Consequências psicológicas da violência doméstica: uma revisão de literatura / Psychological consequences of domestic violence: a literature review

Josenira Catique Pereira, Feliphe Sherwin Silva Teixeira, Carlos Justino Ferreira Neto, Mayara da Silva Diefenbach

Abstract


O Brasil ainda possui altos índices de casos de violência domestica, sendo a violencia sexual contra as mulheres frequente e relevante. violencia, que em sua maioria são praticadas por pessoas da própria família ou parentes próximos e, em alguns desses casos, não são registradas queixas nos órgãos de segurança pública. A falta de registro acontece porque a vítima sofre todo tipo de violencia, como por exemplo o estupro, a violência psicológica através de ameaças de morte contra a própria pessoa ou alguém da família, o que acabou resultando no silêncio do caso. A Violência Sexual é uma cultura praticada com altos índices por homens no Brasil, levando em consideração este problema É questão de saúde pública, assim, foram criadas  políticas públicas com a intenção de diminuir essa prática. O presente estudo tem como objetivo apresentar o contexto historico da violencia contra mulher e suas consequencias psicologicas. Sendo utilizado como metodologia A pesquisa  bibliográfica pela possibilidade de analisar referências e estudos já publicados. As buscas foram realizadas nas bases de dados: Literatura Latino-Americana em Ciência e Saúde e Scientific Electronic Library Online E, Cartilhas do Ministério da Saúde. Sendo concluído com a analise dos estudos selecionados que a violência sexual contra a mulher é um problema de saúde pública que afeta a saúde da mulher. Portanto, é necessária a inclusão de inúmeras medidas de políticas públicas que possam acolher e assegurar o direito das mulheres. Isso se explica, pois os problemas psicológicos, sociais geram grande impacto na vida dessas vítimas.


Keywords


Violência Domestica, Consequências Psicológicas, Mulher.

References


ADAMES, Bruna, URNAU, Simoni, SESTI, Ana Paula. Acolhimento psicológico para mulheres vítimas de violência conjugal. Minas Gerais, Abril/Junho, 2018.

ALMEIDA TELES, Maria Amélia; DE MELO, Mônica. O que é violência contra a mulher. Brasiliense, 2017.

ALMEIDA, A. N. et al. (1999). Famílias e maus tratos às crianças em Portugal. Relatório final. Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Lisboa.

AMARAL COSTA, Carmen Lucia Neves et al. Violência doméstica contra mulher. Caderno de Graduação-Ciências Humanas e Sociais-UNIT-SERGIPE, v. 2, n. 1, p. 71-78, 2014.

BEZERRA, T. M. P. Análise espacial da violência doméstica contra a mulher entre os anos de 2002 e 2005 em João Pessoa, Paraíba, Brasil. Cad. Saúde Pública. v. 28; n. 6, p. 1111-1121, 2012.

BRASIL. Lei n° 11.340 de 7 de Agosto de 2006. Lei Maria d Penha. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 8 ago. 2006.

CANTERA, L. Casais e Violência: Um enfoque além do gênero. Porto Alegre: Dom Quixote, 2007.

COELHO, E; LINDNER, S. Violência: Definições e tipologias. Rev, Programa Atenção a Homens e Mulheres em situação de violência por parceiros íntimos. - UFSC. 32P. 2014.

DAY et al, Violência doméstica e suas diferentes manifestações. R. Psiquiatri, v.25, p.9-21. 2003.

FIGUEIREDO, B. (1998). Maus tratos à criança e ao adolescente: situação e enquadramento da problemática. Psicologia: Teoria, Investigação e Prática. Universidade do Minho, Instituto de Educação e psicologia (3), 5-20.

FONSECA, P; LUCAS, T. Violência doméstica contra a mulher e suas

GARCIA, Leila Posenato et al. Violência contra a mulher: feminicídios no Brasil. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2013.

Gelles, R. (1987). Family vilence (2ªEd.). London Sage Publications.

