O uso das práticas integrativas e complementares em saúde no estímulo à qualidade de vida e ao autocuidado: relato de experiência/ The use of integrative and complementary practices in health in stimulating quality of life and self-care: experience report

Ana Catarina Leite Véras Medeiros, Hércules dos Santos, Sheyla Santos Gois, Mariana Moreira Andrade, Lucas Matheus Santos de Matos

Abstract


Esse estudo teve como objetivo relatar a experiência de acadêmicos de fisioterapia da Universidade Federal de Sergipe (UFS) acerca da importância das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS) para promoção da qualidade de vida e o autocuidado em saúde. Assim, trata-se de um estudo descritivo, no formato relato de experiência, realizado no território de uma Unidade Básica de Saúde do município de Lagarto, Sergipe, com apoio da enfermeira e da Agente Comunitária de Saúde da microárea de referência e do Centro de Referência em Assistência Social, localizado nesse território. Assim, baseou-se no Método do Arco de Charles Maguerez - 1ª observação da realidade, 2ª pontos-chave, 3ª teorização, 4ª hipóteses de solução e 5ª aplicação à realidade. Foram realizadas visitas à comunidade para conhecimento, diálogo e identificação de hábitos de saúde e uso das PICS, registrando os dados em diário de campo e realizadas pesquisas para reforçar os achados e auxiliar na elaboração de hipóteses de solução. Foi escolhido como público-alvo o grupo de idosos do CRAS e no momento das 1ª, 2ª e 3ª etapas do arco, foi observado que muitos conheciam as PICS através da USF e haviam gostado e fariam novamente, como a auriculoterapia, Reiki e massoterapia e que praticavam atividade física para cuidar da saúde, como caminhadas e academia da saúde, seja porque gostavam ou se sentiam bem ou por recomendação médica e precisarem melhorar a saúde. Esses achados junto com pesquisas sobre o assunto, auxiliaram na 4ª e 5ª etapa do arco. Assim, foi realizada uma atividade de educação em saúde acerca das PICS e sua utilização, e escolhidas algumas práticas que foram aplicadas junto aos presentes como o alongamento, auriculoterapia, automassagem e dança circular. Percebeu-se que a intervenção proporcionou ampliação do conhecimento e trocas acerca da temática e interação e relaxamento entre as participantes, que interagiram, indo além dos seus limites e, compartilhando saberes, afetos e vivências, fortalecendo o vínculo social e demonstrando satisfação com as atividades realizadas e interesse em continuar fazendo uso das PICS em sua comunidade. Além disso, o uso da metodologia ativa, proporcionou aos acadêmicos de fisioterapia, aproximação à realidade social no qual estão inseridos, favorecendo uma formação diferenciada e capaz de superar desafios de maneira dinâmica, rápida e dialogada às particularidades do território e de seus participantes, instituindo formas mais sólidas de diálogo. Assim, percebeu-se que essa atividade foi importante para incentivar o cuidado em saúde e o uso das PICS para promoção da qualidade de vida, despertando a visão dos participantes acerca da temática e a vontade de vivenciar outros momentos de cuidado. Apesar disso, as PICS ainda necessitam ser mais exploradas e divulgadas, ganhando mais espaço no Sistema Único de Saúde (SUS) com investimentos, qualificação profissional e mais estudos sobre a temática.


Keywords


Terapias complementares, Fisioterapia, Promoção da saúde, Autocuidado, qualidade de vida.

References


Maggi, RM. Estratégia para promoção do estilo de vida ativo em usuários do sistema único de saúde [Monografia]. Criciúma: Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Básica/ Saúde Coletiva, Universidade do Extremo Sul Catarinense; 2012. [Acesso em 20 mar 2021]. Disponível em: https://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/3773

Habimorad PHL et al. Potencialidades e fragilidades de implantação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Cien. Saude Colet. 2020; 25(2):395-405. [Acesso em 20 mar 2021]. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232020000200395&script=sci_abstract&tlng=pt

Brasil. Ministério da Saúde (MS). PORTARIA Nº 971, DE 03 DE MAIO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário oficial da União; 2006, 04 mai. [Acesso em 20 mar 2021]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html

Vieira ABD, Marques PFP, Vargas V, Oliveira L, Nascimento BG, Moura LBA. As Práticas Integrativas e Complementares em Saúde como um caminho para a sensibilização e formação de acadêmicos da saúde: relato de experiência. Vittalle – Rev. Cienc. Saude 2018; 30(1):137-143. [Acesso em 20 mar 2021]. Disponível em: https://periodicos.furg.br/vittalle/article/view/7493

CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL (COFFITO). RESOLUÇÃO COFFITO nº. 380, de 3 de novembro de 2010. Regulamenta o uso pelo Fisioterapeuta das Práticas Integrativas e Complementares de Saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União; 2010, 11 nov. [Acesso em 20 mar 2021]. Disponível em: https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=1437.

CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL (COFFITO). ACÓRDÃO Nº 611, DE 1º DE ABRIL DE 2017 – normatização da utilização e/ou indicação de substâncias de livre prescrição pelo fisioterapeuta. Diário Oficial da União; 2007, 25 abr. [Acesso em 20 mar 2021]. Disponível em: https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=6670.

