Análise do teor de sódio das refeições servidas por uma unidade de alimentação e nutrição no município de Cuiabá-MT / Analysis of the sodium content of meals served by a food and nutrition unit in the municipality of Cuiabá-MT

Emylly Raquel dos Santos Oliveira, Sandra Souza de Andrade Moraes, Marina Bezerra de Souza Draeger, Jéssica Karina de Amorim, Luciana Ayumi Nita

Abstract


Atualmente, tem crescido o número de pessoas que fazem refeições fora de casa e com isso aumentou o de empresas fornecedoras de refeições prontas, em virtude da procura de praticidade e baixo custo pela população. Entretanto, a implantação de UAN torna-se de fundamental importância para que forneça refeições saudáveis e seguras nutricionalmente e por meio disso assegurar um padrão de qualidade em toda cadeia de produção, garantindo refeições em níveis adequados de macro e micronutrientes de acordo com as recomendações da literatura visando melhorar a situação nutricional da população. O presente estudo teve como objetivo analisar os teores de sódio das marmitas enviadas para trabalhadores e moradores de rua no almoço de uma Unidade de Alimentação e Nutrição pública, e comparar se os valores se encontram de acordo com as recomendações preconizadas pela OMS e pelo PAT. Trata-se de um estudo transversal onde foi analisado o teor de sódio das marmitas distribuídas por um restaurante público no qual foi coletada a quantidade de sódio enviada por marmita somente do almoço em três dias não consecutivos. Para determinação de sódio, foram utilizados os cálculos da ficha técnica que foi elaborada em planilha eletrônica, a partir das informações coletadas no local e das informações nutricionais disponibilizada na TACO, posteriormente foi calculada a quantidade de sódio por porção de cada preparação, depois somou-se e obteve a quantidade por marmita que possuem padrão para serem enviadas com peso entre 500 a 600g. O consumo de sódio em todas os dias analisados foi significativamente superior ao recomendado pelo PAT, porém, o consumo médio de sódio foi significativamente maior no segundo dia e um pouco superior ao recomendado no cardápio do primeiro dia. Conclui-se que nos dias analisados as marmitas enviadas excederam a recomendação de sódio estabelecida pelo PAT e OMS.


Keywords


PAT, Sódio, Unidade de Alimentação e Nutrição.

References


CAPALONGA, R. et al. Avaliação da quantidade de sal oferecida no almoço dos funcionários de um Hospital Público de Porto Alegre. Revista HCPA, v. 30. n. 3, 2010. Porto Alegre-RS.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. Atualização da Diretriz de Prevenção Cardiovascular. Arq Bras Cardiol. 2019;

VALADÃO. T. A. Análise do teor de sódio em preparações servidas por uma unidade de alimentação e nutrição em Cuiabá-MT. 2017. 47 f. Dissertação, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2017.

VILLA. S. R; MELO. V; SPINELLI. M. G. N. Oferta de proteína e sódio dos pratos proteicos em refeições de uma unidade de alimentação. São José dos Campos-SP-Brasil, v. 24, n. 46, dez. 2018.

Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria Interministerial Nº 66, de 25 de agosto de 2006. Altera os parâmetros nutricionais do Programa da Alimentação do Trabalhador – PAT. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 2006;165:153.

ARNHOLDT. A.P; HALMENSCHLAGER. M; SILVA. A. B .G. Avaliação da quantidade de sódio das refeições oferecidas em uma unidade de alimentação e nutrição no interior do rio grande do sul. Rio Grande do Sul- RS, VOL. 4, N. 3, 2012 - CCBS/UNIVATES.

Molina MCB, Cunha RS, Herkenhoff LF, Mill JG. Hipertensão arterial e consumo de sal em população urbana. Rev Saúde Pública. 2003; 37:743-50.

Sociedade Brasileira De Cardiologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Rev Bras Hipertensão 2010;17:4.

Sacks FM, Svetkey LP, Vollmer WM, Appel LJ, Bray GA, Harsha D, et al. DASH-Sodium Collaborative Research Group.Effects on blood pressure of reduced dietary sodium and the Dietary Approaches to Stop Hypertension (DASH) diet. DASH-Sodium Collaborative Research Group. N Engl J Med. 2001; 344:3-10.

OLMOS. D. R. Epidemiologia da hipertensão no Brasil e no mundo. São Paulo, mar. 2002. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Rodrigo-Olmos/publication/259453495_Epidemiologia_da_hipertensao_arterial_no_Brasil_e_no_mundo/links/02e7e52bb78dfb8828000000/Epidemiologia-da-hipertensao-arterial-no-Brasil-e-no-mundo.pdf. Acesso em: 29 jul. 2021.

PASSOS. A. M. V. et al. Hipertensão arterial no Brasil: estimativa de prevalência a partir de estudos de base populacional. Minas Gerais, 2006. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?pid=S1679 49742006000100003&script=sci_arttext Acesso em: 29 jul. 2021.

REINERS. O. A. A. et al. Adesão ao tratamento de hipertensos da atenção básica. Cuiabá, 2012. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/16511. Acesso em: 09 ago. 2021.

RABELO, N. M. L. Avaliação do percentual de resto-ingestão e sobra alimentar em uma unidade de alimentação e nutrição institucional. Ponta Grossa, jun. 2016. v. 10, n. 1, p. 2039-2052.

REINALDO, J. M.; RESENDE. A. S.; SANT ANNA. M. S. L. Prevalência de hipertensão arterial e avaliação da ingestão de sódio em uma Unidade de Alimentação e Nutrição do Estado de Sergipe/Brasil. Revista da Associação Brasileira de Nutrição. São Paulo, SP, Ano 8, n. 1, p. 58-63. Jun. 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares, 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro; 2011.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares, 2002-2003: Aquisição alimentar domiciliar per capita. Rio de Janeiro; 2004.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Guia de Boas Práticas Nutricionais - Restaurantes Coletivos. Brasília, 2014.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-002

Refbacks

  • There are currently no refbacks.