GHERARDI, Natalia. Violência contra mulheres na América Latina. Revista Internacional de Direitos Humanos, v. 13, n. 24, p. 129-136, 2016.

KRUG, E. G. et al. Relatório mundial sobre violência e saúde. Geneva: World Health Organization, 2002.

LISBOA, Carolina et al. Satisfação com a vida e com a família e violência interpessoal na adolescência. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, v. 10, n. 1, p. 19-28, 2014.

LUCENA, K. D. T.; SILVA, A. T. M. C.; MORAES, R. M.; SILVA, C. C. Machado, C. & Gonçalves, R. A. (2003). Violência e Vítimas de Crimes. Coimbra: Quarteto, 2ª edição. Vol.1 – (pp.45-62).

MARQUES, Emanuele Souza et al. A violência contra mulheres, crianças e adolescentes em tempos de pandemia pela COVID-19: panorama, motivações e formas de enfrentamento. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, p. e00074420, 2020.

MINAYO, MCS. Violência e saúde. Editora FIOCRUZ, Rio de Janeiro, 2006.

NARVAZ, Martha Giudice and KOLLER, Sílvia Helena. Famílias e patriarcado: da prescrição normativa à subversão criativa. Psicol. Soc. [online]. 2006, vol.18, n.1, pp.49-55. ISSN 1807-0310.

Noémia Maria Costa Carvalho. PERFIL PSICOLÓGICO DAS MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E SUAS REPERCUSSÕES. Mestrado em Psicologia Forense e da Transgressão. 2010.

OLIVEIRA, Elisa Rezende. Violência doméstica e familiar contra a mulher: um cenário de subjugação do gênero feminino. Rev LEVS/UNESP-Marília, v. 9, p. 150- 165, 2012.

PAVIANE, J. Conceitos e formas de violência. In: MODENA, M. Conceitos e formas de violência. Caixas do Sul, RS: Educs, 2016. cap I, p. 8-20.

PILLAR, Nanita Esposti. A violência doméstica contra a mulher. 2011.

RAFAEL, Ricardo de Mattos Russo; MOURA, Anna Tereza Miranda Soares de. Violência contra a mulher ou mulheres em situação de violência? Uma análise sobre a prevalência do fenômeno. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 63, n. 2, p. 149-153, 2014.

REZENDE, Milka de Oliveira. Violência contra a mulher. Brasil Escola, 2020.

SANTANA, Selimar, colaboradores. Acolhimento de Enfermagem às pessoas vítimas de Violência Sexual. Revista Brasileira Interdisciplinar de Saúde. Brasilía:DF, pág 37-38, 2019.

SIGNORELLI, M; AUAD, D.; PEREIRA, P.. Violência doméstica contra mulheres e a atuação profissional na atenção primária à saúde: um estudo etnográfico em Matinhos, Paraná, Brasil. Cad. Saúde Pública. v. 29, n. 6, p. 1230- 1240, 2013.

SIQUEIRA, Camila Alves; ROCHA, Ellen Sue Soares. Violência psicológica contra a mulher: Uma análise bibliográfica sobre causa e consequência desse fenômeno. Revista Arquivos Científicos (IMMES), v. 2, n. 1, p. 12-23, 2019.

SOBOLH, T. Violência contra a mulher: a pandemira que não cessa. Veja Saúde, 2020. Disponível em: https://saude.abril.com.br/blog/com-a-palavra/violencia- contra- a-mulher-a-pandemia-que-nao-cessa/ Acessado em: 17/10/2020.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da violência 2015. Homicídio de mulheres no Brasil.Brasília(DF),2015.Disponívelem:https://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf.

XAVIER, Larissa Silva et al. Violência contra a mulher: violência psicológica como pressuposto para as outras formas de violência. In: III Foro Latinoamericano de Trabajo Social (La Plata, Argentina, 2016). 2016.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n4-031

Refbacks

  • There are currently no refbacks.