O profissional de educação física na reabilitação com pessoas pós acidente vascular cerebral / The physical education professional in rehabilitation with people after brain vascular accident

Déborah Lopes de Souza

Abstract


O respectivo estudo possui por intencionalidade oferecer significativas reflexões acerca do papel do Profissional de Educação Física no que se refere a reabilitar pessoas no Pós AVC (Acidente Vascular Cerebral). Assim, o objetivo geral desse trabalho culmina em compreender como os exercícios físicos podem melhorar e ajudar as pessoas que tiveram AVC.  Partindo dessas considerações, esse estudo se justifica sob a intenção de fomentar a sociedade como um todo, demonstrando como pessoas que foram acometidas por AVC podem contar com o auxílio de um profissional de Educação Física, levando-se em consideração os conhecimentos técnicos que ele poderá propiciar para melhorar a qualidade de vida desses pacientes no Pós AVC. Assim, para auxiliar na metodologia desse trabalho, optou-se por uma pesquisa exploratório-bibliográfica, frente ao amparo das obras de autores que contribuíram para a sustentação desse estudo. Ao término desse estudo, pode-se concluir o quão o profissional de Educação Física, pode contribuir tanto para a reabilitação com pessoas pós-AVC, quanto melhorar sua qualidade de vida.


Keywords


Educação Física. AVC. Reabilitação. Qualidade. Vida.

References


ÁVILA, A. L. V. Tratamento não-farmacológico da síndrome metabólica: abordagem do nutricionista. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo - São Paulo, SP; v.14, n.4, 2004.

CHONG, Ji Y. Acidente Vascular Cerebral Isquêmico. Manual MDS – Versão Saúde para a Família. 2021. Disponível em: . Acesso em: 20 de Mai. 2021.

BALDIN, Alexandre Duarte. Atividade física e acidente vascular cerebral. São Paulo: Rev. Eletrônica de Jornalismo Científico Com Ciência. Pág. 01-03, UNICAMP, 2009.

BRUNNER, E. J et al., Aconselhamento dietético para reduzir o risco cardiovascular. Banco de dados Cochrane de revisões sistemáticas. Vol. 4. 2007.

CASPERSEN, Carl J. et al.PhysicalActivity, Exercise, andPhysical Fitness: DefinitionsandDistinctions for Health-RelatedResearch. Public Health Reports.March-April 1985, Vol. 100, n. 2, p. 126-131. Disponível em: . Acesso em: Acesso em: 23 de Set. de 2020.

CASTRO, Renata Rodrigues Teixeira de et al. Arquivos brasileiros de cardiologia. 2005. Disponível em: . Acesso em: 13 de Jun. 2021.

CIOLAC, Emmanuel Gomes. GUIMARÂES, Veiga Guimarães. Exercício físico e síndrome metabólica. Ver. Bras Med Esporte _ Vol. 10, Nº 4 – Jul/Ago, 2004. Disponível em: . Acesso em: 10 de Out. de 2020.

COELHO, Christianne de Faria; BURINI, Roberto Carlos. Atividade física para prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e da incapacidade funcional. Rev. de Nutrição. p. 937-946, 2009.

DE FERRANTI, Sarah D; OSGANIAN, Stavroula K. Epidemiologyofpaediatricmetabolicsyndromeandtype 2 diabetes mellitus. Diabetes and Vascular DiseaseResearch, v. 4, n. 4, p. 285- 296, 2007.

FYDRISZEWSKI, Gabriela. O Papel Do Profissional De Educação Física Na Recuperação De Indivíduos Infartados: Opinião De Médicos Cardiologistas. Santa Rosa – RS. 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 de Jun. 2021.

GARDENGHI, Giulliano; DIAS, Fernanda Dutra, Reabilitação cardiovascular em pacientes cardiopatas. Revista online Integração, 2007.

GODOY, Milton, (Org.); I Consenso Nacional De Reabilitação Cardiovascular (Fase Crônica). Arquivos Brasileiros de Cardiologia Outubro de 1997 - Volume 69 - Número 4.

HCOR – Associação Beneficente Síria. HCor recomenda a prática de atividade física contra o AVC. 2017. Disponível em: .Acesso em: 26 de Mai. 2021.

KAHN, R et al.The metabolicsyndrome time for a criticalappraisal. Joint statementfrom The American Diabetes AssociationandtheEuropeanAssociationfotheStudyof Diabetes.Diabetologia, v. 48, n.9, p.684-99, 2005.

MACIEL JR, J.A. Como enfrentar o derrame cerebral. Campinas, SP: ícone, 1991.

MEDINA, Fábio. Você sabe a diferença entre atividade física e exercício físico? Disponível em: . Acesso em: 23 de Out. de 2020.

MEKHITARIAN, Pedro. Hipertensão: O que é, causas e como identificar pressão alta.Rev. Minha Saúde. São Paulo. 2020.Disponível em:. Acesso em: 13 de Out. de 2020.

OLIVEIRA E.P; SOUZA, M.L.A; LIMA M.D.A. Prevalência de síndrome metabólica em uma área rural do semiárido baiano. Arquivos Brasileiros Endocrinologia Metabologia vol.50 n°.3 São Paulo Junho. 2006.

OMS. Organização Mundial de Saúde. 1999.STEPS de Acidentes Vascular Cerebrais da OMS: enfoque passo a passo para a vigilância de acidentes vascular cerebrais. Genebra, Organização Mundial da Saúde.

QUERIQUERI, Elisângela. Acidente Vascular Cerebral (AVC) e Atividade Física. Campinas .2010. Disponível em: . Acesso em: 25 de Nov. 2020.

ROTHWELL, P. M et al., A simple score (ABCD) toidentifyindividualsat high earlyriskofstrokeaftertransientischemicattack. Lancet. Vol. 366. p.29-36. 2005.

TORTORA, J. G. Corpo humano: fundamentos de anatomia e fisiologia humana. 8ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2012.

VASCONCELOS, F. V. A et al.Exercício físico e síndrome metabólica. Revista HUPE, Rio de Janeiro, 2013;12(4):78-88 doi:10.12957/rhupe.2013.8715. Disponível em: . Acesso em: 20 de Out. de 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n4-048

Refbacks

  • There are currently no refbacks.