Síndrome compartimental do antebraço / Compartmental syndrome forearm

José Stênio Sampaio Bastos Neto, Maria Júlia Marques de Araujo Santos, Érika Santos Machado, Raimundo de Araújo Filho, Thales Benevides Souza, Alberto José Oliveira Vieira, Caíque Rocha Neves, Ítalo de Deus Rios Bastos, Renêe Dominik Carvalho Pereira Osório

Abstract


INTRODUÇÃO: A síndrome compartimental pode ocorrer em muitas regiões do corpo e pode variar desde alterações assintomáticas da homeostase até condições graves com risco de vida. A síndrome compartimental no antebraço é mais comumente observada após traumas associados a fraturas, lesões por esmagamento e queimaduras. Seu diagnóstico é principalmente clínico.  METODOLOGIA: Trata-se de uma Scoping review, que seguiu o protocolo de identificação da questão de investigação e dos estudos relevantes; A questão norteadora foi: O que se tem produzido na literatura científica frente SÍNDROME COMPARTIMENTAL NO ANTEBRAÇO? Na presente pesquisa, as bibliotecas utilizadas para busca serão: a Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), através da base de dados Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (Lilacs); a Scientific Eletronic Library Online (ScIELO) e o PubMed. A coleta ocorreu entre os meses de Janeiro de 2020 e Maio de 2021. RESULTADOS: O National Trauma Data Bank (EUA) revela 1,22% das fraturas do antebraço e 3,79% dos pacientes com fratura da tíbia submetidos a fasciotomia por síndrome compartimental. Pacientes jovens com idade média de 32 anos em homens e 44 anos em mulheres têm probabilidade de serem afetados, enquanto a incidência geral de síndromes compartimentais agudas é de 3,1 por 100.000 habitantes por ano no mundo ocidental. A incidência é maior em homens em comparação com mulheres em uma proporção de 10 para 1. DISCUSSÃO: A síndrome compartimental representa risco às extremidades do corpo humano, causada pelo aumento da pressão dentro de um compartimento osteomiofascial, sendo condição dolorosa, em decorrência da hipóxia causada aos tecidos. Pode ser classificada em aguda ou crônica com base em sua manifestação clínica. O trauma é, de longe, a causa mais comum. O diagnóstico é geralmente baseado em dois fatores principais: um alto índice de suspeita e compreensão da apresentação clínica variável. O primeiro sintoma clínico é dor desproporcional. A fasciotomia de emergência é o tratamento de escolha e pode prevenir o desenvolvimento de sequelas irreversíveis no antebraço CONCLUSÃO: A síndrome compartimental no antebraço é rara, mas deve ser reconhecida imediatamente, pois qualquer atraso no diagnóstico e tratamento pode resultar em alta morbidade. Diante desse quadro, torna-se necessário que todo médico quando se deparar com um trauma de alta energia, como esmagamento, traumas multissistêmicos, etc, tenha como possibilidade diagnóstica a síndrome compartimental, por se tratar de uma síndrome grave que se não tratada precocemente trará complicações sérias.


Keywords


Dor, Fasciotomia, Síndrome do Compartimento, Síndrome do Compartimento do Antebraço.

References


ARKSEY, H; O’MALLEY, L. Scoping studies: towards a methodological framework. Int J Soc Res Methodol. 2015.

CHATTERJEE, R. Diagnóstico da síndrome do compartimento esforço crônico na atenção primária. Br J Gen Pract. 65 (637): e560 – e562. 2015

DUCKWORTH, A.D; MCQUEEN, M.M. O Diagnóstico da Síndrome Compartimental Aguda: Uma Revisão de Análise Crítica. JBJRev. dez; 5 (12): e1. 2017

HANANDEH, A et al. "Identificação e tratamento cirúrgico da síndrome do braço e do compartimento do antebraço." Cureus vol. 11,10 e5862. 2019.

HAN, S et al. Síndrome do compartimento no antebraço relacionada à intoxicação por monóxido de carbono: relato de caso. Undersea Hyperb Med. novembro-dezembro; 45 (6): 689-693. 2018.

IPAKTCHI, K et al. “Fasciotomy: Upper Extremity.” Compartment Syndrome: A Guide to Diagnosis and Management, Springer,.pp. 59–66. 2019.

JIMENEZ, A; MARAPPA-GANESHAN ,R. Forearm Compartment Syndrome. In: StatPearls. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; November 20, 2020.

LEE, Y.K; LEE, S.H; KWON, T.Y. Síndrome compartimental aguda do antebraço associada à intervenção coronária transradial. J Hand Surg Eur. 45 (8): 852-856. 2020.

MAECKELBERGH, L; COLEN, S; ANNÉ, L. Upper arm compartment syndrom: a case report and review of the literature. Orthop Surg. 5(3):229-32. Review,2013.

MCQUEEN, M.M,;GASTON, P; COURT-BROWN, C.M. Síndrome aguda do compartimento. Quem corre risco? J Bone Joint Surg Br. Março de; 82 (2): 200-3. 2011.

PRASARN, M.L; OUELLETTE, E.A .Síndrome compartimental aguda da extremidade superior. J Am Acad Orthop Surg. ; 19 : 49–58. 2011

RATTAN, B; MISSER, S.K. Magnetic resonance imaging in exertional compartment syndrome of the forearm: Case-based pictorial review and approach to management. SA J Radiol. 22(1):1284. Published 2018 Apr 18. 2018.

STEVANOVIC, M.V. Síndrome do compartimento de Sharpe F. e contratura isquêmica de Volkmann. Cirurgia de mão de Green . Filadélfia, PA: Elsevier / Churchill Livingstone; 2011.

VOLKMAN, R. DiEischaemischen Muskellahmungen und Kontrakturen. Centralblat fur hirurgie.; 8: 801–803. 1881

WASSERMANN, D; OSCHMANN, Z. Papel do ultrassom como método não invasivo de diagnóstico da síndrome crônica do compartimento por esforço . SA Orthop J . 10 ( 4 ): 59–65. 2011.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-179

Refbacks

  • There are currently no refbacks.