Sintomas clínicos associados à hospitalização em idosos acometidos por febre Chikungunya/ Clinical symptoms associated with hospitalization in elderly people affected by Chikungunya fever

Danilo Madureira de Oliveira, Diêgo Madureira de Oliveira, Ana Cristina Nogueira Borges

Abstract


A Chikungunya é uma arbovirose causada pelo RNA-vírus Chikungunya. A doença foi descrita pela primeira vez em 1952 mas, no Brasil, os primeiros casos autóctones foram confirmados apenas em 2014, mesmo ano em que foi registrada na cidade de Valente-Bahia, cidade que, no ano seguinte, apresentou a maior incidência/100 mil habitantes do país. Muitos pacientes idosos acabam necessitando de hospitalização por conta da infecção, o que gera importante impacto funcional nesse grupo. Este trabalho buscou identificar sintomas clínicos associados à hospitalização em idosos com Chikungunya, bem como comparar a taxa de hospitalização entre estes e a população adulta. Para isso, foi realizado um estudo transversal retrospectivo, em que foram analisados dados de 1.159 fichas de notificação, sendo que 59,57% deste total eram adultos e 20,32% eram idosos. Neste último grupo, após análise de possível efeito de confusão para as variáveis relacionadas ao desfecho, apenas a procedência do paciente (urbana/rural) mostrou interferência (p=0,0011), de modo que o estudo dos fatores de risco foi realizado em dois subgrupos distintos: idosos procedentes da zona urbana versus da zona rural. Empregou-se o teste qui-quadrado (p < 0,05), além do cálculo de Odds Ratio (OR) e do próprio Risco Relativo (RR). Como resultados, encontrou-se que 41,46% dos idosos foram hospitalizados, contra 33,14% dos adultos. Quanto aos fatores de risco no grupo de idosos, naqueles procedentes da zona urbana, associaram-se à hospitalização: diarreia (OR=2,38 ; RR=1,5 ; p=0,013), vômitos (OR=2,23 ; RR=1,45 ; p=0,028), edema em joelho(s) (OR=2,16 ; RR=1,5 ; p=0,014) e edema em mão(s) (OR=2,15 ; RR=1,51 ; p=0,017). No grupo oriundo da zona rural, a única associação significativa foi com edema de joelho(s) (OR=11,76 ; RR=7,9 ; p=0,0063). Assim, o fator que mais se relacionou com o desfecho hospitalização foi edema de joelho(s). Tal fator de risco ocorreu de forma independente da procedência e sua detecção gera um alerta para que profissionais de saúde valorizem ainda mais esse sinal/sintoma na prática clínica.


Keywords


Chikungunya, idoso, hospitalização.

References


Rahim MA, Uddin KN. Chikungunya: An Emerging Viral Infection With Varied Clinical Presentations in Bangladesh: Reports of Seven Cases. BMC Res Notes. 2017; 10: 410.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Preparação e resposta à introdução do vírus Chikungunya no Brasil / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 100 p. : il.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Chikungunya: manejo clínico / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017. 65 p.: il.

Berberian G, Bologna R, Viale D, Buchovsky A. Chikungunya: ¿Otra vez los mosquitos? / Chikungunya: mosquitos again? Med. Infant. 2015; 22: 231-8.

Robinson MC. An epidemic of virus disease in Southern Province, Tanganyika territory, in 1952–1953. I. Clinical Features. Transactions of The Royal Society of Tropical Medicine and Hygiene. 1955; 49: 28–32.

Sam IC, AbuBakar S. Chikungunya Virus Infection. Med J Malaysia, 2006; 61.

Lima APCR, Nascimento RA, Santos J. Chikungunya: a visão do clínico de dor. Rev. Dor. 2016; 17: 299-302.

Burt FJ, Chen W, Miner JJ, Lenschow DJ, Merits A, Schnettler E, et al. Chikungunya virus: an update on the biology and pathogenesis of this emerging pathogen. Lancet Infect Dis. 2017; 17: e107-e117.

República Dominicana. Ministerio de Salud Pública. Guía de manejo clínico para la infección por el vírus chikungunya (CHIKV). Santo Domingo, 2014.

Nunes MRT, Faria NR, Vasconcelos JM, Golding N, Kraemer MUG, Oliveira LE et al. Emergence and potential for spread of Chikungunya virus in Brazil. 2015, 102.

