Perfil epidemiológico da dengue no Brasil entre os anos de 2010 à 2019 / Epidemiological profile of dengue in Brazil between 2010 and 2019

Ana Maria Fernandes Menezes, Kaic Trindade Almeida, Amanda dos Santos de Amorim, Cássia Milene Ribeiro Lopes

Abstract


A dengue é uma doença negligenciada, sendo a arbovirose mais prevalente em todo o mundo, atingindo mais de 100 países tropicais e subtropicais. Trata-se de uma doença sistêmica sazonal, de caráter infeccioso, agudo e febril, transmitida aos humanos pelas fêmeas infectadas dos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Analisar e caracterizar por meio de buscas de dados, o perfil epidemiológico dos casos confirmados de Dengue ocorridos no Brasil entre os anos de 2009 à 2019. Trata-se de uma análise quantitativa, descritiva e transversal, apresentando o relato do número de casos confirmados da dengue no Brasil, juntamente com a descrição de variáveis sociodemográficas, clínicas e epidemiológicas em um recorte temporal de dez anos (2010 a 2019). Os dados foram obtidos no portal do Departamento de informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), por meio do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) sendo considerados somente os casos confirmados de dengue no território nacional. Os dados foram tabulados no Bioestat 5.3 gerando-se as tabelas e se realizou a análise descritiva e o teste do Qui-quadrado de Pearson ao nível de significância de 5% (p<0,05). Dentre os resultados avaliados pode-se constatar que foram notificados 9.559.582 casos de dengue no Brasil, destacando-se o ano de 2015 com 1.697.801 casos, a prevalência para esse recorte temporal de dez anos (2010 à 2019) deu-se no sexo feminino (55,7%), quanto a raça os “ignorados” tiveram um maior índice (37%), destacando-se com a faixa etária mais acometida pessoas de 20 à 39 anos (38,7%), quando se trata da escolaridade o número de “ignorados” também obteve o maior índice (57,3%), sendo as pessoas da zona urbana as mais acometidas com essa arbovirose (86,2%). Na variável clínica destaca-se clínico-epidemiológico (51%) para o critério de confirmação. Devido ao grande número de casos dessa patologia que pode ser controlada com o auxílio de medidas preventivas como o uso de repelentes e não deixar água parada, pode-se observar a necessidade de políticas públicas nesse quesito, bem como, a necessidade da melhoria de órgãos epidemiológicos dos municípios e também investimentos em saúde para tratamento dos pacientes infectados.


Keywords


Aedes aegypti, Epidemiologia, Perfil de saúde, Saúde pública.

References


UNO, N.; ROSS, T. M. Dengue virus and the host innate immune response. Emerging Microbes & Infections, [S. l.], p. 1-11, 10 out. 2018. DOI DOI: 10.1038 / s41426-018-0168-0. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30301880/. Acesso em: 10 out. 2020.

SALLES, TS, da Encarnação Sá-Guimarães, T., de Alvarenga, ESL et al. História, epidemiologia e diagnóstico da dengue nos contextos americano e brasileiro: uma revisão. Parasites Vectors 11, 264 (2018). https://doi.org/10.1186/s13071-018-2830-8

GABRIEL, A. F. B. et al. Avaliação de impacto à saúde da incidência de dengue associada à pluviosidade no município de Ribeirão Preto, São Paulo. Cad. saúde colet., Rio de Janeiro, v. 26, n. 4, p. 446-452, Dec. 2018. Available from . access on 08 Oct. 2020. Epub Nov 08, 2018. http://dx.doi.org/10.1590/1414-462x201800040119

SANTOS, S. A. Análise da variabilidade genética de mosquitos das espécies Aedes aegypti e Aedes albopictus no município de São Lourenço da Mata: uma área composta por diferentes estratos ambientais e variações nos fatores ecológicos. 2017. Dissertação (Mestrado em Biociências e Biotecnologia em Saúde) – Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz, Recife, 2017

COSTA, I. M. P.; CALADO, D. C. Incidência dos casos de dengue (2007-2013) e distribuição sazonal de culicídeos (2012-2013) em Barreiras, Bahia. Epidemiol. Serv. Saúde v.25 n.4 Brasília out./dez. 2016.

OPAS. Casos de dengue nas Américas chegam a 1,6 milhão, o que destaca a necessidade do controle de mosquitos durante a pandemia. Organização Pan-Americana da Saúde. 23 de junho de 2020.