Salles LF, Bel Homo RF, Silva MJP. Situação do ensino das práticas integrativas e complementares nos cursos de graduação em enfermagem, fisioterapia e medicina. Cogitare enferm. 2014; 19(4):741-746. [Acesso em 03 abr 2021]. Disponível em:

SITUAÇÃO DO ENSINO DAS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM, FISIOTERAPIA E MEDICINA | Salles | Cogitare Enfermagem (ufpr.br)

Diesel A, Baldez ALS, Martinz SN. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema 2017; 14(1):268-88. [Acesso em 03 abr 2021]. Disponível em: d809f6a5-8ea2-9780-711d-1f5431881214 (aprendizagemconectada.mt.gov.br)

Fujita JALDM, Carmona EV, Shimo AKK, Mecena EH.. Uso da metodologia da problematização com o Arco de Maguerez no ensino sobre brinquedo terapêutico. Rev. Port. de Educação 2016; 29(1):229–258. [Acesso em 03 abr 2021]. Disponível em: Uso da metodologia da problematização com o Arco de Maguerez no ensino sobre brinquedo terapêutico | Revista Portuguesa de Educação (rcaap.pt)

Lima TCS, Mioto RCT, Prá KRD. A documentação no cotidiano da intervenção dos assistentes sociais: algumas considerações acerca do diário de campo. Revista Textos contextos 2007; 6(1): 93-104. [Acesso em 03 abr 2021]. Disponível em: Microsoft Word - Artigo Keli.doc (unesav.com.br)

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Saúde Brasil 2008: 20 anos de Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil. 1. ed. Brasília: MS; 2009. 416p. [acessado 01 abr 2021]. Disponível em: Saúde Brasil 2008 (saude.gov.br)

Morosini MV, Fonseca AF. Os agentes comunitários na Atenção Primária à Saúde no Brasil: inventário de conquistas e desafios. Saúde debate 2018; 42 (num. esp. 1): 261-274.

[Acesso em 03 abr 2021]. Disponível em:0103-1104-sdeb-42-spe01-0261.pdf (scielo.br)

Brasil. Centro de Referência de Assistência Social – CRAS. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDSCF). Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social- CRAS. 1 ed. Brasília: MDSCF; 2009. 72 P. [Acesso em 03 abr 2021]. Disponível em:Orientacoes Tecnicas - Centro de Referencias de Assistencia Social (CRAS)22.pdf (mds.gov.br)

Pereira DS, Nogueira JAD, Silva CAB. Qualidade de vida e situação de saúde de idosos: um estudo de base populacional no Sertão Central do Ceará. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2015; 18(4):893-908.[Acesso em 03 abr 2021]. Disponível em:

pt_1809-9823-rbgg-18-04-00893.pdf (scielo.br)

Maciel MG. Atividade física e funcionalidade do idoso. Motriz 2010; 16(4):1024-1032.

[Acesso em 03 abr 2021]. Disponível em: ARTIGOS (scielo.br)

Lopes MA, KRUG, RR, Bonetti A, Mazo GZ. Barreiras que influenciaram a não adoção de atividade física por longevas. Rev. Bras. Ciênc. Esporte 2016; 38 (1): 76-83.[Acesso em 03 abr 2021]. Disponível em:

Barreiras que influenciaram a não adoção de atividade física por longevas (scielo.br)

Sá GBAR, Dornelles GC, Cruz KG, Amorim RCA, Andrade SSCA, Oliveira TP et al. O Programa Academia da Saúde como estratégia de promoção da saúde e modos de vida saudáveis: cenário nacional de implementação. Ciênc. saúde colet. 2016; 21(6):1849-1860. [Acesso em 03 abr 2021]. Disponível em:1413-8123-csc-21-06-1849.pdf (scielo.br)

Salci MA, Meirelles BHS, Silva DMGV. Educação em saúde para prevenção das complicações crônicas do diabetes mellitus na atenção primária. Esc. Anna Nery 2018; 22(1): e20170262. [Acesso em 03 abr 2021]. Disponível em: pt_1414-8145-ean-2177-9465-EAN-2017-0262.pdf (scielo.br)

Fidelis LT, Patrizzi LJ, Walsh IAPD. Influência da prática de exercícios físicos sobre a flexibilidade, força muscular manual e mobilidade funcional em idosos. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2013; 16(1):109-116. [Acesso em 03 abr 2021]. Disponível em: a11v16n1.pdf (scielo.br)

Romão KRS, Marinho KRO, Jatobá NPS, Lima SKF, Neto AVL. Benefícios da dança circular na terceira idade [Internet]. In: Congresso Nacional de envelhecimento humano; 2016. Natal: Realize; 2016. [Acesso em 01 abr 2021]. Disponível em:

http://editorarealize.com.br/index.php/artigo/visualizar/24385.

Barbosa FV, Batista AN, Galvão MGM, Barbosa ECH, Paulo, GP. Automassagem sobre a perspectiva da educação em saúde: Análise e intervenção. Rev. APS. 2014; 17(4): 450 - 458. [Acesso em 20 mar 2021]. Disponível em: v. 17 n. 4 (2014) | Revista de APS (ufjf.br)

Correa HP, Moura CC, Azevedo C, Bernardes MFVG, Mata LRFP, Chianca TCM. Efeitos da auriculoterapia sobre o estresse, ansiedade e depressão em adultos e idosos: revisão sistemática. Rev. esc. enferm. USP 2020; 54: e03626. [Acesso em 20 mar 2021]. Disponível em: 1980-220X-reeusp-54-e03626.pdf (scielo.br)

Lima PCP, Queiroz APBD, Estácio MMDS. As práticas integrativas e complementares em saúde: instrumento de melhoria da saúde do idoso. [Internet]. In: Congresso Nacional de envelhecimento humano; 2016. Natal: Realize; 2016. [Acesso em 01 abr 2021]. Disponível em: http://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/24336.

Santos MS, Amarello MM, Vigeta SMG, Horta ALM, Tanaka LH, Souza KMJ . Práticas integrativas e complementares: avanços e desafios para a promoção da saúde de idosos. REME rev. min. enferm. 2018; 22: e-1125. [Acesso em 30 mar 2021]. Disponível em: e1125.pdf (gn1.link)




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-189

Refbacks

  • There are currently no refbacks.