Prevalência de incontinencia urinária em pacientes com esclerose múltipla: uma revisão de literatura / Prevalence of urinary incontinence in patients with multiple sclerosis: a literature review

Maria Helena Franklin Domingos da Silva, Domennica Gomes Pecorelli, Vitória Abrahão Martins Reis, Vinicius Urquiza da Nóbrega Porto, Yolanda de Azevedo Morais, Flávia Shaenny de Araújo Tomaz Lima, Lília Zenaide Ribeiro Assis, Cindy Amorim Palmeira Felipe, Amanda Mirelly Correia Farias, Maria Paula da Silva Luiz, Nieara Saad Rached de Souza, Klenia Felix de Oliveira Bezerra

Abstract


Introdução: A incontinência urinária em pacientes com esclerose múltipla resume-se que a Esclerose Múltipla (EM) é uma doença inflamatória neurológica do sistema nervoso central, de caráter degenerativo, crônico e que compromete pessoas entre 20 e 50 anos de idade que apresentam sintomas definitivos. A incontinência urinária (IU) é qualquer perda involuntária de urina. Ela pode ser dividida em: incontinência urinária de esforço (IUE) e incontinência urinária de urgência. Objetivo: realizar um levantamento bibliográfico dos estudos que investigaram a prevalência de incontinência urinária em indivíduos com esclerose múltipla. Metodologia: Trata-se de uma revisão bibliográfica, realizada no período de setembro a novembro de 2020 com o intuito de promover uma sustentação teórica com base na literatura. Os artigos foram resgatados nas bases de dados: MEDLINE via PUBMED, SCIELO, LILACS e Google acadêmico. Resultados/discussão: Dos três estudos incluídos nessa revisão, um foi publicado na língua portuguesa e dois na língua inglesa. os artigos encontrados foram dos anos de 2009, 2016 e 2018 realizados nos países :Inglaterra, Brasil e Itália. Abordando o tema de esclerose múltipla e incontinência urinária e relacionando com a prevalência principalmente da incontinência urinária de esforço e analisando as repercussões da Esclerose Múltipla no Sistema Urinário.  Considerações finais: Segundo as fontes avaliadas pode-se sugerir alta prevalência de incontinência urinária em pacientes portadores de esclerose múltipla.


Keywords


Esclerose Múltipla, Incontinência Urinária, Prevalência.

References


BAECHER-ALLAN, C; KASKOW, B. J.; WEINER, H. L. Multiple Sclerosis: mechanisms and immunotherapy. Neuron, Cambridge, v. 97, n. 4, p. 742-768, fev. 2018. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29470968/ Acesso em: 13 Out. 2020

BRETSCHNEIDER, C. E. et al. Prevalence of pelvic floor disorders in women with suspected gynecological malignancy: a survey-based study. International Urogynecology Journal, Londres, v. 27, n. 9, p. 1409-1414, fev. 2016. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26872646/ Acesso em: 13 Out. 2020

CORREALE, J. et al. Progressive multiple sclerosis: from pathogenic mechanisms to treatment. Brain, Londres, v. 140, n. 3, p. 527-546, mar. 2017. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27794524/ Acesso em: 13 Out. 2020

DELARMELINDO, R. C. A de. et al. Estratégias de enfrentamento da incontinência urinária por mulheres. Rev. esc. enferm., São Paulo, v. 47, n. 2, p. 296-303, Abr. 2013. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342013000200004&lng=en&nrm=iso . Acesso em: 15 out. 2020.

FERREIRA, A. P. S et al. Impact of a Pelvic Floor Training Program Among Women with Multiple Sclerosis. American Journal Of Physical Medicine & Rehabilitation, Baltimore, v. 95, n. 1, p. 1-8, jan. 2016. Disponível em:https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25888662/. Acesso em: 16 Out. 2020

FILLIS, M. M. A. et al. Prevalência de incontinência urinária em participantes da associação Londrinense de esclerose múltipla: estudo transversal. Revista Hórus, Londrina, v.13, n.1, p.1-13. Disponível em: http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/revistahorus/article/viewFile/4558/47964874 Acesso em: 9 set. 2020.

GOODMAN, A. D; ANADANI, N; GERWITZ, L. Siponimod in the treatment of multiple sclerosis. Expert Opinion On Investigational Drugs, Londres, v. 28, n. 12, p. 1051-1057, 3 nov. 2019. Informa UK Limited. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31603362/#:~:text=A%20phase%2DII%20study%20showed,in%20patients%20with%20disease%20activity. Acesso em: 28 set. 2020.

GUO, G. Y.; KANG, Y. G. Effectiveness of neuromuscular electrical stimulation therapy in patients with urinary incontinence after stroke: A randomized sham controlled trial. Medicine, Baltimore, v. 97, n. 52, p. e13702, dez. 2018. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30593142/ Acesso em: 17 out. 2020.

