Fluxo de rede do paciente oncológico no município de Patos de Minas / Network flow for oncologic patients in the municipality of Patos de Minas

Fernanda Beatriz Galvani, Antônio Régis Coelho Guimarães, Giovana Bertoni Palis Samora, Rafael Pereira Amorim, Maria Moreira Scarpelino, Marcos Leandro Pereira, Marilene Rivany Nunes, Jonatha Cajado Menezes

Abstract


As redes de atenção à Saúde (RAS) tem como objetivo promover a integração de ações e serviços de saúde para prover uma atenção à saúde de forma contínua, integral, de qualidade, responsável, humanizada, com vistas à consolidação dos princípios e diretrizes do SUS. Através de estudo transversal, descritivo, ecológico e intervencionista, o presente projeto teve por finalidade a criação de uma rede integrada que organize o fluxo dos pacientes oncológicos no município de Patos de Minas. Esta tem por objetivo ordenar os fluxos e contra fluxos dos serviços da Atenção Primária à Saúde com os serviços de média e alta complexidade, possibilitando a atenção integral à população assistida, assim como a continuidade do paciente inserido na rede.

 


Keywords


Atenção Primária à Saúde. Oncologia. Integralidade em Saúde.

References


BRASIL, Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS). A Gestão do SUS. Brasília, 2015.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (INCA). Estimativa 2014: incidência de câncer no Brasil. Coordenação Geral de Ações Estratégicas, Coordenação de Prevenção e Vigilância. Rio de Janeiro: INCA, 2014.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Redes de Atenção à Saúde no Sistema Único de Saúde. Brasília, 2012.

BAROM, Miriam; SOUZA, Luciana. Rede de Atenção Oncológica: como a Estratégia Saúde da Família se Percebe na Assistência ao Paciente com Câncer. Rio de Janeiro, 2012.

MENDES, E. C.; FADEL L. C. V.; Cuidados paliativos no câncer e os princípios doutrinários do SUS VER. SAÚDE DEBATE | RIO DE JANEIRO, V. 39, 2015.

HENNEMANN-KRAUSE, L. Ainda que não se possa curar, sempre é possível cuidar. Cuidados Paliativos. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, Rio de Janeiro, v. 11, abr./jun. 2012, p. 13-17.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-287

Refbacks

  • There are currently no refbacks.