A atuação multiprofissional e o uso de metodologias ativas na educação em saúde de crianças e adolescentes em Vulnerabilidade através das potencialidades do território / Multiprofessional acting and the use of active methodologies in the health education of children and adolescents in vulnerability through the potentialities of the territory

Marcella Bonifácio Lelles Dias, Taís de Araujo Magnavita Carneiro, Deize Nascimento de Souza

Abstract


Objetivo: Desenvolver educação em saúde para crianças e adolescentes em vulnerabilidade através da atuação multiprofissional, interprofissional e o uso de metodologias ativas, a partir das potencialidades existentes no território. Método: Trata-se de um relato de experiência de uma equipe multiprofissional de residentes do PERMUSF sobre a atuação multiprofissional e interprofissional, o uso de metodologias ativas e das potencialidades do território como estratégias para a educação em saúde de crianças e adolescentes em vulnerabilidade. Resultados: As desigualdades sociais não estão relacionadas apenas aos fatores biológicos. Os hábitos e comportamentos construídos socialmente e os determinantes sociais de saúde influenciam no processo saúde-doença, sendo mais significativos nas populações desfavorecidas. Dessa forma, diante das vulnerabilidades existentes, crianças e adolescentes são expostos a inúmeros fatores de risco que comprometem a condição de saúde, trazendo como consequências a dependência química, doenças sexualmente transmissíveis, verminoses, desnutrição, gravidez precoce, depressão e violência. Nesse sentido, o residente é compreendido como um importante agente de ações educativas no território, onde podem ser identificados ambientes potencializadores da saúde. O espaço dedicado a atividades de jiu-jítsu foi utilizado como um atrativo para o processo de aprendizagem social e em saúde, através do uso de metodologias ativas para incentivar o pensamento crítico-reflexivo, incluindo crianças e adolescentes socialmente, proporcionando-os novas oportunidades de vida, na possibilidade de trazer mudanças comportamentais. Conclusão: A partir das potencialidades existentes no território é possível desenvolver ações que alcancem populações em vulnerabilidade. Para tanto, é necessário repensar sobre as práticas de saúde, de forma crítica e dinâmica, por meio do trabalho intersetorial e multidisciplinar, visando reduzir os riscos à saúde às quais crianças e adolescentes se encontram expostos.


Keywords


Territorialização da Atenção Primária, Saúde da Criança, Saúde do Adolescente, Educação em Saúde, Vulnerabilidade em Saúde.

References


AITH, F.; SCALCO, N. Direito à saúde de pessoas em condição de vulnerabilidade em centros urbanos. Revista USP, São Paulo, n. 107, p. 43-54, out/nov/dez., 2015. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/115112/112817. Acesso em: 10 fev. 2020.

ANGELO, M. A vulnerabilidade da criança e a pesquisa de enfermagem pediátrica. Revista da Sociedade Brasileira de Enfermeiros Pediatras, v. 16, n. 1, 2016. Disponível em: http://journal.sobep.org.br/article/a-vulnerabilidade-da-crianca-e-a-pesquisa-de-enfermagem-pediatrica/. Acesso em: 10 fev. 2020.

ARAÚJO, T. A. M. et al. Multiprofissionalidade e interprofissionalidade em uma residência hospitalar: o olhar de residentes e preceptores. Interface Comunicação Saúde Educação, v. 21, n. 62, p. 601-13, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141432832017000300601&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 26 out. 2020.

BARBOSA, J. V. et al. Educação em saúde na comunidade: conhecendo as vulnerabilidades em adolescentes. Rev enferm UFPE on line, Recife, v. 8, n. 9, p. 3112-7, set., 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/download/10032/10428. Acesso em: 12 fev. 2020.

BARBOSA, F. I. et al. Caracterização das práticas de educação em saúde desenvolvidas por enfermeiros em um município no centro-oeste mineiro, Rev. Min. Enferm., v. 14, n. 2, p. 195-203, abr./jun., 2010. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/106. Acesso em: 10 fev. 2020.

BARRETO, A. C. O. et al. Percepção da equipe multiprofissional da

Atenção Primária sobre educação em saúde. Rev Bras Enferm, v. 72, Suppl. 1, p. 278-85, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S003471672019000700266&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 02 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências: orientação para gestores e profissionais de Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília : Ministério da Saúde, 2010a. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/linha_cuidado_criancas_familias_violencias.pdf. Acesso em: 10 fev. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes nacionais para a atenção integral à saúde de adolescentes e jovens na promoção, proteção e recuperação da saúde. Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília: Ministério da Saúde, 2010b. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_atencao_saude_adolescentes_jovens_promocao_saude.pdf. Acesso em: 02 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Metodologias para o cuidado de crianças, adolescentes e famílias em situação de violências. Secretaria de Atenção á Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/metodologias_cuidado_crianca_situacao_violencia.pdf. Acesso em: 10 fev. 2020.

