O trabalho em uma instituição de acolhimento à crianças e adolescentes: relato de experiência / Work in a child and adolescent care institution: experience report

Fabiana Pires Gonçalves, Carolina Renz Pretto, Cleide Estela dos Santos Alfing, Sabrina Azevedo Wagner Benetti, Marina Brites Calegaro da Rosa, Cíntia Beatriz Goi, Carla Patrícia Mello, Eniva Miladi FernandesStumm

Abstract


No Brasil há inúmeras crianças e adolescentes institucionalizados. O acolhimento institucional é realizado como medida de proteção pela ocorrência de violação ao direito à saúde física ou mental. O contexto de vida e o desenvolvimento desses na instituição podem contribuir para a manifestação de processos patológicos. Objetivo: refletir sobre a assistência prestada às crianças e adolescentes em uma instituição de acolhimento. Metodologia: relato de experiência construído a partir  da  atuação  de  uma  das  autoras  como  assistente  social  em  instituição  filantrópica  de acolhimento para crianças e adolescentes de um município do noroeste do Rio Grande do Sul, mantido por uma igreja evangélica. O registro de percepções e reflexões foi realizado no primeiro semestre de  2016. Resultados: os menores acolhidos deveriam permanecer temporariamente na instituição, mas muitos permanecem por um longo período e boa parte do seu desenvolvimento ocorre nesse local. Dessa forma, a assistência é multidisciplinar, com escuta terapêutica, ações de reinserção à família extensa, emancipação e atenção psíquica. Conclusão: crianças e adolescentes em situação de acolhimento institucional permanecem muito tempo institucionalizados e apresentam sofrimento psíquico. A atenção  deve  ser  humanizada  e compreender  ações como  escuta  terapêutica,   reinserção familiar, estabelelcimento de limites e desenvolvimento de capacidade para crescimento pessoal e preparo para a vida fora desse ambiente.

 

 


Keywords


Institucionalização, Serviço de proteção infantil, Criança acolhida, Adolescente, Saúde Mental.

References


BOWLBY, J. Algumas Causas da Doença Mental. In: BOWLBY, J. Cuidados Maternos e Saúde Mental. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes: 2002. p. 3-10.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988.

_____. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente.

_____. Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993. Lei Orgânica da Assistência Social.

_____. Orientações Técnicas: Serviços de Acolhimento para Crianças e Adolescentes. Brasília, Junho de 2009. Disponível em: . Acesso em 15 mai. 2016.

_____. Portaria nº 336/GM de 19 de fevereiro de 2002. Estabelece que os Centros de Atenção Psicossocial poderão constituir-se nas seguintes modalidades de serviços: CAPS I, CAPS II e CAPS III, definidos por ordem crescente de porte/complexidade e abrangência populacional.

CALCING, J.; BENETTI, S. P. C. Caracterização da Saúde Mental em crianças e adolescentes em acolhimento institucional. Psico, Porto Alegre, PUCRS, v. 45, n. 4, p. 559-567, out.-dez. 2014.

CARETA, D. S.; MOTTA, I. F. A importância do diagnóstico precoce e de intervenções preventivas em crianças abrigadas. Revista de Psicologia da UNESP, v. 6, n.1, 2007.

CAVALCANTE, B. L. L.; LIMA, U. T. S. Relato de experiência de uma estudante de enfermagem em um consultório especializado em tratamento de feridas. J Nurs Health, Pelotas, v. 1 n. 2, p. 94-103, jan./jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2015.

CONSELHO FEDERAL DE ASSISTENTES SOCIAIS. Código de Ética Profissional do Assistente Social. Brasília, 1993.

FIGUEIRÓ, M. E. S. S. Acolhimento Institucional: a maioridade e o desligamento. Jundiaí: Paco Editorial, 2012.

GUERRA, A. M. C. Tecendo a rede na assistência em saúde mental infanto-juvenil: interfaces entre a dimensão clínica e a dimensão política. In: GUERRA, A. M. C.; LIMA, N. L. (Org.). A clínica de crianças com transtornos no desenvolvimento – uma contribuição no campo da psicanálise e da saúde mental. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p. 171-189.

LEWGOY, A. M. B. Supervisão de estágio em serviço social: desafios para a formação e exercício profissional. São Paulo: Cortez, 2009.

MEIRELLES, B.H.S. Interdisciplinaridade: uma perspectiva de trabalho nos serviços de atendimento aos portadores do HIV/AIDS. Florianópolis, UFSC, 1998. Dissertação (Mestrado em Assistência de Enfermagem) Curso de Pós Graduação em Enfermagem. Universidade Federal de Santa Catarina.

NOGUEIRA, P. C.; COSTA, L. Fo. A criança, a mãe social e o abrigo: limites e possibilidades. Rev. bras. crescimento desenvolv. hum. v.15 n.3 São Paulo dez. 2005.

PARREIRA, S. M. C. P.; JUSTO, J. S. A criança abrigada: considerações acerca do sentido da filiação. Psicologia em estudo, Maringá, v. 10, n. 2, p.175-180, mai./ago.2005.

RIO GRANDE DO SUL. Guia de Serviços de Saúde Mental. Disponível em: . Acesso em 15 mai. 2016.

VIGOTSKI, L.S. A formação social da mente. 6ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

V




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n4-288

Refbacks

  • There are currently no refbacks.