O efeito exercício físico no processo de tratamento de indivíduos com dependência química / The effect physical exercise on the process of treating individuals with chemical dependence

Graziele Monteiro da Silva, Jéssica Caroline Gobato, Edson Vander Lucas Junior, Sandra de Souza Nery

Abstract


A dependência química é definida como uma condição psíquica e em determinadas vezes física, consequente da ação entre um indivíduo e a substância psicoativa. Essas substâncias são encontradas em medicamentos, drogas como, maconha, crack, LSD, cocaína, álcool, entre outros, e atingem várias estruturas do usuário, desde os sistemas vitais até as dimensões psicossociais. Observada nas mudanças de comportamento e atitudes, acompanhada da vontade compulsiva do consumo de substâncias, de forma contínua, e do desconforto da abstinência, ela é uma doença de caráter social, físico e psíquico. Por ser uma doença crônica, o tratamento da dependência química é complexo e multidisciplinar e, de preferência, individualizado. O exercício físico é importante no tratamento de inúmeras patologias, situações clínicas e comorbidades associadas, incluindo a dependência química. Sendo assim, este estudo teve como objetivo verificar as maneiras e métodos da utilização do exercício físico como auxílio no tratamento dos dependentes químicos por meio de revisão bibliográfica. Os achados dessa revisão possibilitam observar que o programa de exercício deve contemplar exercícios aeróbios, anaeróbios e alongamentos, feitos de maneira recreativa e prazerosas, assim junto a equipe multidisciplinar a inserção do exercício físico possa trazer resultados positivos e eficazes. Dentre os inúmeros benefícios relatados, o mais citado foi a liberação da endorfina, ajudando na sensação de bem-estar e relaxamento do organismo, diminuindo as consequências do cravinge de algumas doenças que são consequência da dependência química como a depressão (dentre outros transtornos e traumas psicológicos), como a ansiedade, excesso de estresse, alterações de humor.


Keywords


Dependência Química, Exercício físico, Drogas.

References


ALVES, G. S. L.; ARAUJO, R. B. A utilização dos jogos cooperativos no tratamento de dependentes de crack internados em uma unidade de desintoxicação. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 77-80, abr. 2012 . Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151786922012000200002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 02 jun. 2020.

AMARAL, J. D. Jogos cooperativos. 2. ed. São Paulo: Phorte, 2007

BARBANTI, E. J. A importância do exercício físico no tratamento da dependência química. Educação Física em Revista, São Paulo, v. 6, p. 1-9, 2012. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/efr/article/view/3005. Acesso em 02 jun. 2020

BERTONI, N.; BASTOS, F. I. Perfil sociodemográfico e comportamental destes usuários: resultados de uma pesquisa de abrangência nacional. In: BASTOS, F. I.; BERTONI, N. (org.). Pesquisa nacional sobre o uso de crack: quem são os usuários de crack e/ou similares do Brasil? Quantos são nas capitais brasileiras? Rio de Janeiro: Carioca, 2014. p. 45-66. Disponível em: https://www.icict.fiocruz.br/sites/www.icict.fiocruz.br/files/Pesquisa%20Nacional%20sobre%20o%20Uso%20de%20Crack.pdf. Acesso em: 18 maio 2020.

BRADY K.T.; RANDALL C.L. Genderdifferences in substance use disorders. American Journal of Psychiatry, Carolina do Sul, v. 22, n. 2, p. 241-252, jun. 1999. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Kathleen_Brady/publication/14985460_Gender_difference_in_substance_use_disorders/links/00b7d53bc38881ea0f000000/Gender-difference-in-substance-use-disorders.pdf. Acesso em: 4 ago. 2020.

BÜCHELE, F.; MARCATTI, M.; RABELO, D. R. DEPENDÊNCIA QUÍMICA E PREVENÇÃO À “RECAÍDA”. Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portuga, Florianópolis, v. 13, ed. 13, p. 233-240, abr./jun. 2004. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/26603386_Dependencia_quimica_e_prevencao_a_recaida. Acesso em: 5 jun. 2020.

