Plantas medicinais utilizadas no tratamento do Diabetes Mellitus: Uma revisão / Medicinal plants used in the treatment of Diabetes Mellitus: A review

Adjaneide Cristiane de Carvalho, Alceu Alves da Silva Oliveira, Lidiany da Paixão Siqueira

Abstract


O Diabetes Mellitus (DM) representa um problema de saúde pública com aumento considerável. Trata-se de uma desordem metabólica com etiologia diversa que atinge pessoas em todas as idades. Classifica-se em tipo 1 e 2 e diabetes gestacional, além de outros tipos específicos. A patologia é caracterizada por um desequilíbrio glicêmico associado à ausência da produção de insulina ou secreção inadequada desse hormônio, ocasionando complicações como degeneração crônica e falência de órgãos. Diante disso, as plantas medicinais têm sido bastante utilizadas como alternativa terapêutica para o tratamento dessa doença, especialmente por sua maior acessibilidade, menor custo e elevado potencial curativo. O objetivo desta pesquisa foi investigar as plantas medicinais utilizadas no tratamento do diabetes. Para tanto, realizou-se uma revisão de literatura por meio de artigos científicos, dissertações e teses, a respeito do assunto, disponíveis nas bases de dados eletrônicas SCIELO, LILACS e MEDLINE. Algumas plantas medicinais com efeito hipoglicemiante são Buahinia forficata L., Baccharis trimera (Less.) DC., Allium sativum L., Eucalyptus globulus, Phyllantus niruri, Cissus sicyoides L., Aloe vera L. e Marmodica cymbalaria. Segundo algumas teorias, o principal mecanismo de ação desses vegetais é a inibição da enzima catalisadora dos açúcares, especialmente pela atividade dos constituintes químicos quercetina e canferol, com consequente redução da glicemia sanguínea. Pelo baixo custo, efetividade e menos efeitos indesejados, o uso de medicamentos fitoterápicos e plantas medicinais no tratamento do Diabetes Mellitus tem se tornado cada vez mais frequente. Apesar disso, seu aspecto natural não exclui a possibilidade de desencadearem toxicidade, reações adversas e/ou interações medicamentosas. Sendo assim, o acompanhamento profissional é essencial, principalmente pelos farmacêuticos, visando assegurar o uso racional e seguro dessas substâncias terapêuticas. 

 


Keywords


Diabetes Mellitus, Plantas Medicinais, Hipoglicemiante.

References


ARSA, Gisela et al. Diabetes Mellitus tipo 2: Aspectos fisiológicos, genéticos e formas de exercício físico para seu controle. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum, v. 11, n. 1, p. 103-11, 2009.

BADKE, Marcio Rossato et al. saber popular: uso de plantas medicinais como forma terapêutica no cuidado à saúde. Revista de Enfermagem da UFSM, v. 6, n. 2, p. 225-234, 2016.

BARBOSA, Luisa Carla Santos. Plantas Medicinais no Tratamento Suplementar de Diabetes Mellitus Presente na Renisus: Uma Revisão de Literatura. PLAMEVASF, 2019.

BRAGANÇA, L. A. R. Plantas medicinais antidiabéticas: uma abordagem multidisciplinar. Niterói: EDUFF, v. 278, 1996.

CASTILHO, Sandra Aparecida Rabelo. Diabetes mellitus gestacional. Trabalho de CAMPOS, S. C. et al. Toxicidade de espécies vegetais. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 18, n. 1, p. 373-382, 2016.

Conclusão de Curso (Graduação em Farmácia)-Faculdade Integrado INESUL, Londrina-PR, 2008.

CARVALHO, Antonia Patrícia da Silva; DA CONCEIÇÃO, Gonçalo Mendes. Utilização de plantas medicinais em uma área da estratégia de saúde da família, Caxias, Maranhão. Enciclopédia Biosfera, v. 11, n. 21, p. 3477-88, 2015.

CECÍLIO, Alzira B. et al. Espécies vegetais indicadas no tratamento do diabetes. Revista Eletrônica de Farmácia, v. 5, n. 3, 2008.

COSTA, Fabiana Amâncio; SANTOS, Naira Cristina; MENDONÇA, Brenda de O. M. Consequências da diabetes gestacional no binômio mãe-filho. Revista Eletrônica Faculdade Montes Belos, v. 6, n. 1, 2013.

COSTA, Mariana Socorro Cunha. RESISTÊNCIA À INSULINA, OBESIDADE E SÍNDROME METABÓLICA. 2013.37 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Tese), Curso de Farmácia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), 2013.

