O vínculo emocional com animais altera o hábito alimentar de crianças? / Does emotional bonds between animals and children affects the child feeding habits?

Miriam Siqueira Prado, Thaís Fernanda Trombin, Vanessa Aparecida Feijó de Souza, Paula Andrea de Santis Bastos

Abstract


No decorrer dos anos os animais começaram a ocupar um papel mais importante na família, sendo vistos como membro dela. Os animais apresentam diferentes papéis no desenvolvimento dos infantes, observando-se auxílios positivos no desenvolvimento motor, social, afetivo e cognitivo. Entretanto, poucos estudos que demonstram uma relação entre o apego aos animais de estimação e o hábito alimentar das crianças foram encontrados. Foi então realizado um estudo transversal a partir de dois questionários aplicados à 49 pais de crianças na faixa etária entre cinco e oito anos, em que o primeiro questionário abordou o vínculo da criança com o animal de estimação dela, e o segundo questionou sobre o hábito alimentar dos infantes quanto ao consumo de produtos de origem animal e sua frequência. Assim, o objetivo foi verificar o vínculo de crianças entre cinco e oito anos com seu animal de estimação, por meio do auto relato dos pais, e a relação deste vínculo com o consumo de produtos de origem animal. Durante a entrevista os pais participantes mostraram respostas similares, sendo elas intenções do alto vínculo afetivo entre as crianças e seus animais de estimação e a preferência alimentar por consumir produtos de origem animal, essencialmente carne de vaca/porco e frango/peru, além de leite e derivados. Esses resultados sugerem que, apesar da população estudada apresentar um alto vínculo com o animal de estimação, este vínculo não foi suficiente para minimizar ou negativar o consumo de produtos de origem animal, sendo o hábito alimentar das crianças extremamente influenciado pelos pais.


Keywords


Vegetarianismo Infantil, Dieta Seletiva, Vínculo Humano Animal.

References


AMÉRICO, P. M. A.; SCORCINE, C. R. O.; BASTOS, P. A. S. Knowledge of veterinary practitioners of small animals from Baixada Santista on animal welfare. Brazilian Journal of Health Review, v.3, n.2, p.2949-2969, mar./apr. 2020, Curitiba.

ARCHER, J.; IRELAND, J. L. The development and factor structure of a questionnaire measure of the strength of attachment to pet dogs. Anthrozoös, v.24, n.3, p.249-261, 2011.

BADOLATO, E. S. et al. Composição centesimal de ácidos graxos e valor calórico de cinco espécies de peixes marinhos nas diferentes estações do ano. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v.54, n.1, p.27-35, 1994.

BOMBARDELLI, R. A.; SYPERRECK, M. A.; SANCHES, E. A. Situação atual e perspectivas para o consumo, processamento e agregação de valor ao pescado. Arquivos de ciências veterinárias e zoologia da UNIPAR, v.8,n.2, p.181-195, 2005.

ESPOSITO, L. et al. Directions in Human-Animal interaction research: Child development, health and therapeutic interventions. Child Development Perspectives, v.5, n.3, p.205-211, 2011.

FOX, N.; WARD, K. Health, ethics and environment: A qualitative study of vegetarian motivations. Appetite, v.50, n.2-3, p.422-429, 2008.

GARCIA, R. W. D. Reflexos da globalização na cultura alimentar: considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Revista de Nutrição, v.16, n.4, p.483-492, 2003.

HODGSON, K. et al. Pets’ Impact on Your Patients’ Health: Leveraging Benefits and Mitigating Risk. Journal of the American Board of Family Medicine, v.28, n.4, p.526-534, 2015.

HOFFMAN, C. L.; CHEN, P.; SERPELL, J. A.; JACOBSON, K. C. Do dog behavioral characteristics predict the quality of the relationship between dogs and their owners? Human-Animal Interaction Bulletin, v.1, n.1, p.20-37, 2013.

MCNICHOLAS, J.; COLLIS, G. M. Children’s representations of pets in their social networks. Child: Care, Health and Development, v.27, n.3, p.279–294, 2001.

ONISHI, E. Social role of animals assisted education (AAE) in Japan and their tasks. 2017. 8f. Research paper (Human Sciences) Department of Human Sciences, Osaka University – Osaka, 2017.

RAMOS, M.; STEIN, L. M. Desenvolvimento do comportamento alimentar infantil. Jornal de Pediatria, v.76, n.3, p.S229-S237, 2000.

ROTENBERG, S.; VARGAS, S. Práticas alimentares e o cuidado da saúde: da alimentação da criança à alimentação da família. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v.4, n.1, p.85-94, 2004.

SATTLER, S. Kann ein Zoobesuch zu umweltrelevanten Bildungszielen beitragen? 2016. 192 f. Dissertation (PhD in natural resources) – Biology college, Chemistry and Earth sciences, Universität Bayreuth, Bayreuth, 2016.

SEGATA, J. A agência de um projeto, o paraíso vegetariano e outros inconvenientes com a humanidade dos animais de estimação na antropologia. Revista Anthropológicas, v.24, n.1, p.45-65, 2013.

SERPELL, J. Guest Editor’s Introduction: Animals in Children’s Lives. The White Horse Press: Society and Animals, v.7, n.2, 1999, Cambridge – UK.

VALLE, J. M. N. et al. A formação dos hábitos alimentares na infância: uma revisão de alguns aspectos abordados na literatura nos últimos dez anos. Revista de Atenção Primária à Saúde, v.10, n.1, p.56-65, 2007.

ZUCKERMAN, I. Z.; PETRANOVIC, D.; BAREŠIĆ, K. Influences of therapy with animals. Medicina Fluminensis, v.43, n.2, p.155-164, 2007.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n4-018

Refbacks

  • There are currently no refbacks.