Óbitos por causas externas em Sergipe relacionado a acidentes de trabalho no ano de 2018: análise epidemiológica/ Deaths from external causes in Sergipe related to work accidents in the year 2018: epidemiological analysis

Maria Luiza Silva Souza, Ana Fátima Souza Melo de Andrade, Weber de Santana Teles, Ruth Cristini Torres, Max Cruz da Silva, Ângela Maria Melo Sá Barros, Maria Hozana Santos Silva, Marcel Vinícius Cunha Azevedo, Rute Nascimento da Silva, Paulo Celso Curvelo Santos Júnior

Abstract


Introdução: O acidente de trabalho é definido como aquele que ocorre no exercício do trabalho a serviço da empresa ou no exercício do trabalho ocasionando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou a perda ou redução, permanente ou temporária da capacidade para o trabalho. As causas externas são responsáveis por milhões de mortes no mundo, provocando dezenas de hospitalizações, atendimentos de emergência e consultas ambulatoriais. Objetivo: Realizar uma análise epidemiologica sobre os óbitos por causas externas no estado de Sergipe relacionado a acidentes de trabalho no ano de 2018 identificando a faixa etária mais atingida bem como o sexo, além do local de ocorrência dos óbitos. Metodologia: Trata-se de um estudo de descritivo com abordagem transversal e retrospectiva onde foi realizada uma análise epidemiológica dos óbitos por causas externas na região em Sergipe no ano de 2018 a partir de informações em saúde disponíveis na base de dados do DATASUS. Resultados: A partir da análise dos dados foi identificado que no ano de 2018 ocorreu no Brasil um total 3.209 (100%) óbitos por causas externas relacionadas ao trabalho, sendo que deste total 445 (13,86%) óbitos ocorreram na região Nordeste, mais precisamente no estado de Sergipe ocorreram 29 óbitos (0,90%). A faixa etária com mais óbitos foi a de 20 a 29 anos e 30 a 39 anos com 7 (24%) óbitos cada um. Em relação ao sexo, o sexo mais atingido foi o asculino com 27 (93%) óbitos. Em relação ao local de ocorrência, a via publica foi o local com mais óbitos em relação aos demais locais com um total de 15 (56%). Discussão: Diante dos dados encontrados, algumas aracterísticas explicam o motivo de a mortalidade por causas externas ser mais prevalente no sexo masculino, e isso se justifica pelo fato dos homens, em analogia com as mulheres, possuem mais comportamentos de risco, como por exemplo, a ingestão de bebidas alcoólicas. Outro ponto observado é que a faixa etária mais atingida é a dos jovens entre os de frente da produtividade econômica e social. 20 e 39 anos, e isso demonstra ser algo preocupante visto que é um grupo que está na linha de frente da produtividade econômica e social. Conclusão: A partir da realização do estudo com base nos dados do DATASUS, acredita-se que este fato pode ser uma limitação do estudo, uma vez que os resultados dependem diretamente do registro adequado dos profissionais através da notificação compulsória. Dados não notificados ou subnotificados spodem trazer um dano a real situação dessas mortalidades, uma vez que mascara os dados.


Keywords


Mortalidade ocupacional, Causas externas, Acidentes de trabalho.

References


BAKKE, H.A; ARAUJO, N.M.C. Acidentes de trabalho com profissionais de saúde de um hospital universitário. Revista Produção, v.20, n.4, p.669-676, 2010.

BATISTA, J et al. Perfil epidemiológico da mortalidade por causas externas entre beneficiários de planos de saúde no brasil. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, v.8, p. 1-12, 2018.

CABRAL, L.A.A; SOLER, Z.A.S.G; LOPES, J.C. “Acidente de dupla espécie”: uma terceira espécie de acidente do trabalho e sua importância para a vigilância em saúde do trabalhador. Revista Ciência e Saúde Coletiva, v.19, n.12, p.4699-4708, 2014.

GONÇALVES, S.B.B; SAKAE, T.M; MAGAJEWSKI, F.L. Prevalência e fatores associados aos acidentes de trabalho em uma indústria metal mecânica. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, v.16, n.1, p.26-35, 2018.

LACERDA, K.M; FERNANDES, R.C.P; NOBRE. L.C.C. Acidentes de trabalho fatais em Salvador, BA: descrevendo o evento subnotificado e sua relação com a violência urbana. Revista Brasileira de saúde ocupacional, São Paulo, v.39, n.129, p. 63-74, 2014.

MESSIAS, M.M et al. Mortalidade por causas externas: revisão dos dados do Sistema de Informação de Mortalidade. Revista Sociedade Brasileira de Clinica Médica, v.16, n.4, p.218-221, 2018.

OLIVEIRA, J.S et al. Óbitos por causas externas relacionadas ao trabalho. Revista de enfermagem UFPE online, v.13, p.1-7, 2019.

SANTOS, S.V.M et al. Acidente de trabalho e autoestima de profissionais de enfermagem em ambientes hospitalares. Revista Latino Americana de Enfermagem, v.25, p.1-8, 2017.

SILVA, R,A., et al. Acidente de trabalho com material biológico na enfermagem, Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 4, p. 7780-7796 jul./ago. 2020.

SOUTO, C.C et al. Perfil das vítimas de acidentes de transporte terrestre relacionados ao trabalho em unidades de saúde sentinelas de Pernambuco, 2012 – 2014. Revista Epidemiologia, Brasília, v.25, n.2, p.351-361, abr/jun, 2016

SOUZA, A.S.B; SILVA, S.C; CAVALCANTI, M.F.A. Mortalidade por causas externas em adultos jovens em Teresina-PI no período de 2001-2011. Revista Interdisciplinar, v.9, n.1, p.57-65, jan-mar, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-336

Refbacks

  • There are currently no refbacks.