CALDEIRA Z. F.; LIMA E. S.; DIAS P. T. P. Da teoria à prática. In: CALDEIRA Z. F. (Org.). Uma proposta de trabalho preventivo: da teoria à prática.Rio de Janeiro: Kat’s Gráfica; NEPAD-UERJ/CN-DST/AIDS/MS/UNDCP, 1998. p. 20-27.

CARLINI, B. H. Drogas: Cartilha sobre maconha, cocaína e inalantes. 2. ed. Brasília: SENAD, 2011. Disponível em: https://www.justica.gov.br/central-de-conteudo/politicas-sobre-drogas/cartilhas-politicas-sobre-drogas/cartilhasobremaconhacocainainalantes.pdf. Acesso em: 12 ago. 2020.

CLÍNICA HUXLEY. Drogas e Efeitos. Artur Nogueira, 2018. Disponível em: https://problemascomdrogas.com.br/drogas-e-efeitos/. Acesso em: 04 ago. 2020

CORREIA, R. F. A. A atividade física e o dependente químico em recuperação. Rio de Janeiro: Sprint, 2002.

DIEHL, A.; CORDEIRO D. C.; LARANJEIRA R. Dependênciaquímica, prevenção, tratamento e políticas públicas. Porto Alegre: Artmed, 2011. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=756874&indexSearch=ID. Acesso em: 18 abr. 2020.

FERREIRA, G. F. de. Efeitos da atividade física no tratamento de dependentes químicos: uma revisão de literatura. Revista Digital, Buenos Aires, Ano 15, n. 166, mar. 2012. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd166/atividade-fisica-no-tratamento-de-dependentes-quimicos.htm. Acesso em: 7 mar. 2020.

FERREIRA, S. E.; SANTOS, A. K.; OKANO, A. H.; GONÇALVES, B. S. B.; ARAUJO, J. F. Efeitos agudos do exercício físico no tratamento da dependência química. Revista Brasileira de Ciências do. Esporte [online], Brasília, v. 39, n. 2, p. 123-131, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.rbce.2016.01.016. Acesso em: 7 mar. 2020 apud FERREIRA, G. F. de. Efeitos da atividade física no tratamento de dependentes químicos: uma revisão de literatura. Revista Digital, Buenos Aires, Ano 15, n. 166, mar. 2012. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd166/atividade-fisica-no-tratamento-de-dependentes-quimicos.htm. Acesso em: 7 mar. 2020.

HONORATO, E. J. S.; ANSELMO, S. M. G.; LEMOS, S. M.; FERREIRA, D. S.; SILVA, T. A. Atividade física como estratégia no processo de reabilitação psicossocial de dependentes químicos. Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde, Campinas, v. 17, n.019009, p. 1-19, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/download/8649672/20797/. Acesso em: 5 jun. 2020.

KLASSEN, C.; WATKINS, J. Fundamentos em Toxicologia de Casarett e Doull. Porto Alegre: AMGH; 2012.

LARANJEIRA, R.; RIBEIRO, M. O tratamento dos usuários de crack: avaliação clínica, psicossocial, neuropsicológica e de risco. São Paulo: Casa Leitura Médica, 2010.

LINKE, S.; USSHER, M. Exercise-basedtreatments for substance use disorders: evidence, theory, andpracticality. The American JournalofDrugandAlcohol Abuse, San Diego, v. 41, n. 1, p. 7-15, nov. 2014. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.3109/00952990.2014.976708?scroll=top&needAccess=true. Acesso em: 10 abr. 2020.

MAHONEY, J. J.; KALECHSTEIN, A. D.; NEWTONPROGRESS IN NEURO-PSYCHOPHARMACOLOGY & BIOLOGICAL PSYCHIATRY, T. F.; GARZA, R.D. A QualitativeandQuantitativeReviewofCocaine-InducedCraving: The PhenomenonofPriming. Progress in neuro-psychopharmacology&biologicalpsychiatry, Los Angeles, v. 31, ed. 3, p. 593-597, abr. 2007. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1907363/pdf/nihms21826.pdf. Acesso em: 3 ago. 2020

MALAGODI, B. M.; GREGUOL, M.; JUNIOR, H. S. Análise do equilíbrio corporal e aptidão física de indivíduos em tratamento para dependência química. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Londrina, v. 23, n. 12, 2018. Disponível em: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/12422/10851. Acesso em: 2 maio 2020.

