Análise das condições de qualidade das amostras vegetais mais comercializadas nas barracas informais de feiras livres do Distrito Federal/ Analysis of the quality conditions of the most commercialized vegetable samples in the informal stalls of free markets in the Federal District

Aracelly Gomes Pierote Freitas, Guizelle Aparecida de Alcântara

Abstract


Objetivo: avaliar as condições de armazenamento, rotulagem e identificação botânica das amostras vegetais mais comercializados nas feiras livres das seguintes cidades do Distrito Federal (DF): Taguatinga Sul, Taguatinga Norte, Guará e Vicente Pires, no intuito de observar os fatores de riscos gerados à saúde do consumidor. Materiais e Métodos: as amostras analisadas foram: folhas de Peumus boldus Molina (Boldo); partes aéreas (haste) da Equisetum arvense L. (Cavalinha); flores secas de Hibiscus sabdariffa L (Hibiscos); entrecasca da Quassia amara L. (Pau-tenente); semente da Pterodon emarginatus (Sucupira). Portanto, quarenta amostras vegetais foram analisadas no laboratório de microscopia do Centro Universitário ICESP – Campus Águas Claras – DF. Resultados: as amostras não possuem rótulo e folheto informativo que venha a identificá-las. Conclusão: om base nos resultados obtidos, mostra-se a necessidade de uma fiscalização mais precisa na comercialização dos produtos vegetais, a fim de que se cumpram as exigências das leis regulamentares para garantir a venda e consumo de produtos vegetais com qualidade.


Keywords


Botanical identification., Labels. Storage, Vegetable Products.

References


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política e Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica. – Brasília: Ministério da Saúde, (2016). [Acesso em 03-04-2019]. Disponível em: .

Souza GFM, Silva MRA, Mota ET, Torre AM, Gomes JP. 2016. Plantas medicinais x raizeiros: uso na odontologia. Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-Fac., Camaragibe v.16, n.3, p. 21-29, jul./set. 2016 Brazilian Journal of Oral and Maxillofacial Surgery – BrJOMS. Acesso em: 02/02/200. Disponível em: http://revodonto.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1808-52102016000300004&script=sci_arttext.

Brasil. Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal - Emater-DF. Cartilha de Plantas Medicinais. 2015. [Acesso em 03-04-2019]. Disponível em: http://www.emater.df.gov.br/wp-content/uploads/2018/06/cartilha_plantas_medicinais_menor.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Uso de fitoterápicos e plantas medicinais cresce no SUS (2016). Disponível em:. Acesso em: 25/04/18.

Santos RL, Nobre MSC, Guimarães GP, Dantas TB, Vieira KVM, Felismino DC, Dantas IC. 2013. Contaminação fúngica de plantas medicinais utilizadas em chás. Universidade Estadual da Paraíba. Rev Ciênc Farm Básica Apl., 2013;34(2):289-293 ISSN 1808-4532. Disponível em: http://serv-bib.fcfar.unesp.br/seer/index.php/Cien_Farm/article/view/2338/1415.

Brasil. Lei nº 5.991, de dezembro de 1973. Dispõe sobre o controle sanitário do comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, e dá outras providências. 1973. Disponível em: http://www.cff.org.br/pagina.php?id=427&titulo=Lei+5991%2F73+-+Disp%C3%B5e+sobre+o+Controle+Sanit%C3%A1rio+do+Com%C3%A9rcio+de+Drogas%2C+Medicamentos%2C+Insumos+Farmac%C3%AAuticos+e+Correlatos

Pinto FO. 2016. O uso e diversidade de plantas medicinais do cerrado comercializadas nas feiras populares na região administrativa de Ceilândia - Distrito Federal. Brasília.

Amaral FMM, Coutinho DF, Ribeiro MNS & Oliveira MA. 2003. Avaliação da qualidade de drogas vegetais comercializadas em São Luís/Maranhão. Rev. Bras. Farmacogn., v. 13, supl., p. 27-30. ISSN: 0102-695X.

Nascimento VT, Lacerda EU, Melo JG, Lima CSA, Amorim ELC, Albuquerque UP. 2005. Controle de qualidade de produtos à base de plantas medicinais comercializados na cidade do Recife-PE: erva-doce (Pimpinella anisum L.), quebra-pedra (Phyllanthus spp.), espinheira santa (Maytenus ilicifolia Mart.) e camomila (Matricaria recutita L.). Rev. Bras. Plantas Med. Fev; 7(3):56-64.

Brasil. Farmacopeia Brasileira, 6ª edição, volume 2 / Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa, 2019.

Silva FC, Ribeiro AB, Ribeiro PRS. 2017. Avaliação da qualidade de plantas medicinais comercializadas no município de Imperatriz, Maranhão. Scientia Plena 13, 024501.

Leal-Costa MV, Teodoro FS, Barbieri C, Santos LFU, Sousa AL. 2018. Avaliação da qualidade das plantas medicinais comercializadas no Mercado Municipal de Campos dos Goytacazes-RJ. Revista Fitos. Rio de Janeiro. 12(2): 127-134 | e-ISSN: 2446-4775 | .

Araújo AC, Fernandes AP, Lira CF, Araújo AC. 2017. Caracterização socioeconômico cultural e procedimentos pós- colheita de plantas medicinais comercializadas por raizeiros em quatro cidades do Rio Grande Do Norte. HOLOS, vol. 7, 2017, pp. 225-237. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Natal, Brasil. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4815/481554852017.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada – RDC Nº 10 de 09 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (AVISA) e dá outras providências. [Acesso em: 18/08/2018]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2010/res0010_09_03_2010.html

Colet C.F, Dal Molin G.T, Cavinatto A.W, Baiotto C.S & Oliveira K.R. 2015. Análises das embalagens de plantas medicinais comercializadas em farmácias e drogarias do município de Ijuí/RS. Rev. Bras. Pl. Med., Campinas, v.17, n.2, p.331-339.

Lima I.E.O, Nascimento L.A.M, Silva M.S. 2016. Comercialização de Plantas Medicinais no Município de Arapiraca-AL. Universidade Estadual de Alagoas – UNEAL/Campus I. Rev. Bras. Pl. Med., Campinas, v.18, n.2, p.462-472.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n4-042

Refbacks

  • There are currently no refbacks.