Tétano acidental: uma revisão dos aspectos clínicos, epidemiológicos e neuroquímicos / Accidental tetanus: a review of clinical, epidemiological and neurochemical aspects

Ana Luiza Silveira Larrubia, Bruno Zafalon, Elias Marcelo Rodrigues Bressan, Humberto Gessinger Nascimento dos Santos, Kezia Vaz dos Santos Cândido, Priscylla Rangel Blaszak, Fernando de Mesquita Júnior

Abstract


O tétano acidental é uma doença de alta letalidade, a qual é causada pela neurotoxina tetânica (TeNT) liberada na autólise da bactéria Clostridium tetani em condições favoráveis. Essa enfermidade é decorrente do impedimento da liberação do ácido gama-aminobutírico (GABA) e da glicina dos neurônios inibitórios, o que deixa o neurônio motor em estado de hiperatividade, acarretando na paralisia muscular e morte. O nome tétano é derivado da palavra tetéin, que no latim significa rigidez muscular. A etimologia do seu nome é condizente com os sintomas iniciais da enfermidade: o trismo e o riso sardônico, ambos decorrentes da contração involuntária dos músculos do rosto. Apesar de existir imunização para a doença, ainda surgem casos todos os anos. Neste estudo foi realizado uma revisão de literatura, de modo a compreender e relacionar o tétano acidental e sua forma de atuação no corpo com os clássicos sintomas demonstrados, bem como seu padrão epidemiológico. Para isso, foram consultadas plataformas de busca online como: US National Library of Medicine National Institutes of Health – PubMed, portal de teses da UFMG, Scientific Eletronic Library Online – SciELO e a Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP.


Keywords


Tétano, Rigidez Muscular, Tetania.

References


Sartori GL. Caracterização e avaliação da atividade enzimática da toxina tetânica submetida à radiação gama por Cobalto 60 [Dissertação]. São Paulo: Instituto de Medicina Tropical, Universidade de São Paulo; 2019;

Ribeiro TE. O Tétano e suas Implicações para a Saúde Pública: Uma Revisão Bibliográfica [Trabalho de Conclusão de Curso]. Teófilo Otoni: Universidade Federal de Minas Gerais; 2011;

Surana S, Tosolini AP, Meyer IFG, Fellows AD, Novoselov SS, Schiavo G. The travel diaries of tetanus and botulinum neurotoxins. Toxicon. 2018;

da Silva DM. O tétano como doença de base para disfagia. Rev CEFAC. 2010; 12(3):499- 504;

Nassaralla AP, Doumit AM, Melo CF, Léon LC, Vidal RA, Moura LR. Dimensões e consequências do movimento antivacina na realidade brasileira. Rev Edu Saúde. 2019; v. 7: 120-5;

Okumoto O, Brito SMF, Schwartz AS, Abreu AL, Rohlfs DB, Duarte E, et al. Situação epidemiológica do tétano acidental no Brasil, 2007-2016. Boletim Epidemiológico. Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde. Brasil. 2018;

Ohama VH, Bezerra AM, Castro EF de, Sprovieri SRS. Tétano acidental em adultos: uma proposta de abordagem inicial. Arq Médicos dos Hosp e da Fac Ciências Médicas da St Casa São Paulo. 2019;

Bae C, Bourget D. Tetanus. StatPearls [Internet].20 dez 2019. [acesso em 22 fev 2020]. Disponivel em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK459217/?report=classic;

George EK, Vivekanandan R. Clostridium Tetani. StatPearls [Internet]. 10 dez 2019 [acesso em 22 fev 2020]. disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK482484/;

Dong M, Masuyer G, Stenmark P. Botulinum and Tetanus Neurotoxins. Annu Ver Biochem. 2019;




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-214

Refbacks

  • There are currently no refbacks.