Prevalência de prematuridade e fatores associados no estado do Rio Grande do Sul / Prevalence of prematurity and associated factors in the state of Rio Grande do Sul

Daniel Miranda Lopes de Souza, Leonardo Christian da Silva Maia, Zélia Domênica Ferreira Zêgo, Gustavo Pêgas Jaeger, Wanderson Souza Maciel

Abstract


Objetivo O presente artigo tem como objetivo estudar a prevalência de prematuridade no estado do Rio Grande do Sul, levando em conta os possíveis fatores associados como: comportamentais, sociodemográficas e de saúde. Materiais e métodos O estudo realizou um delineamento do tipo transversal com base em dados secundários do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC), tendo como população de estudos todos os nascidos vivos no Brasil no ano de 2014. Resultados: Em suma, encontramos em nosso trabalho que a prevalência de prematuridade no RS foi de 11,46% e que estava associada à idade materna ?40 (RP=1,29; IC=1,20-1,40), aos nascidos por parto cesariano (RP=1,14; IC=1,10-1,17), a cor da mãe amarela, parda e indígena (RP=1,06; IC=1,01-1,11) e as mães viúvas ou separadas (RP=1,06; IC=0,95-1,19). Encontramos como fator de proteção as mães com idade entre 20-29 anos (RP=0,89; IC=0,85-0,93), as que possuíam curso superior (RP=0,80; IC=0,74-0,88) e as que realizaram >7 consultas pré-natais (RP=0,32; IC=0,31-0,34).Conclusão: É possível inferir que a prematuridade é um problema delicado e de fundamental importância, está associado a algumas variáveis como número baixo de consultas pré-natal, baixa escolaridade e elevada idade da mãe. Porém, quando relacionado com variáveis como sexo do recém-nascido, cor da pele e estado civil da mãe, o número de partos prematuros não apresentou variação significativa. Haja vista as variáveis diretamente relacionadas com o número alto de prematuros é possível alterar tal situação com algumas medidas que envolvem a conscientização das mães quanto à importância da consulta pré-natal, medidas educacionais que se destinem a impedir o alto número de evasão escolar e também políticas que visem diminuir o número de partos via cesariana. Nesse sentido ainda, é importante destacar o quão importante à consulta pré-natal é para redução do número de recém-nascidos prematuros, tendo em vista que quanto maior o número de consultas realizadas, maior é o fator de proteção proporcionado, segundo o presente estudo.

 

 


Keywords


Nascimento prematuro, fatores de risco, sistema de informações.

References


Salge AKM, Vieira AVdC, Aguiar AKA, Lobo SF, Xavier RM, Zatta LT, et al. Fatores maternos e neonatais associados à prematuridade. Rev eletrônica enferm. 2009;11(3).

RAMOS CC, Roberto Kenji Nakamura. Fatores de risco para prematuridade: pesquisa documental. Esc Anna Nery Revista de Enfermagem 2009;13(2):297-304.

Organizacão Mundial da Saúde. Nascimentos Prematuros 2016 Available from: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs363/es/.

CLOHERTY JPE, Eric C.; STARK, Ann R. Manual de neonatologia. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2015.

CESARIN RP. Influência da condição clínica periodontal e da elastase salivar no trabalho de parto prematuro e no parto pré-termo: estudo de casos. In: UFPel. Pelotas, RS; 2015.

BECK S. WDS, L.; BETRAN, A. P.; MERIALDI, M.; REQUEJO, J. H. The worldwide incidence of preterm birth: a systematic review of maternal mortality and morbidity. Bull World Health Organ. 2010;88(1):31-8.

Ministério da Saúde do Brasil. Datasus: informações de saúde. Estatísticas vitais. Mortalidade e nascidos vivos em 2011. In: Saúde Md, editor. Brasília (DF), Brasil2011.

World Health Organization. Born too soon: the global action report on preterm birth. 2012.

UNICEF. Prematuridade e suas possíveis causas. Brasília - Brasil2013.

Victora C. Pesquisa para estimar a prevalência de nascimentos pré-termo no Brasil e explorar possíveis causas. Pelota, RS: Universidade Federal de Pelotas, PPGE; 2013.

Oliveira L, Bonilha A, Gonçalves AC, Costa JSD. Maternal and neonatal factors related to prematurity. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(3):382-9.

Almeida AC, de Jesus ACP, Lima PFT, de Araújo MFM, de Araújo TM. Fatores de risco maternos para prematuridade em uma maternidade pública de Imperatriz-MA. Rev Gaucha Enferm. 2012;33(2):86-94.

BOTELHO TM, LEAL IP. Personalidade materna e prematuridade. Available from: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:JbIpRRO4HGYJ:www.inr.pt/download.php%3Ffilename%3D18%2B-%2BPersonalidade%2Bmaterna%2Be%2Bprematuridade%26file%3D%252Fuploads%252Fdocs%252FEdicoes%252FLivros%252FLivro018.rtf+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br.

PAUL MC. Factores de risco associados ao nascimento prematuro, Psicologia, VIII, 393-402. 1992.

FREITAS PF, de ARAUJO, RR. Prematuridade e fatores associados em Santa Catarina, Brasil: análise após alteração do campo idade gestacional na Declaração de Nascidos Vivos. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife , v. 15, n. 3, p. 309-316, set. 2015.

KILSZTAJN S, ROSSBACH A, do CARMO MSN, SUGAHARA GTL, Assistência Pré-natal, baixo peso e prematuridade no estado de São Paulo, 2000, Rev. saúde publica 2003;37(3). P. 303-310.

IBGE. Síntese dos indicadores sociais 2009. Rio de Janeiro, 2009.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n5-014

Refbacks

  • There are currently no refbacks.