Os caminhos dos cuidadores informais na atenção domiciliar / The paths of informal caregivers in home care

Mirela Castro Santos Camargos, Andréia Devislanne Ribeiro

Abstract


O envelhecimento populacional, ou seja, o aumento do peso relativo das pessoas idosas na população total, foi um dos principais eventos demográficos do século XX e, certamente, terá sua importância mantida no século XXI. O aumento de idosos na população, associado ao crescimento da longevidade, lançam desafios em relação às políticas de cuidado voltadas à população que envelhece. Entre essas destaca-se a Política de Atenção Domiciliar (AD). Na AD, as relações cuidador- equipe- indivíduo - família são fundamentais na implementação do cuidado no domicílio e na melhoria do indivíduo, reafirmando a importância das tecnologias leves. Esse estudo teve por objetivo conhecer o cotidiano dos cuidadores informais de idosos atendidos pelo Programa de Internação Domiciliar (PID) do município de Betim – MG e identificar os desafios enfrentados no cuidado a pessoas idosas dependentes de tecnologias para manutenção de vida. Acredita-se que essa foi uma forma de avaliar o Programa de Internação Domiciliar do município. Afinal, a opinião do usuário, aqui representado pelo cuidador informal, fornece elementos para entender como o programa funciona na prática, levantando possíveis lacunas e potencialidades. Esse estudo, de natureza exploratória e descritiva, foi realizado por meio de abordagem qualitativa com a realização de entrevistas semiestruturadas. As entrevistas foram gravadas, transcritas e analisadas por meio da técnica de análise de conteúdo temática. Os resultados apontaram lacunas no que tange à estruturação da Rede de Atenção à Saúde em Betim. Por meio dos relatos dos cuidadores entrevistados no PID, foi possível evidenciar fatores relevantes para a estruturação da AD como o acesso, a integralidade, a resolutividade, a universalidade e a organização dos serviços. Salienta-se o distanciamento entre a portaria que regulamenta a AD e a realidade no que tange aos fluxos de encaminhamentos e fornecimentos de insumos, evidenciados por meio das entrevistas com os cuidadores dos idosos. Uma vez levantados os trajetos percorridos pelos cuidadores em busca de atendimento à saúde, foi identificada a necessidade de interdependência e complementaridade entre os serviços que compõem a Rede de Atenção à Saúde com vistas a garantir a integralidade do cuidado. Também foram observados aspectos relacionados aos desafios e oportunidades inerentes à articulação em rede, dentre os quais destacam-se: a dificuldade de articulação com a atenção primária, desresponsabilização dos serviços e desconhecimento das pessoas sobre a oferta de serviços da rede de saúde e deficiência de comunicação entre os serviços. Entre as oportunidades, evidenciaram-se práticas de referência e contrarreferência. Considera-se que a atenção domiciliar representa um importante espaço no reordenamento do trabalho em saúde e na reorganização da atenção à saúde. Ressalta-se que iniciativas de envolvimento, articulação, interação e integração com outros serviços de saúde são fundamentos primordiais para se alcançar os pressupostos da Rede de Atenção à Saúde.


Keywords


Idoso, cuidador, assistência domiciliar aos idosos.

References


________________________. Assessoria de imprensa da Prefeitura de Betim. Secretaria Municipal de Comunicação. 12 e 15 de novembro de 2011. 16p. Disponível em:http://www.betim.mg.gov.br/ARQUIVOS_ANEXO/diario12152011%3B0742%3B20111111.pdf. Acessoem: 15 jul.2019.

ALWAN, A et al.Monitoring and Surveillance of Chronic Noncommunicable Diseases: Progress And Capacity In Highburden Countries.The Lancet, London, v. 376, p. 1861-1868, 2010.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009. 281 p

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação-geral de Atenção Domiciliar. Cadernos de Atenção Domiciliar. v. 1. Brasília. 2012. Acesso em: 10. Jun.2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 825, de 25 de abril de 2016. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e atualiza as equipes habilitadas. Brasília (DF): Diário Oficial da União, Seção 1, p.33

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 2527, de 27 de outubro de 2011. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília. 2011a. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2527_27_10_2011_comp.html Acesso em: 07 jun. 2019.

CARDOSO, A. S.; NASCIMENTO, M. C. Comunicação no Programa Saúde da Família: o agente de saúde como elo integrador entre a equipe e a comunidade. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, p. 1509-1520, 2010. Suplemento.

