Qualidade de vida profissional de trabalhadores de saúde que atuam na atenção primária à saúde / Quality of professional life of health workers working in primary health care

Álvaro Ataide Landulfo Teixeira, Helio Alves da Silva, Mariana Stefany Cardoso Nascimento, Karinne Gondim Ribeiro, Laura Katherine Lopes Pereira, Cinara Ferreira Coutinho, Flauci Macedo Júnior, Laudileyde Rocha Mota, Marcell Gonçalves Grillo, Marlete Scremin

Abstract


Objetivo: conhecer os aspectos que influenciam a qualidade de vida no trabalho de profissionais de saúde que atuam nos serviços de atenção primária à saúde. Métodos: foi conduzido um estudo de revisão integrativa de literatura, a busca foi realizada por meio dos descritores estratégia saúde da família, condições de trabalho e qualidade de vida nas bases de dados secundários Biblioteca Virtual em Saúde, Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde e Scientific Electronic Library Online. Resultados: identificou-se 15 artigos elegíveis para o estudo, que após análise dos critérios de inclusão resultaram em 6 artigos. Os resultados foram apresentados por meio de um quadro descritivo e, em seguida, discutidos à luz da literatura. Conclusão:  o trabalho na atenção básica possui variáveis tais como: rotina de trabalho, falta de reconhecimento, relações interpessoais, infraestrutura, maturidade e autonomia profissional, sobrecarga, satisfação, identificação com o trabalho e o trabalho em equipe que influenciam de forma negativa na qualidade de vida profissional dos trabalhadores.

 


Keywords


Atenção Primária a Saúde, Condições de Trabalho, Qualidade de Vida.

References


ALVES, EF. Programas e ações em qualidade de vida no trabalho. Revista Interfacehs., 2011; 6(1): 60-78.

ABREU SA, MOREIRA EA, LEITE SF, TEIXEIRA CC, Malu SILVA E, CANGUSSU L MB, et al. Determinação dos sinais e sintomas da síndrome de burnout através dos profissionais da saúde da santa Casa de caridade de Alfenas nossa senhora do perpétuo socorro. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, 2015; 13(1):204-38.

BATISTA CB, CAMPOS AS, REIS JC & SCHALL VT. Violência no trabalho em saúde: análise em unidades básicas de saúde de Belo Horizonte. Minas Gerais, Trab. Educ. Saúde, 2011; 9(2): 295-317.

BENEFIELD LE. Implementing evidence-based practice in home care. Home Healthc Nurse, 2003; 21(12): 804-11.

BITTENCOURT SM, CALVO CMM, FILHO G, & REGIS IVAN. Qualidade de vida no trabalho em serviços públicos de saúde – um estudo de caso. Revista da Faculdade de Odontologia, 2007; 12(1): 21-26.

BORGES T, BIANCHINI M A. Qualidade de vida dos profissionais de enfermagem de um Hospital Universitário do Interior de São Paulo. Arquivos de Ciências da Saúde. 2015; 22(1): 53-58.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde do Trabalhador. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

BRACARENSE CF, COSTA NS, MARA J, DUARTE G, FERREIRA MBG, SIMÕES ALA ET AL. Qualidade de vida no trabalho: discurso dos profissionais da Estratégia Saúde da Família. Esc. Anna Nery. 2015; 19(4):592-48.

CARVALHO MFS. Gestão de Pessoas: implantando qualidade de vida no trabalho sustentável nas organizações. Revista Científica do ITPAC, 2014; 1(7): 1-7.

DAUBERMANN DC, TONETE VLP. Qualidade de vida no trabalho do enfermeiro da Atenção Básica à Saúde. Acta Paul Enferm. 2012; 25(2):277-83.

DIAS EG, SANTOS AR, SOUZA ES, ARAÚJO MML & ALVES JM. Qualidade de vida no trabalho: vivência de profissionais de saúde de uma Unidade Básica de Saúde de Minas Gerais - Brasil. Cultura de los Cuidados, 2017; 19(2): 159-167.

DIAS EG, SANTOS AR, SOUZA ES, ARAÚJO MML & ALVES JM. Qualidade de vida no trabalho dos profissionais da saúde de uma Unidade Básica de Saúde. Revista Cubana de Enfermería. 2016; 32(4): 1-14.

FERNANDES MA. Riscos ocupacionais e o adoecimento de trabalhadores de saúde de um hospital psiquiátrico do Piauí. [tese]: Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; 2014. 130p.

GEHRING-JUNIOR G, FILHO HRC, NETO JDAV, FERREIRA NA, VIEIRA SVR. . Absenteísmo-doença entre profissionais de enfermagem da rede básica do SUS Campinas. Rev Bras Epidemiol, 2007; 3(10): 401-409.

