Percepção de uma comunidade acadêmica das diferenças entre medicamentos de referência e genéricos / An academic community's perception of the differences between reference and generic drugs

Francielen Souto Soares, Leonardo Oliveira Souza, Luis Paulo Ribeiro Ruas, Valéria Farias Andrade, Talita Antunes Guimarães, Thaisa de Almeida Pinheiro, Flávio Júnior Barbosa Figueiredo, Thales de Almeida Pinheiro

Abstract


O medicamento é um produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico. Existem no mercado farmacêutico os medicamentos de referência e os genéricos, sendo que estes últimos têm que apresentar equivalência farmacêutica e bioequivalência em relação aos primeiros. No entanto, há por parte da população uma grande desconfiança quanto à eficácia dos medicamentos genéricos. O objetivo desse estudo foi avaliar a percepção de uma comunidade acadêmica de estudantes de graduação nas áreas de ciências da saúde e exatas sobre as diferenças entre medicamentos de referência e genéricos. Os processos metodológicos adotados neste trabalho foram de caráter descritivo, transversal com abordagem quantitativa. A coleta de dados foi realizada a partir da aplicação de um questionário com questões objetivas. Os resultados foram avaliados pelo programa SPSS 20.0 (Statistical Package for the Social Sciences) for Windows. Foi utilizado o teste Qui-quadrado para avaliar as diferenças de proporções dos dados categóricos sendo considerado significativo p≤0,05. A partir da análise dos resultados verificou-se que 97,4% dos entrevistados afirmaram saber o que é um medicamento genérico e 92,8% já ter usado esse tipo de medicamento. Constatou-se também que 74,2% afirmaram saber diferenciar os medicamentos de referência dos genéricos e 80,9% disseram acreditar que os medicamentos genéricos têm mesmo efeito do que o medicamento de referência. Conclui-se que os entrevistados demonstraram ter um elevado nível de conhecimento sobre os medicamentos genéricos, resultado que pode justificar o desenvolvimento de ações para a consolidação da Política dos Genéricos no Brasil, uma vez que a parcela ocupada por esses medicamentos no mercado nacional ainda é muito limitada.


Keywords


Medicamentos de Referência, Genéricos, Diferenças.

References


AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Estabelece regras para a rotulagem de medicamentos. Resolução da Diretoria Colegiada nº 71, de 22 de dezembro de 2009.

ARRAIS, P. D.S; BRITO, L. L; BARRETO. M. L; COELHO, H.L.L. Prevalência e fatores determinantes do consumo de medicamentos no Município de Fortaleza, Ceará, Brasil. Cad Saude Publica. 2005;21(6):1737-46. DOI:10.1590/S0102-311X2005000600021

Ascione, F. J., Kirking, D. M., Gaither, C. A., &Welage, L. S. (2001).Historical overview of generic medication policy.Journal American Pharmaceutical Associaton (Wash), 41(4), 567- 577.

BERMUDEZ, J. Medicamentos genéricos: uma alternativa para o mercado brasileiro. Cad. Saúde Pública, jul./set. 1994,vol.10, no.3, p.368-378. ISSN 0102-311X.

BLATT, C. R. et al., Conhecimento Popular e Utilização dos Medicamentos Genéricos na População do Município de Tubarão, SC, Ciência e Saúde Coletiva, 17(1), p. 79-87, 2012. Disponível em:. Acesso em: 28 ago. 2015.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC n.135, de 29 de maio de 2003. Regulamento técnico para medicamentos genéricos. Diário Oficial da União, Brasília, 02 jun. 2003.

BRASIL. Ministério da saúde. Diretoria de Estatística Educacional. Censo¬-Brasilia: Editora do Ministério da saúde, 2016.

FERNANDES, J. A.; COUTINHO, J. V.; VALLE, M. G. Aceitação do Medicamento Genérico em Diferentes Níveis de Escolaridade e Renda Familiar do Distrito Federal, Cenarium Pharmacêutico, Ano 4, n° 4, Maio/Nov 2011. Disponível em:. Acesso em: 19 ago. 2015.

LIRA, C. A. B. et al. Conhecimento, percepções e utilização de medicamentos genéricos: um estudo transversal, einstein. 2014;12(3):267-73 Disponível em:. Acesso em: 10 nov. 2016. Conhecimento, percepções e utilização de medicamentos genéricos: um estudo transversal (LIRA et. al., 2014).

MARZO, A.; BALANT, L. P. – Bioequivalence: an updated reappraisal addressed to applications o interchangeable multisorce pharmaceutical products. Arzneim. – Forsch./Drug Res., Aulendorf, v. 45, n.2, p. 109-115, 1995.

MEREDITH, P. A. – Generic drugs: therapeutic equivalence. Drug Saf., Auckland, v.15, n.4, p.233-242, 1996.

MEYER, G. F. – History and regulatory issues of generic drugs. Transplant. Proc. Ney York, v.31, suppl. 3A, p.105-125, 1999.

MORAIS, S.L.C.S.; Avaliação do perfil e aceitação do medicamento genérico de clientes de uma drogaria na cidade de Quirinopólis-Go, 2016.

OLIVEIRA, S. F. et al. Prevalência do Uso e Aceitação de Medicamentos Genéricos Pela População de Maringá-PR. Iniciação Científica CESUMAR, Vol. 07, n. 02, p. 133 – 140, Jul. Dez. 2005. Disponível em:. Acesso em: 19 ago. 2015.

REIS, A. L. A. & Bermudez, J. A. Z. (2004). Aspectos econômicos: mercado farmacêutico e preço de medicamentos. In: J. A. Z. Bermudez, M. A. Oliveira, & A. Esher (Org.). Acesso a medicamentos: derecho fundamental papel del Estado (pp. 139-155). Rio de Janeiro: ENSP/FIOCRUZ.

SHARGEL, L. & YU, A.B.C. – Applied biopharmaceutics and pharmacokinetics.4a.ed. Stamford: Appleton& Lange, 1999. 768p.

VIEIRA, Fabíola; ZUCCHI, Paola: Diferenças de preços entre medicamentos genéricos ede referência no Brasil. Rev SaúdePública2006;40(3):444-9 Meadows M. Greater access to generic drugs. New FDA initiatives to improve drug reviewsand reduce legal loopholes. FDA Consum 2003; 37:12-7.

WORLD HEALTH ORGANIZATION – Expert Committee on Specification for Pharmaceutical Preparation. 34 report. Geneva: WHO, 1996. 46p.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-187

Refbacks

  • There are currently no refbacks.