Tabagismo no Brasil: análise panorâmica dos últimos 10 anos/ Smoking in Brazil: an overview of the last 10 years

Anderson Félix da Silva, Guilherme Castro de Queiroz

Abstract


O tabagismo é um dos fatores de risco mais importantes e prevenível, associando-se principalmente a doenças circulatórias, cânceres e doenças respiratórias crônicas. No Brasil, foi instituído em 1989, o Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT), tendo como objetivo reduzir a prevalência de fumantes e a morbimortalidade relacionada ao consumo do tabaco. Apesar de se observar melhora no cenário e no comportamento das pessoas, o tabagismo persiste como um problema de saúde pública. Objetiva-se analisar o panorama do tabagismo no Brasil em 10 anos, verificando se a frequência de fumantes sofreu modificação, e consequentemente, se as políticas públicas foram eficazes. Foram analisados dados do relatório Vigitel Brasil 2009 e 2019, disponibilizados pelo Ministério da Saúde, sendo realizada uma análise descritiva e qualitativa dos dados. Em 2009 a frequência de adultos fumantes encontrada foi 15,5%, sendo de 19% no sexo masculino e 12,5% no sexo feminino. A frequência variou de 8% em Aracaju a 22,5% em Porto Alegre. Já em 2019 a frequência de adultos fumantes encontrada foi de 9,8%, sendo de 12,3% no sexo masculino e 7,7% no sexo feminino. A frequência variou de 4,4% em Teresina a 14,6% em Porto Alegre. A frequência de fumantes de 2009 para 2019 sofreu uma redução de 36,77%, apontando para a efetividade do PNCT. Entretanto, o hábito de fumar continua sendo um problema de saúde pública, justificando a necessidade de ampliar e implementar novas ações ao PNCT, para obtenção de resultados mais contundentes.


Keywords


Tabagismo, Políticas Públicas, Saúde Pública.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2009: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 150 p.: il.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2019: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2019 [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2020. 137.: il.

OPAS/OMS. Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde. Folha informativa – Tabaco. Atualizado em Julho de 2019. Disponível em: .

PINTO M et al. Carga de doença atribuível ao uso do tabaco no Brasil e potencial impacto do aumento de preços por meio de impostos. Documento técnico IECS N° 21. Instituto de Efectividad Clínica y Sanitaria, Buenos Aires, Argentina. Maio de 2017. Disponível em: .

SILVA, Luiz Carlos Corrêa da et al. Smoking control: challenges and achievements. J. bras. pneumol., São Paulo, v. 42 ,n. 4, p. 290-298, Agosto. 2016.

SILVA, Sandra Tavares da et al. Combate ao Tabagismo no Brasil: a importância estratégica das ações governamentais. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro,v. 19, n. 2, p. 539-552, Fevereiro. 2014.

CAMPOS, Paulo Cesar Moreira; GOMIDE, Marcia. O Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) na perspectiva social: a análise de redes, capital e apoio social. Cad. saúde colet., Rio de Janeiro,v. 23, n. 4, p. 436-444, Dezembro. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Programa Saber Saúde. Programa Nacional de Controle do Tabagismo. Instituto Nacional de Câncer. Atualizado em Maio de 2021. Disponível em < https://www.inca.gov.br/programa-nacional-de-controle-do-tabagismo/programa-saber-saude>. Acesso em 19 maio 2021.

FRANCO, Eduardo. Avanços do Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT). Divisão de Controle do Tabagismo e outros Fatores de Risco/Coordenação de Prevenção e Vigilância. INCA/SAS/MS, 2018.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – Tabagismo 2008. Rio de Janeiro: IBGE; 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Convenção-Quadro da OMS para o Controle do Tabaco no Brasil: dez anos de história – 2005-2015 / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. – 2. ed. rev. atual. – Rio de Janeiro: Inca, 2018. 88p.; il. Color.

PORTES, Leonardo Henriques et al. A Política de Controle do Tabaco no Brasil: um balanço de 30 anos. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, p. 1837-1848, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Preços e Impostos. Observatório da Política Nacional de Controle do Tabagismo. Instituto Nacional de Câncer. Atualizado em fev. 2020. Disponível em < https://www.inca.gov.br/observatorio-da-politica-nacional-de-controle-do-tabaco/precos-e-impostos >. Acesso em 19 maio 2021.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-237

Refbacks

  • There are currently no refbacks.