CARVALHO, Sérgio R.; CAMPOS, Gastão W. de S. Modelos de atenção à saúde: a organização de Equipes de Referência na rede básica da Secretaria Municipal de Saúde de Betim, Minas Gerais. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.16, n.2, p.507-515, jun 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?Script=sci_arttext&pid=S0102311X2000000200021&lng=en&nrm=ISO>>. Acesso em: 18.jun.2019

KARSCH, U.M. Idosos Dependentes:Famílias Cuidadoras. Cad Saúde Pública. 2003; 19(3):861-6. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000300019 Acesso em: 19 jan. 2019

LINI, E.V; PORTELLA, M.R; DORING, M. Fatores associados à institucionalização de idosos: estudo caso-controle. Rev. Bras. GeriatrGerontol. Rio de Janeiro, v.19(6), p.1004-1014, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1981-22562016019.160043. Acesso em: 26 jun.2019

MARTINS, J.J. et al. Necessidades de educação em saúde dos cuidadores de pessoas idosas no domicílio. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v. 16(2), p.254-262, abr-jun 2007 Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/is_digital/is_0407/pdfs/IS27(4)113.pdf. Acesso em: 19 Jan. 2019

MERHY, E. E. Crise do modo de se produzir saúde: uma discussão do modelo assistencial e o trabalho médico no Brasil. Campinas, Agosto 1997. (Mimeo).

MIGOTT, A.M.B. Cuidando construtivamente de enfermeiros que vivenciam sentimentos de desvalorização: desvelando questões existenciais entre o Agir Ético e o Técnico da Profissão [Dissertação]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2000.

MINAYO, M. C. S. Cientificidade, generalização e divulgação de estudos qualitativos. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p. 16. 17, 2017.

MINAYO, M. C. S. O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13. Ed., São Paulo: Hucitec, 2013.

OLIVEIRA, D.C; D’ELBOUX, M.J. Estudos nacionais sobre cuidadores familiares de idosos: revisão integrativa. Rev. Bras. Enferm. v. 65(5), p. 829-838, set/out 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672012000500017. PMid:23338589. Acesso em: 19 set.2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório Mundial de Envelhecimento e Saúde. Genebra, 2015. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/186468/WHO_FWC_ALC_15.01_por.pdf;j sessionid=2EEACBCDDB0B526CD746104358AEEEB1?sequence=6. Acesso em: 10 mai 2019.

RAMOS, L. R.; SAAD, P. M. Morbidade da população idosa. In: O idoso na Grande São Paulo. São Paulo: SEADE (SEADE - FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS), 1990. p.161-172.

RESTA, D.G.; BUDÓ, M. L. D. A cultura e as formas de cuidar em família na visão de pacientes e cuidadores domiciliares. Acta Scientiarum. Health Sciences. Maringá, v. 26, n. 1, p. 53-60, 2004.Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-81232008000400013. Acesso em: 19 set. 2019

SARAIVA, Klívia R. de O. et al. O processo de viver do familiar cuidador na adesão do usuário hipertenso ao tratamento. Texto contexto - Enferm., Florianópolis, v.16,n.1,p.63-70,mar.2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010407072007000100008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 7 mar. 2020. https://doi.org/10.1590/S0104-07072007000100008.]

SILVA K.L. et. al. Atenção domiciliar no Brasil: avanços e desafios para mudança no modelo tecnoassistencial em saúde. 2007. Disponível em:https://www.scielo.br/pdf/rsp/v44n1/18.pdf. Acesso em: 21 fev. 2019

SILVA, K. L. et al. Internação domiciliar no Sistema Único de Saúde. Rev. Saúde Pública (São Paulo), v. 39, n. 3, p. 391-397, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v39n3/24792.pdf. Acesso em: 10. Jun. 2019.

SILVA, R.V.G.O.; RAMOS, F.R.S. O trabalho de enfermagem na alta de crianças hospitalizadas: articulação da atenção hospitalar e básica. Rev Gaúcha Enferm. Porto Alegre (RS) v. 32(2, p.309-315, jun 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1983-14472011000200014.Acesso em:19 set.2019

WONG, L.L.R. CARVALHO, J. A.O rápido processo de envelhecimento populacional do Brasil: sérios desafios para as políticas públicas. Rev. bras. estud. popul. [online]. v.23, n.1, p.5-26, 2006. ISSN 0102-3098. Disponível em:http://dx.doi.org/10.1590/S0102-30982006000100002.Acesso em: 26.jun.2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-342

Refbacks

  • There are currently no refbacks.