Marques CDL, Duarte ALBP, Ranzolin A, Dantas AT, Cavalcanti NG, Gonçalves RSG et al . Recomendações da Sociedade Brasileira de Reumatologia para diagnóstico e tratamento da febre chikungunya. Parte 1 - Diagnóstico e situações especiais. Rev. Bras. Reumatol. 2017 ; 57: s421-s437.

Chow A, Her Z, Ong EKS, Chen J, Dimatatac F, Kwek DJC et al. Persistent Arthralgia Induced by Chikungunya Virus Infection is Associated with Interleukin-6 and Granulocyte Macrophage Colony-Stimulating Factor. The Journal of Infectious Diseases. 2011; 203: 149–57.

Couturier E, Guillemin F, Mura M, Léon L, Virion JM, Letort MJ, et al. Impaired quality of life after chikungunya virus infection: a 2-year follow-up study. Rheumatology, 2012; 51:1315–22.

Renault P, Solet JL, Sissoko D, B Elsa, Larrieu S, Filleul L, et al. A major epidemic of chikungunya virus infection on Reunion Island, France, 2005-2006. Am J Trop Med Hyg. 2007; 77: 727‐731.13.

Carvalho TC, Valle AP, Jacinto AF, Mayoral VF, Boas PJFV. Impacto da hospitalização na funcionalidade de idosos: estudo de coorte. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. 2018, 21: 134-42.

Lumsden WHR. An epidemic of virus disease in Southern Province, Tanganyika territory, in 1952–1953 II. General description and epidemiology. Trans RSoc Trop Med Hyg. 1955; 49: 33–57.

Weaver SC. Arrival of chikungunya virus in the new world: prospects for spread and impact on public health. PLoS Neglected Tropical Diseases. 2014; 8: e2921.

Silva NM, Teixeira RAG, Cardoso CG, Siqueira JJB, Coelho GE, Oliveira ESF. Vigilância de chikungunya no Brasil: desafios no contexto da Saúde Pública. Epidemiol. Serv. Saúde. 2018; 27: e2017127.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Boletim Epidemiológico da Febre Chikungunya na Bahia, 2014. N°01. Disponível em: http://www.saude.ba.gov.br/wp-content/uploads/2017/11/Boletim_Chikungunya_BA_N1_30092014.pdf

Cunha RV, Trinta KS, Montalbano CA, Sucupira MVF, de Lima MM, Marques E, et al. Seroprevalence of Chikungunya Virus in a Rural Community in Brazil. PLoS Negl Trop Dis. 2017; 11: e0005319.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Epidemiológico da Febre Chikungunya na Bahia, 2015. N° 15. Disponível em: http://www.saude.ba.gov.br/wp-content/uploads/2017/11/boletim-epidemiol%C3%B3gico-Chikungunya_N15_2015__17062015-1.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. 2016; 47 N° 38. Disponível em: https://www.saude.gov.br/images/pdf/2016/dezembro/20/2016-033---Dengue-SE49-publicacao.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Situação Epidemiológica das Arboviroses - Bahia, 2015. 2016. Nº 12. Disponível em: http://cdn.jornalgrandebahia.com.br/2016/01/Boletim-Epidemiol%C3%B3gico-da-Dengue-Chikungunya-e-Zika-na-Bahia-n%C2%BA-12-13-de-janeiro-de-2016..pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Boletim Epidemiológico da Febre Chikungunya na Bahia, 2015. 2015; Nº 10 Disponível em: http://www.saude.ba.gov.br/wp-content/uploads/2017/11/boletim_Chikungunya_BA_N10_2015_06042015.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. 2016; 47: Nº 3. Disponível em: https://www.saude.gov.br/images/pdf/2016/janeiro/15/svs2016-be003-dengue-se52.pdf

Evelim CG. Dengue: desafios atuais. Epidemiol. Serv. Saúde . 2008; 17: 231-233.

Ministério da Saúde (BR). Levantamento Rápido de Índices para Aedes Aegypti - BVS MS. Jan/Fev 2014. Disponível em: https://portalarquivos.saude.gov.br/images/PDF/2014/marco/18/LIRAa-Jan---18.03.2014.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Diretrizes nacionais para prevenção e controle de epidemias de dengue / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009. 160 p.

Melo WES, Sousa SRGR, Andrade SMC, Ferreira IAS; Silva JA, Mandú LCS et.al. Perfil epidemiológico da Febre Chikungunya em pacientes da VI Gerência Regional de Saúde de Pernambuco. In: 52º Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical; 2016; Maceió.

