Antropometria das órbitas e da incisura/forame supraorbital em crânios secos provenientes da Região Centro-Oeste do Brasil / Anthropometry of orbits and supraorbital notch/foramen in dry skulls from the midwest Region of Brazil

Natalia Santana Ferrareto, Amanda Soares Pimenta, Kelly Regina Torres da Silva, Pablo Felipe de Almeida, Aline Rafaela da Silva Rodrigues Machado, André Valério da Silva

Abstract


A órbita é uma abertura na parte anterior do crânio, envolvendo sete ossos em suas paredes: frontal, zigomático, maxilar, palatino, lacrimal, esfenóide e etmóide; fissuras orbitais superior e inferior e o canal óptico. O estudo busca compartilhar com o âmbito anatômico e com a clínica médica, um conjunto de dados e análises acerca da órbita e estruturas. Uma vez que somente a prevenção e o conhecimento das áreas de risco podem assegurar bons resultados e baixos índices de complicações, almeja-se corroborar com a edificação de futuras pesquisas que envolvam tal temática, que poderão proporcionar benefícios ao corpo social acometido por afecções orbitárias. O objetivo do presente estudo foi analisar os aspectos antropométricos de órbitas em crânios secos da região Centro-Oeste do Brasil, bem como analisar a incidência da incisura/forame supraorbital e mensurar a sua posição a partir da estimativa mediolateral em crânios secos. Ademais, se há uma relação da sua existência e da sua posição entre os sexos. Foram utilizados 108 crânios do acervo do Laboratório de Anatomia da UFMS CPTL, divididos em sexos masculino e feminino. Com o auxílio de um paquímetro foram avaliados a morfometria de 92 órbitas no sentido médio-lateral (ML): do ektokonchion (ponto localizado na borda externa da órbita) até a sutura maxilofrontal, e dorsoventral (DV): medida perpendicularmente aos pontos utilizados para avaliação da largura. Além disso, analisou-se a incidência da incisura/forame supraorbital, e foram avaliados a distância médio-nasal (MN): do ponto médio da incisura/forame até a linha mediana do crânio (acima do osso nasal) e médio-lateral (MLa): do ponto médio até o processo zigomático do osso frontal. Os resultados foram descritos em médias, feminino: órbita direita ML 37,53 mm, DV: 34,9 mm; esquerda ML: 37,73 mm, DV: 34,48 mm; masculino: órbita direita ML: 38,63 mm, DV: 35,58 mm; esquerda ML: 38,85 mm, DV: 35,13 mm. Na análise comparativa entre as médias dos grupos (teste t), notamos diferença significativa na distância ML direita (p = 0,006) e esquerda (p = 0,009), distância DV apresentou diferença na órbita esquerda (p = 0,004), direita (p = 0,400). Os resultados de prevalência em 92 crânios demonstram que em órbitas femininas direita: 31 possuem incisuras e 9 forames; esquerdas: 33 incisuras e 7 forames; em órbitas masculinas direitas: 40 incisuras e 11 forames; órbitas esquerdas: 39 incisuras e 12 forames. Um crânio masculino possui forame e incisura em ambas as órbitas. Os valores referentes a mensuração foram tabulados e analisados estatisticamente, onde encontramos diferença estatística principalmente ao que corresponde a sua posição na órbita esquerda quando comparados entre os grupos. Assim, foi possível identificar divergência entre as dimensões encontradas nas órbitas e entre os grupos. Os estudos estatísticos evidenciaram medidas mais expressivas nas estruturas orbitárias esquerdas, em todos os pontos analisados. A avaliação estrutural da órbita e suas regiões anexas é de extrema relevância para o cirurgião, clínico, oftalmologista, radiologista e anatomistas.


Keywords


Incisura, Órbita, Crânio, Neuroanatomia.

References


APINHASMIT W; Chompoopong S; Methathrathip D; SansukR, Phetphunphiphat W: Supraorbital Notch/Foramen, Infraorbital Foramen and Mental Foramen in Thais: Anthropometric Measurements and Surgical Relevance. Thailand, J Med Assoc Thai Vol. 89 No. 5 2006.

BISWAS, Saswata et al. Observations on Symmetry and Sexual Dimorphism from Morphometrics of Foramen Magnum and Orbits In Adult Bengali Population. Journal Of Indian Academy Of Forensic Medicine, [s.l.], v. 37, n. 4, p.346-351, 2015. Diva Enterprises Private Limited.

Caldeira J. V. C, De Lima Godas A. G, De Almeida Carvalho G. B., Da Silva K. R. T, Da Silva Rodrigues Machado A. R., De Almeida P. F. Da Silva, A. V. Mensuração do forame jugular em crânios secos provenientes da região centro-oeste do Brasil. Brazilian Journal of Health Review,v. 3, n. 5, p. 14614-14628 set/out. 2020.

CHUNG, M.s. et al. Locational Relationship of the Supraorbital Notch or Foramen and Infraorbital and Mental Foramina in Koreans. Cells Tissues Organs, [S.L.], v. 154, n. 2, p. 162-166, 1995. S. Karger AG.