MARQUES, A.; PERALTA, M.; CATUDA, R. Dependência em exercício físico: uma análise na perspetiva da saúde pública. 39. ed. Cruz Quebrada, 2015. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/293817746_DEPENDENCIA_EM_EXERCICIO_FISICO_UMA_ANALISE_NA_PERSPETIVA_DA_SAUDE_PUBLICA. Acesso em: 7 mar. 2020.

MEDEIROS, K. T.; MACIELl, S. C.; SOUSA, P. F.; TENÓRIO-SOUZA, F. M.; DIAS, C. C. V. Representações sociais do uso e abuso de drogas entre familiares de usuários. Psicologia em estudo, Maringá, v. 18, n. 2, p. 269-279, jun. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722013000200008&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 01 abr. 2020.

MIALICK, E. S.; FRACASSO, L.; SAHD, S. M. P. V. A importancia da pratica de atividade fisica como auxilio no processo de tratamento para a dependenciaquimica em pessoas de 18 a 35 anos. Jaboticabal, 2006. Disponível em: http://www.cdof.com.br/A%20import%E2ncia%20da%20pr%E1tica%20de%20atividade%20f%EDsica%20como%20aux%EDlio%20no%20processo%20de%20tratamento%20para%20a%20depend%EAncia%20qu%EDmica%20em%20pessoas%20de%2018%20a%2035%20anos.pdf. Acesso em: 10 abr. 2020.

MORAES FILHO, J. A. M.; RODRIGUES, P. C. O.; REVERDITO, R. S. Prática esportiva e exercício físico na prevenção e tratamento da dependência química. Journal Health NPEPS, Tangará da Serra, v. 3, n. 2, p. 304-307, jul. 2018. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/3251. Acesso em: 7 mar. 2020.

MORAES FILHO, J. A. M.; RODRIGUES, P. C. O.; REVERDITO, R. S. Prática esportiva e exercício físico na prevenção e tratamento da dependência química. Journal Health NPEPS, Tangará da Serra-MT, ano 2018, v. 3, n. 2, p. 304-307, 1 jul. 2018. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/3251. Acesso em: 7 mar. 2020 apud KLASSEN, C.; WATKINS, J. Fundamentos em Toxicologia de Casarett e Doull. Porto Alegre: AMGH; 2012.

NAVES, C. P.; DE PAIVA, I. M. R.; FIGUEIREDO, B. M.; MÂNGIA, R. C.; PEREIRA, M. S.; FIGUEIREDO, A. P. Atividade física como terapia auxiliar no tratamento de dependentes químicos. Revista Digital, Buenos Aires, ano 18, n. 180, 2013. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd180/atividade-fisica-no-tratamento-de-dependentes.htm. Acesso em: 2 jun. 2020.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Classificação de transtornos mentais e de comportamentos da CID 10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Tradução Dorgival Caetano. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44461999000200014. Acesso em: 20 abr. 2020.

PAZ, F. M.; COLOSSI, P. M. Aspectos da dinâmica familiar com dependência química. Estudos de Psicologia, Natal, v. 18, n. 4, p. 551-558, out./dez. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/epsic/v18n4/a02v18n4.pdf. Acesso em: 29 maio 2020

PRATTA, E. M. M.; SANTOS, M.l A. O processo saúde-doença e dependência química: interfaces e evolução. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 25, n. 2, p. 203-211, jun. 2009. Disponível em . Acesso em 15 de junho de 2020.