DA SILVA, Ana Paula Paiva. Análise do remédio artesanal “tintura de patade-vaca” tendo a tintura de Bauhinia monandra Kurz como referência. 2016. Dissertação – Universidade Federal do Pará, Pará, 2016.

DE CARVALHO, Luciana Silva. Plantas Medicinais no Tratamento de Diabetes Mellitus. 2011.34 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Tese), Curso de veterinária, Universidade Federal de Goiás (UFG), 2011.

DE LIMA, Nairla Nayara Monteiro Félix et al. Allium sativum (alho): tratamento alternativo da diabetes mellitus. Mostra Científica da Farmácia, v. 4, n. 2, 2018.

DE OLIVEIRA, Anita Ferreira et al. Efeito hipoglicemiante do alho (Allium sativum L.) no diabético. VI ENCONTRO DE MONITORIA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA, XIV semana acadêmica, 2018.

DE PONTES, Maria Alana Neres et al. Bauhinia forficata L. e sua a ação hipoglicemiante. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, v. 6, n. 11, 2017.

DE SANTANA, Rebeca Chrístel Dos Santos Félix. Controle glicêmico de portadores de diabetes mellitus tipo 1 atendidos em ambulatório específico no estado de sergipe: dados de 2010 e 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (TESE) - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - CCBS DEPARTAMENTO DE MEDICINA- DME - Aracaju-SE 2018.

DUARTE, Ana Flávia Schvabe et al. O uso de plantas medicinais durante a gravidez e amamentação. Visão Acadêmica, v. 18, n. 4, 2018.

FERREIRA, Leandro Tadeu et al. Diabetes melito: hiperglicemia crônica e suas complicações. Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde, v.36, n. 3, p. 182-8, Set/Dez 2011.

GIOVANNINI, Elaine Cristina et al. Consumo de Carboidratos x Diabetes Mellitus Tipo 2: uma revisão bibliográfica. Revista Higei@-Revista Científica de Saúde, v. 2, n. 3, 2018.

GOUVEIA, Gisele Damian Antonio; SIMIONATO, Cesar. Memento Fitoterápico para prática Clínica na AB. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde. Núcleo Telessaúde Santa Catarina. 2019.

GROSS, Jorge L. et al. Diabetes melito: diagnóstico, classificação e avaliação do controle glicêmico. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, v. 46, n. 1, p. 16-26, 2002.

GUARNIZ, Willian Antônio Sagastegui. Melão-de-são-caetano do Nordeste do Brasil (Momordica charantia l.): estudo farmacognóstico e microbiológico integrado ao estudo químico. Universidade Federal do Ceará, Tese, 2020.

IBIAPINA, Waléria et al. Inserção da Fitoterapia na atenção primária aos usuários do SUS. Revista de Ciências da Saúde Nova Esperança, v. 12, n. 1, p. 60-70, 2014.

JUNIOR, Valdir F.; PINTO, Angelo C.; MACIEL, Maria Aparecida M. Plantas medicinais: cura segura. Química nova, v. 28, n. 3, p. 519-528, 2005.

KARAM, Thaysa Ksiaskiewcz et al. Carqueja (Baccharis trimera): utilização terapêutica e biossíntese. Revista Brasileira de plantas medicinais, v. 15, n. 2, p. 280-286, 2013.

KISS, A. et al. Efeito do extrato aquoso de Allium sativum L. sobre parâmetros bioquímicos de ratas com diabete induzido por Streptozotocin. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, p. 24-30, 2006.

LEAL, Adriana da Silveira. Avaliação de infusos de folhas de insulina vegetal (Cissus sicyooides L.) desidratada em ratos wistar sadios e com diabetes mellitus induzida. UFRJ, 2013.

MATSUCHITA, Hugo Leonardo Pereira; MATSUCHITA, Ana Silvia Pereira. A Contextualização da Fitoterapia na Saúde Pública. Uniciências, v. 19, n. 1, 2015.

MELO, Joabe Gomes de et al. Qualidade de produtos a base de plantas medicinais comercializados no Brasil: castanha-da-índia (Aesculus hippocastanum L.), capim-limão (Cymbopogon citratus (DC.) Stapf) e centela (Centella asiatica (L.) Urban). Acta Botanica Brasilica, v. 21, n. 1, p. 27-36, 2007.

MENGUE, S. S.; MENTZ, L. A.; SCHENKEL, E. P. Uso de plantas medicinais na gravidez. Revista brasileira de Farmacognosia, v. 11, n. 1, p. 21-35, 2001.