De Lima Godas, A. G., Caldeira, J. V. C., de Almeida Carvalho, G. B., Mateus, G. B. L., Tonelli, L. B., da Silva, K. R. T., & da Silva, A. V. (2020). Avaliação da incidência do forame de Vesálius (forame emissário esfenoidal) em crânios secos provenientes da região centro-oeste do Brasil. Brazilian Journal of Health Review, 3(4), 8475-8487.

FELTEN, David L.; SHETTY, Anil N. Netter's Atlas of Neuroscience. 2. ed. Philadelphia, PA: Saunders Elsevier, 2010. 457 p.

FORNARINO, Stefania et al. Early impairment of somatosensory evoked potentials in very young children with achondroplasia with foramen magnum stenosis. Developmental Medicine & Child Neurology, [s.l.], v. 59, n. 2, p.192-198, 16 set. 2016. Wiley.

GRAY, Henry. Anatomia: A base anatômica da prática clínica. 40. ed. Rio de Janeiro: Elsevier Editora Ltda, 2011. Do original: Gray's Anatomy.

KUHNEN, Ricardo Beckhauser et al. Fraturas de orbita: sinais e sintomas baseabos nas estruturas anatômicas envolvidas. International Journal Of Dentistry, Recife, v. 1, n. 1, p.20-24, jan./mar. 2006.

LEON-ARIZA, Daniel S. et al. Key Aspects in Foramen Magnum Meningiomas: From Old Neuroanatomical Conceptions to Current Far Lateral Neurosurgical Intervention. World Neurosurgery, [s.l.], v. 106, p.477-483, out. 2017. Elsevier BV.

MARQUES, Stephanie Araujo et al. Prevalência do forame e incisura supraorbital em crânios secos de adultos e sua relação com o sexo. In: 18ª SEMANA DE PESQUISA DA UNIVERSIDADE TIRADENTES. “A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR ALIMENTADO A CIÊNCIA”., 18., 2016, Aracaju. Anais 2016: 18ª Semana de Pesquisa da Universidade Tiradentes. “A prática interdisciplinar alimentado a Ciência”. Aracaju: Universidade Tiradentes, 2016. p. 1-3.

NATSIS, K. et al. A morphometric anatomical and comparative study of the foramen magnum region in a Greek population. Surgical And Radiologic Anatomy, [s.l.], v. 35, n. 10, p.925-934, 26 abr. 2013. Springer Nature.

OSUNWOKE, E.; OLADIPO, G. Morphometric analysis of the foramen magnum and jugular foramen in adult skulls in southern Nigerian population. American Journal Of Scientific And Industrial Research, [s.l.], v. 3, n. 6, p.446-448, dez. 2012. Science Hub.

PALERMO, Eliandre Costa. Anatomia da região periorbital. Surg Cosmet Dermatol, São Paulo, Sp, v. 5, n. 3, p.245-256, set. 2013.

PIRES, Lucas A. S. et al. Morphometric aspects of the foramen magnum and the orbit in Brazilian dry skulls. International Journal Of Medical Research & Health Sciences. Rio de Janeiro, p. 34-42. jan. 2016.

PIRES L., TEIXEIRA A., LEITE T., BABINSKI M., CHAGAS C. Morphometric aspects of the foramen magnum and the orbit in Brazilian dry skulls. Int J Med Res Health Sci. 2016; 5(4): 34-42.

RIJKEN, Bianca F.m. et al. The formation of the foramen magnum and its role in developing ventriculomegaly and Chiari I malformation in children with craniosynostosis syndromes. Journal Of Cranio-maxillofacial Surgery, [s.l.], v. 43, n. 7, p.1042-1048, set. 2015. Elsevier BV.

ROCHA, José Rodrigo Mega. Avaliação da simetria de dimensões lineares em Órbitas de crânios humanos secos. Clin. Pesq. Odontol., Curitiba, v. 2, n. 3, p. 195-201, jan. 2006.

SAMARA, Osama A. et al. Morphometric Analysis of the Foramen Magnum. International Journal Of Morphology, [s.l.], v. 35, n. 4, p.1270-1275, dez. 2017. SciELO Comision Nacional de Investigacion Cientifica Y Tecnologica (CONICYT).

SOL, Mariano del. Padrões de distribuição da incisura e forame supra-orbitais. Arq. Bras. Oftal., São Paulo, v. 6, n. 52, p. 208-210, jan. 1989.

STRANDRING, Susan. Órbita e aparelho visual acessório. In: STRANDRING, Susan. Gray's Anatomia: Base anatômica da prática clínica. 40. ed. Londres: Elsevier, 2010. Cap. 39. p. 655-674.

TORTORA, Gerard J.. Princípios de Anatomia Humana. 12. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan Ltda, 2013. Tradução de: PRINCIPLES OF HUMAN ANATOMY, TWELFTH EDITION.

WEBSTER, Richard C. et al. SUPRAORBITAL AND SUPRATROCHLEAR NOTCHES AND FORAMINA. The Laryngoscope, [S.L.], v. 96, n. 3, p. 311-315, mar. 1986. Wiley.

YONGUC, G N et al. Assessment of the orbit morphometry on West Anatolian dry skulls. Folia Morphol., Ismir, Turkey, v. 77, n. 1, p. 105-109, jan. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n4-076

Refbacks

  • There are currently no refbacks.