RIGOTTO, S. D.; GOMES, W. Contextos de Abstinência e de Recaída na Recuperação da Dependência Química. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Caxias do Sul, v. 18, n. 1, p. 95-106, Jan./Abr. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ptp/v18n1/a11v18n1.pdf. Acesso em: 21 de maio, 2020

SILVA, A. I. O. P.; ALVES, J. G. S.; BAPTISTA, T. L.; ASSIS, T. A. L. A importância da promoção da saúde no tratamento de dependentes químicos: Relato de experiência. Gep News, Maceió, v. 2, n. 2, p. 81-86, abr./jun. 2018. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/gepnews/article/view/5244. Acesso em: 7 mar. 2020.

SILVA, S. E. D.; PADILHA, M. I. Atitudes e comportamentos de adolescentes em relação à ingestão de bebidas alcoólicas. Revista da Escola de Enfermagem USP, Belem, v. 45, n, 5, p. 1063-1069, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n5/v45n5a05.pdf. Acesso em: 7 mar. 2020.

UNIMED. Dependência química é considerada transtorno mental, alerta psiquiatra: Especialista informa que o apoio da família é fundamental no processo de recuperação do paciente. Cuiaba: Unimed Cuiaba, 11 fev. 2016. Disponível em: https://www.unimed.coop.br/web/cuiaba/noticias/dependencia-quimica-e-considerada-transtorno-mental-alerta-psiquiatra. Acesso em: 11 ago. 2020.

UNODC. Escritório das nações unidas sobre drogas e crime. Relatório Mundial sobre Drogas. Viena, 2019. Disponível em: https://www.unodc.org/lpo-brazil/pt/frontpage/2019/06/relatrio-mundial-sobre-drogas-2019_-35-milhes-de-pessoas-em-todo-o-mundo-sofrem-de-transtornos-por-uso-de-drogas--enquanto-apenas-1-em-cada-7-pessoas-recebe-tratamento.html. Acesso em: 7 mar. 2020.

VENTURI, G. Consumo de drogas, opinião pública e moralidade: motivações e argumentos relacionados ao uso. Tempo social, São Paulo, v. 29, n. 2, p. 159-186, maio 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702017000200159&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 junho 2020.

VIDIGAL, R.; ALMEIDA, F. J. F. Perfil antropométrico de dependentes químicos em tratamento na casa de acolhida- chácara São Miguel Arcanjo. Revista Ceuma Perspectivas, São Luís, v. 28, n. 2, p. 01-08, 2016. Disponível em: http://www.ceuma.br/portalderevistas/index.php/RCCP/article/view/49. Acesso em: 7 mar. 2020.

WERNECK, F. Z.; BARA FILHO, M. G. B.; RIBEIRO, L. C. S. Mecanismos de melhoria do humor após o exercício: Revisitando a hipótese das endorfinas. Revista brasileira de Ciência e Movimento, São Paulo, v.13, n. 2, p. 135-144, 2005. Disponível em https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/download/634/645. Acesso em: 7 mar. 2020

WORLD DRUG REPORT. A importância da promoção da saúde no tratamento de dependentes químicos: relato de experiência. In: UNODC.

ESCRITÓRIO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DROGAS E CRIME. Relatório Mundial sobre Drogas 2019: 35 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de transtornos por uso de drogas, enquanto apenas uma em cada sete pessoas recebe tratamento. Viena, 26 jun. 2019. Disponível em: https://www.unodc.org/lpo-brazil/pt/frontpage/2019/06/relatrio-mundial-sobre-drogas-2019_-35-milhes-de-pessoas-em-todo-o-mundo-sofrem-de-transtornos-por-uso-de-drogas--enquanto-apenas-1-em-cada-7-pessoas-recebe-tratamento.html. Acesso em: 7 mar. 2020.

ZSCHUCKE, E.; HEINZ, A.; STROHLE, A. ExerciseandPhysicalActivity in theTherapyofSubstance Use Disorders. The Scientific World Journal, Berlin, v. 2012, 2011. Disponível em: https://www.hindawi.com/journals/tswj/2012/901741/. Acesso em: 7 mar. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n4-126

Refbacks

  • There are currently no refbacks.