Análise do número de procedimentos de reperfusão coronária e da mortalidade relacionada à angioplastia primária na Região Pireneus em Goiás / Analysis of the number of coronary reperfusion procedures and mortality related to primary angioplasty at Pireneus Region in Goiás

Paulo Victor Lopes, Felipe Zibetti Pereira, Luany Patrícia Liberato de Oliveira, André Guimarães Araujo, Rafael Souto, Andreza Moreira Santos, Lucas Mike Naves Silva

Abstract


Objetivo: Analisar o número de procedimentos de reperfusão coronária e a mortalidade relacionada à angioplastia primária na região de Pireneus em Goiás, no período de 2010 a 2019. Métodos: Trata-se de um estudo observacional, quantitativo, descritivo e exploratório. Os dados foram coletados utilizando o Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS) e o Sistema de Informações de Óbito (SIM). O recorte do estudo foi a população da região de saúde Pireneus, em Goiás, no período de 2010 a 2019. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica com desenvolvimento longitudinal retrospectivo sobre o número de angioplastias primárias realizadas e a taxa de mortalidade relacionada a estes procedimentos. Resultados: Foram identificados 3.091 casos de Infarto Agudo do Miocárdio e a realização de 887 procedimentos de reperfusão coronária. Do total de procedimentos realizados, 45,43% (n=403) foram de angioplastia coronariana primária. O ano com maior frequência relativa de procedimentos foi o de 2019 com 52,44% (118 procedimentos em 225 casos). Foram identificados 97 óbitos, com taxa de mortalidade de 4,09. O número de óbitos manteve-se sem grandes alterações com o passar dos anos. Conclusões: Foi possível constatar que a produção hospitalar não está de acordo com às recomendações nacionais existentes para o manejo do paciente vítima de Infarto Agudo do Miocárdio, devido à baixa quantidade de procedimentos em relação a quantidade de pacientes diagnosticados. Além disso, a mortalidade pelos procedimentos é semelhante ao estimado pelo Ministério da Saúde. Espera-se que esse estudo sirva como ferramenta influenciadora de decisões em saúde assistencial e fomente novas pesquisas.


Keywords


Infarto do Miocárdio, Doenças Cardiovasculares, Reperfusão Miocárdica, Registros de Mortalidade, Saúde Pública, Assistência à Saúde.

References


Souza MDFMD, Malta DC, França EB, Barreto ML. Transição da saúde e da doença no Brasil e nas Unidades Federadas durante os 30 anos do Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 2018; 23, 1737-1750.

Siervuli MTF, Silva ADS, Silva ACD, Muzzi RAL, Santos GAB. Infarto do miocárdio: alterações morfológicas e breve abordagem da influência do exercício físico. Rev Bras Cardiol, 2014; 27(5), 349-55.

Brant LCC, Nascimento BR, Junqueira LL, de Ataíde Castro LR, Marcolino MS, Ribeiro ALP. A importância da criação de rede de cuidado para o tratamento do IAM com supra de ST e a experiência da Unidade Coronariana do Hospital das Clínicas/UFMG. Rev Med Minas Gerais, 2012; 22(1), 1-128.

Piegas LS, Timerman A, Feitosa GS, Nicolau JC, Mattos LAP, Andrade MD, Mansur AP. V Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre tratamento do infarto agudo do miocárdio com supradesnível do segmento ST. Arquivos brasileiros de cardiologia, 2015; 105(2), 1-121.

Baruzzi ACDA, Stefanini E, Pispico A. Infarto agudo do miocárdio com supra de ST: trombólise em qualquer local que a medicação esteja disponível. Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo, 2018; 409-420.

Baruzzi ACD, Stefanini E, Manzo G. Fibrinolíticos: indicações e tratamento das complicações hemorrágicas. Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo, 2018; 421-427.

Melo ECP. Infarto agudo do miocárdio no Município do Rio de Janeiro: qualidade dos dados, sobrevida e distribuição espacial. Doctoral dissertation, 2004.

Teston EF, Cecilio HP, Santos AL, Arruda GOD, Radovanovic CA, Marcon SS. Fatores associados às doenças cardiovasculares em adultos. Medicina, Ribeirão Preto, 2016; 49(2), 95-102.

Pinho NDA, Pierin AMG. O controle da hipertensão arterial em publicações brasileiras. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 2013; 101(3), e65-e73.

Allender S, Scarborough P, O'Flaherty M, Capewell S. Patterns of coronary heart disease mortality over the 20 th century in England and Wales: Possible plateaus in the rate of decline. BMC public health, 2008; 8(1), 148.

Vieira CP, Neves DV, Nogueira MS, Hayashida M, Souza LD, Cesarino EJ. Análise da mortalidade de pacientes hipertensos de unidade pública e especializada na cidade de Ribeirão Preto (SP). Rev Bras Cardiol, 2012; 25(4), 276-281.

Silva TLN, Klein CH, Rocha Nogueira A, Salis LHA, Silva NADS, Bloch KV. Cardiovascular mortality among a cohort of hypertensive and normotensives in Rio de Janeiro-Brazil-1991–2009. BMC Public Health, 2015; 15(1), 623.

André C, Curioni CC, Braga da Cunha C, Veras R. Progressive decline in stroke mortality in Brazil from 1980 to 1982, 1990 to 1992, and 2000 to 2002. Stroke, 2006; 37(11), 2784-2789.

Subcommittee SS. Heart disease and stroke statistics-2016 update: a report from the American Heart Association. Circulation, 2016; 133(4), e38-e360.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, Título VIII da Ordem Social, Capítulo II, Seção II, Artigo 196. Senado, Brasília: DF. 1988.

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, set. 1990.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-213

Refbacks

  • There are currently no refbacks.