CAIRES, E. S.; JÚNIOR, P. J. S. Territorialização em saúde: uma reflexão acerca de sua importância na atenção primária. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 9, n. 1, p. 1174-77, 2017. Disponível em: https://www.acervosaude.com.br/doc/REAS2.pdf. Acesso em: 12 fev. 2020.

CEDECA. Estatuto da Criança e do Adolescente, Versão atualizada. ECA 2018. Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: https://cedecarj.files.wordpress.com/2019/01/livro-eca-2018-vers%C3%A3o-internet-atual-2019.pdf. Acesso em: 12 fev. 2020.

COLUSSI, C. F.; PEREIRA, K. G. Territorialização como instrumento do planejamento local na atenção básica. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis: UFSC, 2016. Diponível em: https://ares.unasus.gov.br/acervo/html/ARES/13957/1/TERRITORIALIZACAO_LIVRO.pdf. Acesso em: 10 fev. 2020.

COSTA, T. C.; VASCONCELOS, T. B. Processo de territorialização da residência multiprofissional na cidade de Quixadá/CE: relato de experiência. Rev Ciênc Med Biol, Salvador, v. 15, n. 1, p. 73-81, jan/abr., 2016. Diponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/cmbio/article/view/14363/0. Acesso em: 10 fev. 2020.

FONSECA, F. F. et al. As vulnerabilidades na infância e adolescência e as políticas públicas brasileiras de intervenção. Rev Paul Pedriatr, v. 31, n. 2, p. 258-64, 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-05822013000200019&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10 fev. 2020.

IBGE. Brasil/Bahia/Bom Jesus da Lapa. 2017. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/bom-jesus-da-lapa/panorama. Acesso em: 03 out. 2020.

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA VIDA. Departamento de Nutrição. Instrutivo para Elaboração de Relato de Experiência. Estágio em Nutrição em Saúde Coletiva. Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF - Campus Governador Valadares, 2017. Disponível em: https://www.ufjf.br/nutricaogv/files/2016/03/Orienta%C3%A7%C3%B5es-Elabora%C3%A7%C3%A3o-de-Relato-de-Experi%C3%AAncia.pdf. Acesso em: 26 set. 2020.

JUSTO, L.G. et al. A territorialização na Atenção Básica: um relato de experiência na formação médica. Comunicação saúde educação, v. 21, supl. 1, p. 1345-54, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832017000501345&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10 fev. 2020.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE, Programa de Cooperação Internacional em Saúde da OPAS/OMS. Ministério da Saúde. Mulheres e saúde evidências de hoje agenda de amanhã, 2011. Disponível em: https://www.who.int/eportuguese/publications/Mulheres_Saude.pdf. Acesso em: 26 set. 2020.

PEREIRA, S. E. F. N. Crianças e adolescentes em contexto de vulnerabilidade social: articulação de redes em situação de abandono ou afastamento do convívio familiar. Aconchego-DF, 2016. Disponível em: http://acolhimentoemrede.org.br/site/wp-content/uploads/2016/08/Artigo-sobre-a-REDE.pdf. Acesso em: 12 fev. 2020.

PEREIRA, M. F. Interprofissionalidade e saúde: conexões e fronteiras em transformação. Interface Comunicação Saúde Educação, v. 22, Supl. 2, p. 1753-6, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832018000601753. Acesso em: 02 nov. 2020.

PESSOA, V. M. et al. Sentidos e métodos de territorialização na atenção primária à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 8, p. 2253-62, 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141381232013000800009&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 12 fev. 2020.

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM JESUS DA LAPA. A cidade. Bom Jesus da Lapa – Bahia. Gestão 2017-2020. Disponível em: http://www.bomjesusdalapa.ba.gov.br/texto/a_cidade. Acesso em: 30 out. 2020.

SOARES, C. ; SILVA, E. ; MOREIRA, V. C. Expectativas e benefícios percebidos pelo consumidor praticante de jiu-jítsu. In: CONGRESSO DE EDUCAÇÃO, 4., 2017, Paraná. Anais [...]. Paraná: FAG, 2017. Disponível em: https://www.fag.edu.br/novo/pg/congressoeducacao/arquivos/2017/EXPECTATIVAS_E_BENEFICIOS_PERCEBIDOS_PELO_CONSUMIDOR_PRATICANTE_DE_JIU_JITSU.pdf. Acesso em: 26 set. 2020.

SOUZA, D. O. ; SILVA, S. E. V.; SILVA, N. O. Determinantes Sociais da Saúde: reflexões a partir das raízes da “questão social”. Saúde Soc, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 44-56, 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-12902013000100006&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 12 fev. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n4-164

Refbacks

  • There are currently no refbacks.