HUMBURG, J. Female urinary incontinence: diagnosis and treatment. The Umsch, Bern v. 73, n. 9, p. 535-540, set. 2018. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31113313/ .Acesso em: 28 set. 2020

KHAN, F et al. Multiple sclerosis: prevalence and factors impacting bladderand bowel function in an Australian community cohort. Disability and Rehabilitation, Reino unido, v. 31, n. 19, p. 1567 - 1576. 19 set. 2009. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19848557/. Acesso em: 17 out. 2020.

LEIRÓS-RODRÍGUEZ, R.; ROMO-PÉREZ, V.; GARCÍA-SOIDÁN, J. L. Prevalence of urinary incontinence and its relation with sedentarism in Spain. Actas urologicas españolas, Madri, v. 41, n. 10, p. 624 – 630, dez. 2017. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28587843/ Acesso em: 17 out. 2020.

LIMA, A. L. S. de. et al. Análise de Percepção da Qualidade de Vida em Acometidos por Acidente Vascular Encefálico. Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria, Rio de Janeiro v. 18, n. 3, p.203-208, dez, 2014. Disponível em: https://rbnp.emnuvens.com.br/rbnp/article/view/37/0. Acesso em: 19 out. 2020

LUKACZ, E. S. et al. Urinary Incontinence in Women. Jama, Chicago, v. 318, n. 16, p. 1592-1604, out. 2017. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29067433/. Acesso em: 28 set. 2020

MALIK, K. DUA, A. Biofeedback. StatPearls, Flórida, mar. 2020. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK553075/#article-18290.s15 Acesso em: 28 set. 2020

MATTA, R. et al. Is There an Association between Urinary Incontinence and Mortality? A Retrospective Cohort Study. Journal Of Urology, Baltimore, v. 203, n. 3, p. 591-597, mar. 2020.Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31580760/#:~:text=Conclusions%3A%20The%20association%20between%20urinary,not%20independently%20associated%20with%20mortality. Acesso em: 28 set. 2020.

NORTON, C.; CHELVANAYAGAM, S. Bowel Problems and Coping Strategies in People with Multiple Sclerosis. British Journal of Nursing, Londres, v. 19, n. 4, p 220-226, fev.2010. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20220671/. Acesso em: 9 set. 2020.

OH, J; VIDAL-JORDANA, A; MONTALBAN, X. Multiple sclerosis: clinical aspects. Current Opinion In Neurology, Filadelfia, v. 31, n. 6, p. 752-759, dez. 2018. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30300239/. Acesso em: 13. Out. 2020

OZYURT, C. et al. Voiding Dysfunction In Multiple Sclerosis. Brazilian Journal of Urology, Rio de Janeiro, v. 26, n. 3, p. 315-320, mai./jun. 2000. Disponível em: http://www.brazjurol.com.br/maio/Ozyurt_315_320.pdf. Acesso em: 9 set. 2020.

PAVAN, K. et al. Comportamento da incontinência urinária em pacientes com esclerose múltipla e a sua influência na qualidade de vida. Medicina de Reabilitação, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 1-5, jan./2010. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0103-5894/2010/v29n1/a001.pdf. Acesso em: 9 set. 2020.

RODRIGUES R.; PEREIRA A. Explicações no ensino de ciências: revisando o conceito a partir de três distinções básicas. Ciênc. Educ. , Bauru. v. 24 n. 1 p. 43-56, jan. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-73132018000100043〈=en Acesso em: 05 out. 2020

SILVA, M.P.F, et al. Esclerose Múltipla, Qualidade de vida e independência motora, quando realmente se correlacionam / Multiple Sclerosis, Quality of Life and Motor Independence, when they really correlate. Brazilian Journal Of Health Review, Curitiba, v. 3, n. 6, p. 18572-18576, 2020. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/21582 Visto em: 19. Nov. 2020

SHIN, D. C, et al. Pelvic floor muscle training for urinary incontinence in female stroke patients: a randomized, controlled and blinded trial. Clinical Rehabilitation, Londres, v. 30, n. 3, p. 259–267 apr. 2015. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25862769/ Acesso em: 17 Out. 2020.

SMITH, A. L. Understanding overactive bladder and urgency incontinence: what does the brain have to do with it?. F1000Research, Londres, v. 29 n.7, p. 1869-1875, nov. 2018. F1000 Research Ltd. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30631425/ Acesso em: 13 Out. 2020

STYS, P. K.; TSUTSUI, S. Recent advances in understanding multiple sclerosis. F1000Research, Londres, v. 8, p. 2100-2108, dez. 2019. Disponível em: https://f1000research.com/articles/8-2100. Acesso em: 27 set. 2020.

TINOCO, I, et al. Esclerose múltipla, o afastar da lupa: relato de caso. Revista portuguesa de medicina geral e familiar, Lisboa, v. 35, n. 3, p. 232-238, jun. 2019. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2182-51732019000300008 . Acesso em: 05 out 2020.

ZECCA, C. et al. Urinary incontinence in multiple sclerosis: prevalence, severity and impact on patients’ quality of life, European journal of neurology, Nova York, v. 23, n. 7 p. 1228-1234, jul. 2016. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/ene.13010 Acesso em: 09 nov. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-260

Refbacks

  • There are currently no refbacks.