Diferenciais de expectativa de vida entre homens e mulheres por causa de morte: análises para a Região Sudeste e suas UFS / Life expectancy differentials between men and women due to death: analyzes for the Southeast Region and its UFS

Wanderson Costa Bomfim

Abstract


Objetivo: Mensurar a contribuição das causas de morte e grupos etários na diferença de expectativa de vida ao nascer entre homens e mulheres para a região Sudeste e suas unidades da federação, em 2018. Metodologia: Foram utilizadas tábuas de mortalidade para a região Sudeste e suas unidades da federação, para o ano de 2018, além dos dados de mortalidade por causa para o mesmo período, obtidos por meio do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM). A metodologia empregada foi o método de decomposição de Pollard. Resultados: Com exceção de São Paulo, para a região Sudeste e suas UFs foram as causas externas que tiveram maior contribuição relativa no diferencial de expectativa de vida ao nascer entre homens e mulheres. O grupo de 60 anos e mais foi, em grande maioria, o que teve maior contribuição positiva no diferencial de expectativa de vida ao nascer entre homens e mulheres, principalmente ao analisar as causas de morte por neoplasias, doenças do aparelho circulatório e doenças do aparelho respiratório. Conclusão: A maior mortalidade masculina, com elevada diferença para as mulheres em determinadas causas, indica que há muito que ser feito em termos de melhorias de condições de saúde, em especial para população masculina.


Keywords


Diferencial de Mortalidade Por Sexo, Expectativa de Vida Ao Nascer, Causas de Morte.

References


BRASIL. Ministério da Sáude. DATASUS. 2021. Disponível em: < http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0901&item=1&acao=26>.

BOMFIM, W.C.; CAMARGOS, M.C.S. Mudanças na expectativa de vida no Brasil: analisando o passado e o futuro, de 1950 a 2095. Nupem. v.13, n.29, 2021.

CORRÊA, E.R.P.; MIRANDA-RIBEIRO, A. Ganhos em expectativa de vida ao nascer no Brasil nos anos 2000: Impacto das variações da mortalidade por idade e causas de morte.. Cien Saude Colet. V.22, n.3, 2017

GAWRYSZEWSKI, V.P.; KOIZUMI, M.S.; MELLO-JORGE, M.H.P. As causas externas no Brasil no ano 2000: comparando a mortalidade e a morbidade. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 20, n. 4, p. 995-1003. 2004.

GLEI, D. A. The sex gap in mortality: historical patterns across twenty-four countries, Tours, Fance: International Union for the Scientific Study of Population, 2005 (Paper to be presented at Section 203: Gender, Health, and Mortality, IUSSP 2005).

GLEI, D. A.; HORIUCH, S. The narrowing sex differential in life expectancy in high-income population: effects of differences in the age pattern of mortality. Population Studies, London, v. 61, n. 2, p. 141-159, Jul. 2007.

GOMES R, NASCIMENTO EF, ARAUJO FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com superior. Cad Saude Publica, v,23, .3, p.565-574.2007.

KALBEN, B. B. Why men die younger: causes of mortality differences by sex. North American Actuarial Journal, Schaumburg, v. 4, n. 4, p. 83-111, Oct. 2000.

LAURENTI, R.; JORGE, M.H.P.M; GOTLIEB, Sabina Léa Davidson. Perfil epidemiológico da morbi-mortalidade masculina. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 10, n. 1, p. 35-46. 2005 .

LEE, R. The Demographic Transition: Three Centuries of Fundamental Change. Journal of Economic Perspectives, v.17,n.4, p.167-190.2003.

LEVORATO, C.D. et al . Fatores associados à procura por serviços de saúde numa perspectiva relacional de gênero. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 19, n. 4, p. 1263-1274. 2014 .

LUIZAGA, C.T.M.; GOTLIEB, S.L.D. Mortalidade masculina em três capitais brasileiras,1979 a 2007. Rev Bras Epidemiol. v.16, .n.1, p.87-99. 2013.

MACINTYRE, S.; FORD, G.;HUND K. Do women "over-report" morbidity? Men's and women's responses to structured prompting on a standard question on long standing illness. Social Science and Medicine. v.48, p.89-98.1999.

MARQUES, S.H.B. Mortalidade por causas externas no brasil de 2004 a 2013 / Mortality due to external causes in brazil from 2004 to 2013. Rev. baiana saúde pública. v.41, n.2, p. 394-409, abr. 2017.