BRASIL. Monitoramento dos casos de Arboviroses urbanas transmitidas pelo Aedes (dengue, chikungunya e Zika) até a Semana Epidemiológica 15 de 2019. Sinal online. 15/04/2019. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

BRASIL. Quase mil cidades podem ter surto de dengue, zika e chikungunya no país. Ministério da Saúde. 30 de abril de 2019. Disponível em: https://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/45407-quase-mil-cidades-podem-ter-surto-de-dengue-zika-e-chikungunya-no-pais. Acesso em: 14/09/2020.

UNDP. Brasil. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. 2019. Disponível em: https://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/countryinfo.html.

SAITO, C. K. et al. Sorologia e avaliação clínica: correlação no diagnóstico da dengue. Revista CuidArt. 2017 jan.-jun.; 11(1): 72-77.

LAGUARDIA, J.; PENA, M. L. Definição de caso e vigilância epidemiológica. Inf. Epidemiol. Sus v.8 n.4 Brasília dez. 1999.

BRASIL. Resolução n. 510, de 07 de abril de 2016. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União 2016; 07 abril.

BRITO, Auremar Lima. Perfil epidemiológico da dengue no Brasil, nos anos 2009 a 2013. Brasília. 2015.

MEDEIROS, H. I. R. et al. Perfil epidemiológico notificados dos casos de dengue no Estadoda Paraíba no período de 2017 a 2019. Braz. J. of Develop.,Curitiba, v.6, n.8,p. 57536-57547aug.2020.

ASSUNÇÃO, Marilene Lopes; AGUIAR, Antônio Marcos Moreira. Perfil clínico-epidemiológico da dengue no município de Juscimeira – MT. Rev Epidemiol Control Infect. 2014;4(4):249-253.

EVANGELISTA, L. S. M. et al. Aspectos Epidemiológicos do Dengue no Município de Teresina, Piauí. BEPA, Bol. epidemiol. paul. (Online) vol.9 no.103 São Paulo jul. 2012.

PEREIRA, P. A. S. et al. Perfil epidemiológico da dengue em um município do norte brasileiro: uma análise retrospectiva. Research, Society and Development, v. 9, n.12, e37591211118, 2020.

SILVA, Cleudo Menezes. Estudo epidemiológico da dengue no município de São Paulo. Cleudo Menezes da Silva. São Paulo. 2016.

SANTOS, Camila Hofmann et al. Perfil epidemiológico do dengue em Anápolis-GO, 2001 – 2007. Revista de Patologia Tropical, v. 38, n. 4, p, 249-259. out.-dez. 2009.

SANTOS, Leila Karoline Ferreira dos et al. Perfil epidemiológico da dengue em um estado do nordeste brasileiro, 2011 a 2015. Revista Eletrônica Acervo Saúde / Electronic Journal Collection Health, [S. l.], v. Vol. 11 (10), p. 1-10, maio 2019. DOI https://doi.org/10.25248/reas.e423.2019.

OLIVEIRA, Francisco Luciano de; DIAS, Márcia Adelino da Silva. Epidemiological situation of dengue, chickengunya and zika virus in the state of rn: a necessary approach. Revista Humano Ser - UNIFACEX, [S. l.], p. 64-85, 2016

ASSIS, Vanessa Costa. Análise da qualidade das notificações de dengue informadas no sinan, na epidemia de 2010, em uma cidade pólo da zona da mata do estado de minas gerais. 2013. 67 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós - Graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal de Juiz de Fora: Juiz de Fora, 2013.

SILVA, G. M.; ANDRADE, G. M. S. S. Avaliação do perfil epidemiológico da dengue no município de Paripiranga, Bahia, Brasil. Scientia Plena 10, 097501 (2014).

RODRIGUES, Allan Eduardo Pereira et al. Perfil Epidemiológico Da Dengue Em Palmas De 2015 A 2017epidemiological Profile Of Dengue In Palmas Betwenn 2015 And 2017. Revista de Patologia do Tocantins, [S. l.], p. 1-5, 18 out. 2020. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/patologia/article/view/10493/17615. Acesso em: 21 jan. 2021.

ARAUJO, V. E. M. et al. Aumento de carga de dengue no Brasil e unidades federativas, 200 e 2015: análise do Global Burden of Disease Study 2015. Revista Brasileira de Epidemiologia, p. 205-216, Maio. 2017.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-259

Refbacks

  • There are currently no refbacks.