A violência de gênero sob a ótica ecosociocultural / Gender-based violence from an ecosociocultural perspective

Cristiane Lopes Amarijo, Daniele Ferreira Acosta, Camila Daiane Silva, Marina Soares Mota, Carolina Coutinho Costa Vallejos, Victoria Leslyê Rocha Gutmann

Abstract


Assim como a violência é um constructo social, a não violência também o é. Por ser uma problemática complexa faz-se necessário adotar uma abordagem ecossistêmica uma vez que pode acarretar sérios danos à saúde não só das mulheres, mas de todos os envolvidos nas situações conflituosas e da sociedade como um todo. Estudo teórico reflexivo, embasado na identificação e análise de elementos teóricos obtidos a partir da leitura de livros impressos e artigos de periódicos nacionais e internacionais. Um sistema vivencia uma perturbação que o leva a se readaptar. Essa auto-organização o proporciona uma evolução. Para que fosse elaborada uma lei que protegesse as mulheres dos distintos crimes de gênero que vinham sofrendo fez-se necessário uma “perturbação”. Precisou que a biofarmacêutica Maria da Penha Maia Fernandes sofresse repetidas agressões, intimidações e tentativas de homicídio por parte de seu marido para se criar a lei que leva seu nome.


Keywords


Ecossistema, Mulheres Maltratadas, Violência Doméstica, Pensamento Ecossistêmico.

References


ACOSTA, D.F.; et al. Violência contra a mulher por parceiro íntimo: (in) visibilidade do problema. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, Jan-Mar 2015; 24(1): 121-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072015001770013

ASAKURA T, MALLEE H, TOMOKAWA S, et al. The ecosystem approach

tohealthis a promisingstrategy in internationaldevelopment: lessonsfromJapanand

Laos. Japan; 2015: 11(3).

BARKER, G. Male violence or patriarchal violence? Global Trends in Men and Violence. Sex. salud soc.2016;(22): 316-330. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sess/a/mrcnkWPr5zPdbQxyKPDFYkm/abstract/?lang=en

BRASIL. Lei n. 11.340 de 7 de agosto de 2006. Lei Maria da Penha. Dispõe sobre mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília:

Câmara dos deputados, Coordenação de Publicações, 2006.

BRASIL. Ministério Público Federal. Procuradoria Federal dos Direitos do cidadão.

Cartilha Lei Maria da Penha & direitos da mulher. Brasília, março 2011.

BRASIL. Instituto de Pesquisa Data Senado. 2017. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/datasenado

CAPRA, F. O ponto de mutação. São Paulo: Cultrix, 2006a.

CAPRA F. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix; 2006b.

FERNANDES, MORAIS, DEININGER. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, v.4, n.2, p. 9150-9161 mar./apr. 2021. ISSN: 2595-6825

FRONTIER S. Os ecossistemas. Lisboa (PT): Instituto Piaget; 2001. p. 13-30.

GÓMES CM, MINAYO MC de S. Enfoque ecossistêmico de saúde: uma estratégia transdisciplinar. Interfacehs – Revista de Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente. v.1, n. 1, Art 1, ago 2006.

INCHAUSPE JAF. Abordagem ecossistêmica no contexto da saúde. Revista de Saúde Dom Alberto. Santa Cruz do Sul, v. 3, n. 2, dezembro. 2018. Disponível em: http://revista.domalberto.edu.br/index.php/revistadesaudedomalberto/article/view/63

LUCENA KDT, VIANNA RPT, NASCIMENTO JA, CAMPOS HFC, OLIVEIRA ECT. Association between domestic violence and women's quality of life. Rev Lat Am Enfermagem. 2017; 25:e2901. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.1535.2901

MARTINS, P.D.N; LEMOS, E.; FERREIRA, A. Impacto da violência na saúde, família e trabalho no estado da Bahia, Brasil 2016. Revista ciencia, salud, educación y economia.2017; nº 11. Disponível em: https://docplayer.com.br/56879357-Contenido-comite-editorial.html

MELO PTNB, REGIS HP, BELLEN HMV. Princípios epistemológicos da teoria do capital social na área da administração. Cad.EBAPE.BR, v. 13, nº 1, artigo 8, Rio de Janeiro, Jan./Mar. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cebape/a/yjWxyGrvv93RncW9RZqrmSx/?format=pdf〈=pt

MINAYO MCS, CONSTANTINO P. Visão ecossistêmica do homicídio. Ciência & Saúde Coletiva, 17(12):3269-3278, 2012.

OPAS - ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Enfoques ecossistêmicos em saúde – perspectivas para sua adoção no Brasil e países da América Latina. / Organização Pan-Americana da Saúde. – Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2009.

PARCIANELLO MK et al. Saúde do idoso e envelhecimento na perspectiva ecossistêmica: atuação da enfermagem. Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 12, n. 1, p. 39-47, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/disciplinarumS/article/view/975/918

PORTAL BRASIL. MDH divulga dados sobre feminicídio. 2018. Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/assuntos/noticias/2018/agosto/ligue-180-recebe-e-encaminha-denuncias-de-violencia-contra-as-mulheres

PORTAL BRASIL. Ligue 180 realizou mais de um milhão de atendimentos a mulheres em 2016. 2017. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2017/03/ligue-180-realizou-mais-de-um-milhao-de-atendimentos-a-mulheres-em-2016

SAMAJA J. a reprodução social e a saúde: elementos metodológicos sobre a questão das relações entre saúde e condições de vida. Salvador: Casa da qualidade, 2000.

SEVERO DF, SIQUEIRA HCH de. Interconexão entre a história da graduação em enfermagem no Brasil e o pensamento ecossistêmico. Rev Bras Enferm, Brasília 2013 mar-abr; 66(2): 278-81.

WAISELFISZ, J.J. Mapa da violência 2015 – Atualização: Homicídio de mulheres no Brasil. 2015.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n4-012

Refbacks

  • There are currently no refbacks.