GOMES JRAA, HAMANN EM, GUTIERREZ UMM. Aplicação do WHOQOL-BREF em segmento da comunidade como subsídio para ações de promoção da saúde. Rev Bras Epidemiol. 2014; 4(1): 95-516.

KOGIEN M, CEDARO JJ. Pronto-socorro público: impactos psicossociais no domínio físico da qualidade de vida de profissionais de enfermagem. Rev Latino-Am. Enfermagem, 2014; 22(1): 51-58.

LIMA AS, FARAH BF, BUSTAMANTE TMT. Análise da prevalência da síndrome de Burnout em profissionais da atenção primária em saúde. Trab. educ. saúde. 2018; 16(1):283-303.

LIMA RAS, Souza AL, Galindo RH & Feliciano KVOl. Vulnerabilidade ao burnout entre médicos de hospital público do Recife. Cien Saude Colet, 2013; 18(4):1051- 58.

MAISSIAT GS, DAIANE LL, DAL DP, TAVARES JP. Contexto de trabalho, prazer e sofrimento na atenção básica em saúde. Rev. Gaúcha Enferm. 2015; 36(2):42-49.

MANA M.L.V. et al. Saúde e bem-estar na atenção primária: avaliação da qualidade de vida dos profissionais da equipe 35 da UBS dr. Délio Borges da Fonseca. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 2, n. 4, p. 3782-3790 jul./aug. 2019.

MARTINS JT. Pleasure and suffering in the nursing group: reflection to the light of Dejour psychodynamics. Rev Esc Enferm USP, 2010; 44(4): 107-111.

MARCITELLI CRA. Qualidade de vida no trabalho dos profissionais de saúde. Rev. Científica de Américalatina, 2011; 4(15): 215-228.

MASCARENHAS CHM, Prado CHM, Fernandes FO, Boery MH, EN & da Silva SEL. Qualidade de vida em trabalhadores da área da saúde: uma revisão sistemática. Revista espaço para saúde, 2013; 14(1): 72-81.

MEDEIROS LFR, FERREIRA MC. Qualidade de Vida no Trabalho: uma revisão da produção científica de 1995-2009. Gestão contemporânea, 2011; 8(9): 9-34.

MEDEIROS SPA, SILVA LC, AMARANTE IM, CARDOSO VG, GHIGNATTI V

MENSCH KM, NAMAN M & SCHIMITH DM. Condições de saúde entre Profissionais da Atenção Básica em Saúde do Município de Santa Maria - RS. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 2016; 20: 115-122.

MUNYEWENDE PO, RISPEL LC & CHIRWA TOBIAS. Positive practice environments influence job satisfaction of primary health care clinic nursing managers in two South African Provinces. Human Resources for Health. 2014; 12(27): 105-203.

NUNES CM, RIZATTO T, MELLEIRO DMM & KURCGANT, P. Satisfação e insatisfação no trabalho na percepção de enfermeiros de um hospital universitário. Rev. Eletr. Enf, 2010; 20(2): 52-57.

POLIT DF, BECK CT. Using research in evidence-based nursing practice. In: Polit DF, Beck CT, editors.Essentials of nursing research. Methods, appraisal and utilization. Philadelphia (USA): Lippincott Williams & Wilkins; 2006; 5:(1) 457-494.

QUADROS AS. Vivendo mais e melhor: qualidade de vida relacionada à saúde. Rev. Bras. Cardiol. Invasiva, 2013; 21(1): 5-6.

RIBEIRO LA, SANTANA LC. Qualidade de vida no trabalho: Fator decisivo para o sucesso organizacional. Revista de Iniciação Científica, 2015; 2(2): 75-96.

SANTOS MFO, OLIVEIRA HJ. Influência de variáveis laborais na qualidade de vida dos anestesiologistas da cidade de João Pessoa. Rev Bras Anestesiol, 2011; 61(3):338-343.

SILVA PSC, RODRIGUES APG, JARA EJ. Qualidade de vida dos profissionais de uma unidade básica de saúde de Florianópolis, Santa Catarina. Rev. G&S. 2015; 6(2): 1647-1662.

SOUSA VFS, ARAUJO TCCF. Estresse ocupacional e resiliência entre profissionais de saúde. Psicol Ciênc Profissão, 2015; 35(3): 900-1.

TELES MAB, BARBOSA MR, VARGAS AMD, GOMES VE, FERREIRA E, FERREIRA, et al. Psychosocial work conditions and quality of life among primary health care employees: a cross sectional study. Health and Quality of Life Outcomes. 2014; 12(72): 19-35.

WALTON RE. Quality of working life: what is it?. Sloan Management. 1973; 1(15): 11-21.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. QUALITY OF LIFE ASSESSMEN (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. Soc Sci Med. 1995; 41(10):1403-95.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n4-020

Refbacks

  • There are currently no refbacks.