Avaliação da mortalidade por COVID-19 no Brasil/ COVID-19 mortality assessment in Brazil

Diogo Leonardo Santos Silva, Kádla Jorceli Gomes Rafael, Josefa Eucliza Casado Freires da Silva, André Alan Santos Silva, Maria Heloyse de Lima Monteiro, Samira Maria Belarmino da Silva, Letícia de Oliveira Silva, Larissa Soares Mariz Vilar de Miranda

Abstract


A COVID-19 trata-se de uma doença respiratória aguda causada por infecção pelo novo coronavírus. O vírus induz complicações patológicas no organismo humano, como por exemplo, a dificuldade respiratória aguda grave, podendo resultar em óbito. A disseminação do novo coronavírus fez com que a Organização Mundial da Saúde, no dia 11 de março de 2020, instituísse a COVID-19 como uma pandemia. Diante disso, foi objetivo deste trabalho avaliar as taxas de mortalidade causadas pela COVID-19 nas cinco regiões do Brasil, bem como nos estados da região que apresentou maior taxa de mortalidade neste estudo, no período de fevereiro a agosto de 2020. Metodologicamente, foram coletados dados epidemiológicos referentes ao número de habitantes, óbitos e a taxa de mortalidade por 100.000 habitantes referentes à COVID-19 nas cinco regiões brasileiras, bem como nos estados da região com maior taxa de mortalidade a partir da plataforma Coronavírus Brasil (Ministério da Saúde – Brasil). As maiores taxas de mortalidade foram registradas na região Norte (68,74) e na região Nordeste (56,27). Os estados da região Norte com maior taxa de mortalidade registrada foram Roraima (93,76) e Amazonas (83,55). Diante disso, conclui-se que, a gravidade da crise sanitária enfrentada pelo Brasil neste período pode esta diretamente relacionada com o contexto socioeconômico de cada região ou estado. Sendo assim, são necessárias medidas e diretrizes direcionadas à promoção de maior acessibilidade às populações das regiões e estados menos favorecidos economicamente.


Keywords


Coronavírus, COVID-19, Pandemia, SARS-CoV-2, Síndrome respiratória.

References


BARRETO, M. L. et al. (2020). O que é urgente e necessário para subsidiar as políticas de enfrentamento da pandemia de COVID-19 no Brasil?. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 23, e200032. DOI: 10.1590/1980-549720200032.

BAZO PAZ, A. P. et al. (2013). MORTALITY FROM CERVICAL CANCER IN SANTA CATARINA, BRAZIL, 2000-2010. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, v. 5, n. 2, p. 3780-3787. DOI: 10.9789/2175-5361.2013v5n2p3780.

BRASIL. Ministério da Saúde (2020a). Covid-19 no Brasil. Brasília-DF. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde (2020b). O que é COVID 19. Brasília-DF. Disponível em: . Acesso em: 14 de set. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde (2021). Guia de vigilância epidemiológica: emergência de saúde pública de importância nacional pela doença pelo coronavírus 2019 – covid-19. 3 ed. Brasil: Brasília. Disponível em: https://www.conasems.org.br/wp-content/uploads/2021/03/Guia-de-vigila%CC%82ncia-epidemiolo%CC%81gica-da-covid_19_15.03_2021.pdf. Acesso em 07 jun. 2021.

DA SILVA, H. H. C.; DAS GRAÇAS SANTOS DIAS, M. (2020). NARRATIVAS SOBRE A PANDEMIA POR COVID 19 NOS ESTADOS DO AMAZONAS E RORAIMA. Somanlu: Revista de Estudos Amazônicos, v. 1, n. 1, p. 33-49.

DA SILVEIRA MOREIRA, R. (2020). COVID-19: unidades de terapia intensiva, ventiladores mecânicos e perfis latentes de mortalidade associados à letalidade no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, v. 5, p. e00080020. DOI: 10.1590/0102-311X00080020.

DE SOUZA, C. D. F. et al. (2020). Evolução espaçotemporal da letalidade por COVID-19 no Brasil, 2020. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 46, n. 4, p. e20200208. DOI: 10.36416/1806-3756/e20200208.

DE SOUZA OLIVEIRA, E.; DE MORAIS, A. C. L. N. (2020). COVID-19: uma pandemia que alerta à população. Interamerican Journal of Medicine and Health, v. 3, p. e202003008.

DO BÚ, E. A. et al. (2020). Representações e ancoragens sociais do novo coronavírus e do tratamento da COVID-19 por brasileiros. Estudos de Psicologia (Campinas). v. 37, p. e200073. DOI: 10.1590/1982-0275202037e200073.

FONTELLES, M. J. et al. (2009). METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA: DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE UM

PROTOCOLO DE PESQUISA. Revista paraense de medicina, v. 23, n. 3.

HALLAL, P. C. et al. (2020). Evolução da prevalência de infecção por COVID-19 no Rio

Grande do Sul, Brasil: inquéritos sorológicos seriados. Ciência & Saúde Coletiva, v. 25, supl. 1, p. 2395-2401. DOI: 10.1590/1413-81232020256.1.09632020.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) (2017a). Brasil. Rio de Janeiro: Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 14 de set. de 2020.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) (2017b). Divisão Regional do Brasil. Rio de Janeiro: Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 14 de set. 2020.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) (2020). Divisão Territorial. Rio de Janeiro: Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 03 de out. 2020.

LOGUNOV, D. Y. et al. (2020). Safety and immunogenicity of an rAd26 and rAd5 vector-based heterologous prime-boost COVID-19 vaccine in two formulations: two open, non-randomised phase 1/2 studies from Russia. The Lancet, v. 396, n. 10255, p. 887-897. DOI: 10.1016/S0140-6736(20)31866-3.

MENDONÇA, F. D. et al. (2020). Região Norte do Brasil e a pandemia de COVID-19: análise socioeconômica e epidemiológica. Journal Health NPEPS, v. 5, n. 1, p. 20-37. DOI: 10.30681/252610104535.

OLIVEIRA, U. et al. (2020). Modelagem da vulnerabilidade dos povos indígenas no Brasil ao covid-19. Instituto Socioambiental, p. 8-23.

RACHE, B. et al. (2020). Necessidades de Infraestrutura do SUS em Preparo a COVID- ` 19: Leitos de UTI, Respiradores e Ocupação Hospitalar. Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (São Paulo). Nota técnica. n. 3.

RAMOS, A. R. et al. (2020). Nota Técnica para contribuir ao combate da Covid-19 na terra indígena Yanomami, Fiocruz, p. 1-30. Disponível em: http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/2359. Acesso em: 06 jun. 2021.

WERNECK, G. L.; CARVALHO, M. S. (2020). A pandemia de COVID-19 no Brasil: crônica de uma crise sanitária anunciada. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, n. 5, e00068820. DOI: 10.1590/0102-311X00068820.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n4-032

Refbacks

  • There are currently no refbacks.