Análise dos casos de Infarto Agudo do Miocárdio e dos seus índices de mortalidade na região Pireneus em Goiás / Analysis of Acute Myocardial Infarction events and its mortality rates at Pireneus region in Goiás

Luany Patrícia Liberato de Oliveira, Paulo Victor Lopes, André Guimarães Araujo, Andreza Moreira Santos, Felipe Zibetti Pereira, Helen de Lima, Lucas Mike Naves Silva, Rafael Souto

Abstract


Objetivo: Analisar a série histórica dos casos de Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) e dos índices de mortalidade relacionados à doença na região Pireneus em Goiás, de 2010 a 2019, e identificar os pontos de atenção para assistência do paciente, comparando aos critérios e parâmetros estabelecidos na Portaria Nº 210, de 15 de junho de 2004. Métodos: Trata-se de um estudo observacional, quantitativo, descritivo e exploratório. Os dados foram coletados utilizando o Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS) e o Sistema de Informações de Óbito (SIM). O recorte do estudo foi a população da região de saúde Pireneus, em Goiás, no período de 2010 a 2019. Foram estabelecidas uma série histórica e uma pesquisa bibliográfica longitudinal retrospectiva sobre os pacientes diagnosticados com IAM e sua taxa de mortalidade. Resultados: Foram identificados 3.091 casos de Infarto Agudo do Miocárdio e 360 óbitos, com taxa de mortalidade de 4,09. A maior quantidade de óbitos ocorreu no ano de 2010 e desde então houve uma queda considerável ao longo do tempo. Em relação a estrutura de atenção existente, foi possível identificar critérios e parâmetros passíveis de melhora e adequação. Conclusões: Foi possível identificar pontos de intervenção, com o objetivo de fortalecer e adequar o atendimento de pacientes vítimas de IAM. Ademais, este estudo permitiu a análise da qualidade, efetividade e adequação das ações desenvolvidas na atenção à saúde do paciente com IAM respeitando os princípios doutrinários do SUS, que garantem o acesso universal, integral e equânime à assistência de saúde de qualidade.


Keywords


Infarto do Miocárdio. Doenças Cardiovasculares. Registros de mortalidade. Assistência à Saúde. Saúde Pública.

References


Souza MDFMD, Malta DC, França EB, Barreto ML. Transição da saúde e da doença no Brasil e nas Unidades Federadas durante os 30 anos do Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 2018; 23, 1737-1750.

Santos JD, Meira KC, Camacho AR, Salvador PTCDO, Guimarães RM, Pierin ÂMG, Freire FHMDA. Mortalidade por infarto agudo do miocárdio no Brasil e suas regiões geográficas: análise do efeito da idade-período-coorte. Ciência & Saúde Coletiva, 2018; 23, 1621-1634.

Magalhães FJ, de Araújo Mendonça LB, de Almeida Rebouças CB, Lima FET, Custódio IL, de Oliveira SC. Fatores de risco para doenças cardiovasculares em profissionais de enfermagem: estratégias de promoção da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 2014; 67(3), 394-400.

Brant LCC, Nascimento BR, Junqueira LL, de Ataíde Castro LR, Marcolino MS, Ribeiro ALP. A importância da criação de rede de cuidado para o tratamento do IAM com supra de ST e a experiência da Unidade Coronariana do Hospital das Clínicas/UFMG. Rev Med Minas Gerais, 2012; 22(1), 1-128.

Teston EF, Cecilio HP, Santos AL, Arruda GOD, Radovanovic CA, Marcon SS. Fatores associados às doenças cardiovasculares em adultos. Medicina, Ribeirão Preto, 2016; 49(2), 95-102.

Nicolau JC, Timerman A, Piegas LS, Marin-Neto JA, Rassi JA. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre angina instável e infarto agudo do miocárdio sem supradesnível do segmento ST (II Edição, 2007). Arq Bras Cardiol, 2007; 89(4), e89-e131.

Ouchi JD, Teixeira C, Ribeiro CAG, Oliveira CC. Tempo de chegada do paciente infartado na unidade de terapia intensiva: a importância do rápido atendimento. Ensaios e Ciência, 2017; 21(2), 92-97.

Siervuli MTF, Silva ADS, Silva ACD, Muzzi RAL, Santos GAB. Infarto do miocárdio: alterações morfológicas e breve abordagem da influência do exercício físico. Rev Bras Cardiol, 2014; 27(5), 349-55.

Baruzzi ACDA, Stefanini E, Pispico A. Infarto agudo do miocárdio com supra de ST: trombólise em qualquer local que a medicação esteja disponível. Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo, 2018; 409-420.

Baruzzi ACD, Stefanini E, Manzo G. Fibrinolíticos: indicações e tratamento das complicações hemorrágicas. Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo, 2018; 421-427.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria n. 210/SAS/MS, de 15 de junho de 2004. Definir Unidades de Assistência em Alta Complexidade Cardiovascular e os Centros de Referência em Alta Complexidade Cardiovascular e suas aptidões e qualidades

Kushner FG, Hand M, Smith SC, Jr., et al. 2009 focused updates: Acc/aha guidelines for the management of patients with stelevation myocardial infarction (updating the 2004 guideline and 2007 focused update) and acc/aha/scai guidelines on percutaneous coronary intervention (updating the 2005 guideline and 2007 focused update) a report of the american college of cardiology foundation/american heart association task force on practice guidelines. J Am Coll Cardiol. 2009; 54:2205-41.

Jacobs AK, Antman EM, Faxon DP, Gregory T, Solis P. Development of systems of care for st-elevation myocardial infarction patients: Executive summary. Circulation. 2007; 116:217-30.

Piegas LS, Timerman A, Feitosa GS, Nicolau JC, Mattos LAP, Andrade MD, Mansur AP. V Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre tratamento do infarto agudo do miocárdio com supradesnível do segmento ST. Arquivos brasileiros de cardiologia, 2015; 105(2), 1-121.

Piegas LSFG, Mattos LA, Nicolau JC, et al. Diretriz da sociedade brasileira de cardiologia sobre tratamento do infarto agudo do miocárdio com supradesnível de st. Arq Bras Cardiol. 2009; 93:e179-e264.

Oliveira MLF, Scochi MJ. Determinantes da utilização dos serviços de urgência/ emergência em Maringá (PR). Revista Ciência, Cuidado e Saúde. 2002;1(1):123-8.

Gawryszewski ARB, Oliveira DC, Gomes AMT. Acesso ao SUS: representações e práticas de profissionais desenvolvidas nas Centrais de Regulação. Physis:Revista de Saúde Coletiva. 2012;22(1):119-40.

Stumm EMF, Ribeiro G, Kirchner RM, Loro MM, Rosanelli CLSP. Avaliação da saúde e qualidade de vida: Profissionais de um SAMU. Cogitare Enferm. 2009;14(4):620-7.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-192

Refbacks

  • There are currently no refbacks.