MENICATTI, Maurício; FREGONESI, Cristina Elena Prado Teles. Diabetes Gestacional: Aspectos fisiopatológicos e tratamento. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, v. 10, n. 2, 2006.

NASCIMENTO, Natália Nogueira. Avaliação dos efeitos do extrato de Baccharis trimera (carqueja) sobre parâmetros metabólicos e de estresse oxidativo em modelo de diabetes melito tipo 1 induzido por aloxano em ratas. UFOP, 2013.

NEGRI, Giuseppina. Diabetes melito: plantas e princípios ativos naturais hipoglicemiantes. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences vol. 41, n. 2, abr./jun., 2005.

PAIVA, Clara. Novos critérios de diagnóstico e classificação da diabetes mellitus. Medicina Interna, v. 7, n. 4, p. 234-38, 2001.

PESSINI, GREISIELE LORENA; USHIROBIRA, TÂNIA MARA ANTONELLI. Plantas medicinais no tratamento do Diabetes Mellitus. REVISTA UNINGÁ, v. 8, n. 1, 2006.

RIBEIRO, Dayane Affonso et al. Estudo exploratório sobre a formação do profissional farmacêutico na área de plantas medicinais e fitoterápicos em universidades públicas e privadas do Estado do Rio de Janeiro. Fiocruz, 2013.

RODRIGUES, H. G. et al. Efeito embriotóxico, teratogênico e abortivo de plantas medicinais. Revista brasileira de plantas medicinais, v. 13, n. 3, p. 359-366, 2011.

SANTANA, Martin Dharlle Oliveira et al. O Poder das Plantas Medicinais: uma Análise Histórica e Contemporânea sobre a Fitoterapia na visão de Idosas. Multidebates, v. 2, n. 2, p. 10-27, 2018.

SESTERHEIM, Patrícia; SAITOVITCH, David; STAUB, Henrique L. Diabetes mellitus tipo 1: multifatores que conferem suscetibilidade à patogenia auto-imune. Scientia Medica, Porto Alegre, v. 17, n. 4, p. 212-217, out./dez. 2007.

SIQUEIRA et al. O quebra-pedra e suas propriedades medicinais. Centro de Informações sobre Medicamentos Plantas Medicinais e Tóxicas. 2012.

SILVA, Francinaldo Araújo. Tratamento do diabetes mellitus tipo 2 através do uso de plantas medicinais. 2017. 41 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Tese), Curso de Farmácia, Faculdade de Educação e Meio Ambiente - FAEMA, Rondônia, 2017.

SOUZA, Camila Furtado de et al. Pré-diabetes: diagnóstico, avaliação de complicações crônicas e tratamento. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, v. 56, n. 5, p. 275-284, 2012.

SOUSA, Larissa da Silva dos Santos. Conhecimento e prática de profissionais de atenção básica sobre plantas medicinais e fitoterápicos no tratamento de hipertensão e diabetes em município do Recôncavo da Bahia. 2019.

TONELLI, Carlos André. Avaliação da eficácia clínica de cápsulas contendo extrato padronizado de Bauhinia forficata Link (pata-de-vaca) em pacientes diabéticos. 2019.

TRINDADE, Marianne Teixeira et al. Atenção farmacêutica na fitoterapia. ANAIS SIMPAC, v. 10, n. 1, 2019.

UGALDE, Rita; ETHUR, Luciana Zago. QUEBRA-PEDRA (PHYLLANTHUS NIRURI L.)-IMPORTÂNCIA, COMPOSTOS BIOATIVOS E USO MEDICINAL. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 2019.

VEGA G, A.; AMPUERO C, N.; DIAZ N, L. El. Aloe vera (Aloe barbadensis miller) como componente de alimentos funcionales. 32 (3): 208-214. 2005. Scielo, 2005.

VOLPATO, G. T. et al. Revisão de plantas brasileiras com comprovado efeito hipoglicemiante no controle do Diabetes mellitus. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, p. 35-45, 2002.

XAVIER, Adriana Tosta; DA SILVA NUNES, Jucélia. Tratamento de diabetes mellitus com plantas medicinais. Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, v. 9, n. edesp, p. 603-609, 2018.

ZENI, Ana Lúcia Bertarello et al. Utilização de plantas medicinais como remédio caseiro na Atenção Primária em Blumenau, Santa Catarina, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, p. 2703-2712, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-247

Refbacks

  • There are currently no refbacks.