Implantação do protocolo de sepse em uma instituição hospitalar de grande porte em Belo Horizonte - Minas Gerais / Implementation of the sepsis protocol in a large hospital in Belo Horizonte - Minas Gerais

Alexandre da Silveira Sete, Vania Regina Goveia, Adriane Vieira

Abstract


O objetivo deste estudo foi analisar a implantação e a adesão ao protocolo de sepse pelas equipes de enfermagem e médica nas Unidades de Urgência Emergência, Internação e Terapia Intensiva de um hospital de grande porte de Belo Horizonte/MG. Trata-se de um estudo de caso com realização de 35 entrevistas, envolvendo 5 médicos e 30 enfermeiros. Os dois grupos de profissionais entrevistados concordam quanto a contribuição do protocolo para a acelerar da identificação precoce dos sinais e dos sintomas, empoderando a equipe a agir em situações que podem se tornar críticas, no entanto, foi identificada a necessidade de o protocolo ser mais bem divulgado entre os membros da equipe multidisciplinar, especialmente entre os médicos residentes. Os relatos indicam também que os profissionais, quando mobilizados e valorizados, se tornam mais conscientes e responsáveis no ato de cuidar e aprender, capazes de transformar a realidade, mudando a si próprios no processo de ensino-aprendizagem. Conclui-se que a redução da incidência da sepse nas instituições hospitalares demanda avaliação clínica e assistência sistematizada, associada à implantação de um projeto estrutural, envolvendo equipes multidisciplinares capacitadas.


Keywords


Sepse, Fatores de risco, Infecção, Administração hospitalar, Protocolos clínicos

References


AZEVEDO, L. C. P. et al. A sepse é um grave problema de saúde na América Latina: uma chamada à ação! Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 30, n. 4, p. 402-404, dez. 2018.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de vigilância em saúde. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: Acesso em: 20 jun. 2021.

DELLINGER, R. et al. Campanha de sobrevivência à sepse: Diretrizes internacionais para tratamento de sepse grave e choque séptico: 2012. CCM Journal. v.14, n.2, p.567-571, 2013.

GONÇALVES, J. S. et al. Mortalidade hospitalar e após alta em pacientes com sepse admitidos em Unidade de Terapia intensiva. Brazilian Journal of Health Review, v. 2, n. 4, p. 3461-3472, 2019.

ILAS - INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE. Sepse: um problema de saúde pública. Brasília: CFM, 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2021.

ILAS - INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE. Implementação do protocolo gerenciado de sepse: protocolo clínico. 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2021.

MEDEIROS, A. P. et al. Implementação de um protocolo clínico gerenciado de sepse grave e choque séptico. Revista Qualidade HC, v. 10, n. 5, p. 1-12, 2015.

OLIVEIRA, S.A. et al. Ferramentas gerenciais na prática de enfermeiros da atenção básica em saúde. Revista Administração e Saúde, v. 17, n. 69, 2017.

PANTOJA, L. C. M; RÊGO, H. C. L. J.; LIMA, V. L. de A. Aplicação de tecnologia educativa na sensibilização do protocolo de sepse em unidade de tocoginecologia. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental (Online), p. 921-924, 2019.

PIMENTA, C. A. M. et al. Guia para construção de protocolo assistencial de enfermagem. São Paulo: COREN-SP, 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2021.

QUADRADO, E. R. S.; TRONCHIN, D. M. R. Evaluation of the identification protocol for newborns in a private hospital. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 20, n. 4, p. 659-667, 2012.

SAAR, S. R. C.; TREVIZAN, M. A. Papéis profissionais de uma equipe de saúde: visão de seus integrantes. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 15, n. 1, p. 106-112, 2007.

SILVA, T. M. da et al. Atualizações em Sepse como facilidade de diagnóstico precoce: um relato de caso. Brazilian Journal of Health Review, v. 2, n. 5, p. 3950-3956, 2019.

SILVA, L.S.; NATAL, S. Residência multiprofissional em saúde: análise da implantação de dois programas pela Universidade Federal De Santa Catarina, Brasil. Trabalho, Educação e Saúde, v. 17, n. 3, 2019.

SOUZA, A. P. C; GARCIA, R. A. de S.; SILVA NETO, M. F. Assistência de enfermagem em unidade de terapia intensiva nas alterações sistêmicas causadas pela sepse. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 5, p. 11398-11404, 2020.

SOUSA-MUÑOZ, R. L. et al. Conhecimento do consenso de sepse por médicos residentes de um hospital universitário. Revista de Saúde, v. 9, n. 2, p. 09-15, 2018.

WERNECK, M. A. F.; FARIA, H. P.; CAMPOS, K. F. C. Protocolos de cuidado à saúde e de organização do serviço. Belo Horizonte: Nescon UFMG/Coopmed, 2009.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015. 212 p.

ZONTA, F. N. S. et al. Características epidemiológicas e clínicas da sepse em um hospital público do Paraná. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, Santa Cruz do Sul, v. 8, n. 3, p. 224-231, jun. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n4-037

Refbacks

  • There are currently no refbacks.