MESLÉ, F. Ecarts d’espérance de vie entre les sexes: les causes du recul de l’avantage féminin. Revue d’épidémiologie et de santé publique, v.52, n.4, pp. 333-352. 2004.

MESLÉ, F.; VALLIN, J. Historical Trends in Mortality. In: Rogers R., Crimmins E. (eds) International Handbook of Adult Mortality. International Handbooks of Population, vol 2. Springer, Dordrecht.2011.

MINAYO, M.C.S. Seis características das mortes violentas no Brasil. Rev. bras. estud. popul., São Paulo , v. 26, n. 1, p. 135-140.2009.

MOSLEY, W.H.; CHEN, L.C. An analythical framework for the study of child survival in developing countries. Bulletin of the World Health Organization v.81, n.2. 2003.

MOURA, E.C. et al. Desigualdades de gênero na mortalidade por causas externas no Brasil, 2010. Ciência & Saúde Coletiva, 20(3):779-788, 2015.

OLIVEIRA, I.T.; MENDES, M.F. A diferença de esperança de vida entre homens e mulheres: Portugal de 1940 a 2007. Anál. Social, Lisboa , n. 194, p. 115-138, 2010 .

OMRAN, A.R. The epidemiologic transition: a theory of the epidemiology of population change. Milbank Q. v.83, n.4, p.731-757. 1971.

PAIXÃO, L.M.M.M. et al.. Acidentes de trânsito em Belo Horizonte: o que revelam três diferentes fontes de informações, 2008 a 2010. v.18, n.1, p.108-122,Rev Bras Epidemiol. 2015.

PALLONI A., PINTO-AGUIRRE, G. Adult Mortality in Latin America and the Caribbean. In: Rogers R., Crimmins E. (eds) International Handbook of Adult Mortality. International Handbooks of Population, vol 2. Springer, Dordrecht.2011.

PINHEIRO, R.S, et al. Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviços de saúde no Brasil. Cien Saude Colet. v.7, n.4, p. 687-707.2002.

POLLARD, JH. The expectation of life and its relationship to mortality. J Inst Actuar 1982; v.109,n.2, p.225-240. 1982

PRESTON, S. H.; WANG, H. Sex mortality differences in the United States: the role of cohort smoking patterns. Demography, Chicago, v. 43, n. 4, p. 631-646, Nov. 2006.

SCRIMSHA,W.; SUSAN C. M. "Infant mortality and behaviour in the regulation of family size," Population and Development Review v.4 n.3 (September): 383-404. 1978.

SIMÕES, C. C. S. Perfis de saúde e mortalidade no Brasil: uma análise de seus condicionantes em grupos populacionais específicos. Brasília: Opas, 2002.

SIVIERO, P. C. L.; TURRA, C.M.; RODRIGUES, R.N. Diferenciais de mortalidade: níveis e padrões segundo o sexo no município de São Paulo de 1920 a 2005. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 28, n. 2, p. 283- 301, 2011.

SIVIERO, P.C.L.;SOUZA, L.G.;MACHADO, C.J. Diferenciais de mortalidade por sexo no município de São Paulo em 2005 e 2016: contribuição dos grupos etários e das principais causas de óbito. R. bras. Est. Pop., v.36, 1-23, 2019.

SOUZA, L.G; SIVIERO, P.C.L. Diferenciais de mortalidade entre homens e mulheres: Sul de Minas Gerais, 2002 e 2012. Cad. saúde colet., Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 25-31. 2015 .

TROVATO, F., LALU, N. M. Narrowing sex differences in life expectancy in the industrialized world: early 1970s to early 1990s. Social Biology, v.43, pp. 20-37.1996.

UNITED NATIONS. Population Division. Department of Economic and Social Affairs. World Population Prospects 2019. Life expectancy at birth (both sexes combined) by region, subregion and country, 1950-2100 (years). Disponível em: https://population.un.org/wpp/Download/Standard/Mortality/

VALLIN, J.; MESLÉ, F. Convergences and divergences in mortality. A new approach to health transition. Demographic Research. n.2 11-44, 2004.

VERBRUGGE, L.M. The Twain meet: empirial explanations of sex differences in health and mortality. Journal of Health and Social Behaviour v.30, p.282-304. 1989.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). The Global Burden of Disease: 2004 update. WHO Library Cataloguing-in-Publication Data [Internet]. Genebra; 2008




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-254

Refbacks

  • There are currently no refbacks.