Loyola Filho AI, Leite MD, Giatti L, Afradique ME, Viana PS, Lima-Costa MF. Causas de internações hospitalares entre idosos brasileiros no âmbito do Sistema Único de Saúde. Epidemiol. Serv. Saúde 2004; 13: 229-38.

Dourado CARO, Quirino EMB, Pinho CM , Silva MAS , Souza SRG , Andrade MS. Aspectos clínicos e epidemiológicos dos idosos com febre de Chikungunya. Rev Rene. 2019; 20: e41184.

Viana LRC, Pimenta CJL, Araújo EMNF, Teófilo TJS, Costa TF, Costa KNFM. Reemerging arboviruses: clinical-epidemiological profile of hospitalized elderly patients. Rev Esc Enferm USP. 2018; 52:e03403.

Travassos C, Oliveira EXG, Viacava F. Desigualdades geográficas e sociais no acesso aos serviços de saúde no Brasil: 1998 e 2003. Ciênc. Saúde Coletiva. 2006 ; 11: 975-986.

Silva LOL, Dias CA, Soares MM, Rodrigues SM. Acessibilidade ao serviço de saúde: percepções de usuários e profissionais de saúde. Cogitare Enferm. 2011; 16: 654-60.

Duarte YAO, Nunes DP, Andrade FB, Corona LP, Brito TRP, Santos JLF, et al . Fragilidade em idosos no município de São Paulo: prevalência e fatores associados. Rev. bras. epidemiol. 2018 ; 21: e180021.

Voltarelli JC. Febre e inflamação. Medicina, Ribeirão Preto. 1994; 27: 7-48.

Norman DC. Fever in the Elderly. Clinical Infectious Diseases. 2000; 31: 148–51.

Miotto C, Kayser B, Molin VD, Kummer JA, Wibelinger LM . Physiotherapeutic treatment of arthralgias. Rev. dor . 2013 ; 14: 216-8.

Bedson J, Jordan K, Croft P. The prevalence and history of knee osteoarthritis in general practice: a case-control study. Fam Pract. 2005; 22: 103-8.

Santos JPM, Andraus RAC, Pires-Oliveira DAA., Fernandes MTP, Frâncica MC., Poli-Frederico RC et al . Análise da funcionalidade de idosos com osteoartrite. Fisioter. Pesqui. 2015 June; 22: 161-8.

Honório NA, Câmara DCP, Calvet GA, Brasil P. Chikungunya: uma arbovirose em estabelecimento e expansão no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. 2015; 31: 906-8.

Gianandrea Borgherini G, Patrice Poubeau P, Frederik Staikowsky F, Manuella Lory M, Nathalie Le Moullec NL, Jean Philippe Becquart JP et al. Outbreak of Chikungunya on Reunion Island: Early Clinical and Laboratory Features in 157 Adult Patients. Clinical Infectious Diseases. 2017; 44: 1401-7.

Staikowsky F, Talarmin F, Grivard P, Souab A, Schuffenecker I, Le Roux K, et al. Prospective study of Chikungunya virus acute infection in the Island of La Réunion during the 2005-2006 outbreak. PLoS One. 2009; 4: e7603.

Rezza G, Nicoletti L, Angelini R, Romi R, Finarelli AC, Panning M et al. Infection with chikungunya virus in Italy: an outbreak in a temperate region. Lancet. 2007; 370 :1840-6.

Brandt KG, Antunes MMC, Silva GAP. Diarreia aguda: manejo baseado em evidências. J. Pediatr. (Rio J.) . 2015; 91: S36-S43.

Lusa LA, Amigues I, Kramer HR, Dam TT, Giles JT. Indicators of Walking Speed in Rheumatoid Arthritis: Relative Influence of Articular, Psychosocial, and Body Composition Characteristics. Arthritis Care & ResearchVolume. 2015; 67.

Moreira MA, Oliveira BS, Moura KQ2, Tapajós DM, Maciel ACC. A velocidade da marcha pode identificar idosos com medo de cair? Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2013; 16: 71-80.

Cesari M. Role of gait speed in the assessment of older patients. JAMA 2011; 305: 93-4.

Padula RS, Souza VC , Gil Coury HJC. Tipos de preensão e movimentos do punho durante atividade de manuseio de carga. Rev. Bras. Fisioter. 2006; 10: 29-34.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. 2016; 47. N° 38. Disponível em: https://www.saude.gov.br/images/pdf/2016/dezembro/20/2016-033---Dengue-SE49-publicacao.pdf.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-309

Refbacks

  • There are currently no refbacks.