrativa da Literatura respaldada pela busca nas bases de dados, nas quais elencou-se 15 artigos científicos para esta produção textual que contemplavam todos os critérios estabelecidos. Após a leitura minuciosa dos artigos científicos, constatou-se que a posição verticalizada no parto normal deve ser defendida e estimulada, por proporcionar maior qualidade para mulher no momento de parir e diminuir as taxas de intercorrências no momento do parto e no pós-parto.


Keywords


Natural Childbirth, Patient Positioning, Humanizing Delivery, Obstetrics.

References


AMARO, Cláudia Isabel Taborda et al. Benefícios da verticalização do parto. Revista INFAD de Psicología. International Journal of Developmental and Educational Psychology., v. 1, n. 1, p. 491-502, 2021.

Arik RM, Parada CMGL, Tonete VLP, Sleutjes FCM. Percepções e expectativas de gestantes sobre o tipo de parto. Rev Bras Enferm. Dezembro de 2019; 72 (supl 3): 41-49. Inglês, português. doi: 10.1590 / 0034-7167-2017-0731. PMID: 31851233.

Ayres LFA, Teixeira LA, Henriques BD, Dias AKG, Amorim WM. Métodos de preparação para o parto: um estudo de impressos publicados no Brasil em meados do século XX. Hist Cienc Saude Manguinhos. 2019 janeiro-março; 26 (1): 53-70. Português, inglês. doi: 10.1590 / S0104-59702019000100004. PMID: 30942303.

BALSELLS, Marianne Maia Dutra. Métodos não farmacológicos para alívio da dor no parto: construção e validação de cartilha educativa. 2018

BERNEIRA MARINS, Rafaela et al. TÉCNICAS DE CUIDADO PARA O ALÍVIO DA DOR NO NASCIMENTO. Revista de Pesquisa: Cuidado e Fundamental, v. 12, n. 1, 2020.

BORJA, Thayana Jovino et al. O cuidado prestado por doulas em uma maternidade pública: o olhar das puérperas. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, v. 8, 2018.

Bourguignon AM, Grisotti M. A humanização do parto e nascimento no Brasil nas trajetórias de suas pesquisadoras. Hist Cienc Saude Manguinhos. Junho de 2020; 27 (2): 485-502. Português. doi: 10.1590 / s0104-59702020000200010. Epub 2020 13 de julho. PMID: 32667617.

DE JESUS SANTOS, José Marcos et al. Posição da parturiente durante o parto vaginal: divergência entre a prática médica e da enfermagem. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research, v. 19, n. 4, p. 58-64, 2017.

DE SOUSA, Joelma Lacerda et al. Percepção de puérperas sobre a posição vertical no parto. Revista Baiana de Enfermagem‏, v. 32, 2018.

FARIAS, Laryssa Miranda Vidal Cavalcante. Posições maternas e sua influência no desfecho do parto e nascimento: um estudo caso-controle. 2020.

HUGUES, Gabriela Macedo; HEILBORN, Maria Luiza. “Cesárea? Não, Obrigada!”: ativismo em uma comunidade online na busca pelo parto normal no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 37, 2021.

LESSA, Heloisa Ferreira et al. Escolhendo o parto domiciliar planejado: uma opção natural e sem drogas / A opção pelo parto domiciliar planejado: uma opção natural e desmedicalizada. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, v. 10, n. 4, pág. 1118-1122, 2018.

MAIO, Telma Raquel Brito Guerreiro. A verticalidade no trabalho de parto e o controlo da dor. 2017. Tese de Doutorado.

Pasqualotto VP, Riffel MJ, Moretto VL. Práticas sugeridas nas redes sociais para planos de parto. Rev Bras Enferm. 1 de julho de 2020; 73 (5): e20180847. Inglês, português. doi: 10.1590 / 0034-7167-2018-0847. PMID: 32609200.

Reis TLDRD, Padoin SMM, Toebe TRP, Paula CC, Quadros JS. Autonomia da mulher no processo de parto e nascimento: revisão integrativa da literatura. Rev Gaucha Enferm. 20 de abril de 2017; 38 (1): e64677. Português, inglês. doi: 10.1590 / 1983-1447.2017.01.64677. PMID: 28443976.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-004

Refbacks

  • There are currently no refbacks.