Incidências das comorbidades não infecciosas em pacientes soropositivos de Teresina-PI / Incidences of non-infectious comorbities in Teresina-PI soropositives patients

Mariana Faria Melo, Andreia Costa Reis Silva, Yaranara Linhares Aragão, Samara Sousa Vasconcelos Gouveia, Samila Sousa Vasconcelos, Guilherme Pertinni de Morais Gouveia, Gabriela Dantas Carvalho, Rayssa Maria de Araujo Carvalho

Abstract


Introdução: A Adquired Immunodeficiency Syndrome (AIDS) é uma doença viral provocada pelo vírus Human Immunodeficiency Virus (HIV) que deprime o sistema imunológico, favorecendo o surgimento de doenças oportunistas.  Objetivo: Analisar as comorbidades não infecciosas em pacientes com HIV/AIDS de um hospital de referência de Teresina-PI. Metodologia: Trata-se de um estudo observacional, quantitativo, realizado entre agosto a dezembro de 2017, sob aprovação do Comitê de Ética e Pesquisa do Centro Universitário UNIFACID CAAE 70697817.7.0000.5211. Os dados foram organizados em planilha Excel® e analisados com base no valor percentual. Resultados:  Foram selecionados 55 prontuários, onde 69,1% (n=38) eram do gênero masculino e 30,9% (n= 17) do gênero feminino, com prevalência de idade entre 31 e 45 anos (61,81%, n=34). Os mesmos realizavam terapêutica antirretroviral com predomínino do uso combinado de Lamivudina e Tenofovir (36,3%, n=20) e Lamivudina isolado (18,1%, n=10). As principais comorbidades foram sobre o sistema digestório (25,43%, n=14), doenças crônicas (30,89%, n=17) e doenças do sistema urinário (14,54%, n= 8)., associados as causas de internação hospitalar pelo desenvolvimento de algias (35,38%, n= 23), diarreia (21,53%, n= 14), febre (20%, n=13), astenia (16,8%, n=11) e outras queixas (6,1%, n=4). Conclusão: Há predominância sobre o gênero masculino e que estes encontram-se em faixa etária superior ao nível nacional/nordeste. Todos estão sob tratamento antirretroviral, que apesar dos benefícios gera alteração metabólica, culminando em distúrbios crônicos.


Keywords


Comorbidade, HIV, antirretrovirais.

References


ARRUDA-JÚNIOR, E.R.; LACERDA, H.R.; MOURA, L.C.R.V.; DE ALBUQUERQUE, M.F.P.M.; DEMOCRITO DE BARROS MIRANDA FILHO, D.B.; DINIZ, G.T.N.; DE ALBUQUERQUE, V.M.G.; AMARAL, J.C.Z.; XIMENES, R.A.A.; MONTEIRO, V.S. Risk factors related to hypertension among patients in a cohort living with HIV/AIDS. Braz J Infect Dis [Internet]., v.14, n. 3, p. 281-7, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-86702010000300014

BARE, B.; SMELTZER S. Brunner & Suddarth: Tratado de enfermagem: medico-cirúrgica. 10 ed. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan, 2002.

BARRETO, C.M.A.; CAVALCANTI, D.; RZETELNA, H.; GALVÃO, M.C.; ALVES, J.G. Colecistite Alitiásica Aguda: Manifestação Inicial de uma Doença Autoimune. Rev Prêmio Jovem Gastro, v. 31, n. 3, p. 107-115, 2012.

BRASIL. Ministério da saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Recomendações para Terapia Anti–retroviral em Adultos Infectados pelo HIV, 2008. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/recomendacoes_terapia_adultos_infectados_manual.pdf. Acesso em: 25 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da saúde. Caderno de atenção básica- HIV/AIDS, hepatites e outras DST, 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/abcad18.pdf. Acesso em: 10 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da saúde. Doenças Infecciosas e Parasitárias: Guia de Bolso. 8 ed., 2010. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doencas_infecciosas_parasitaria_guia_bolso.pdf. Acesso em: 10 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico HIV/AIDS, 2018. Disponível em:http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2014/56677/boletim_2014_final_pdf_15565.pdf. Acesso em: 13 dez. 2020.

DE BRITO, A.M.; DE CASTILHO, E.A.; SZWARCWALD, C.L. AIDS e infecção pelo HIV no Brasil: uma epidemia multifacetada. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 34, n. 2, p. 207-217, 2000. https://doi.org/10.1590/S0037-86822001000200010.

FEITOSA, S.M.C.; CABRAL, P.C. Anemia em paciente HIV-positivo atendidos em Um hospital Universitário Pernambucano. Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, v.23, n.2, p. 69-75, 2011. https://doi.org/10.5533/2177-8264-201123204

GEOCZE, L.; MUCCI, S.; DE MARCO, M.A.; NOGUEIRA-MARTINS, L.A.; CITERO, V.A. Qualidade de vida e adesão ao tratamento anti-retroviral de pacientes portadores de HIV. Rev Saúde Pública, v. 44, n. 4, p. 743-9, 2010. https://doi.org/10.1590/S0034-89102010000400019

HANIF, H.; BASTOS, F.I.; BERTONI, N.; SURKAN, P.J.; WINCH, P. J.; KERRIGAN, D. Individual and contextual factors of influence on adherence to antiretrovirals among people attending public clinics in Rio de Janeiro, Brazil. BMC Public Health, v.13, n.1, 2013. https://doi.org/10.1186/1471-2458-13-574.

HUGHES, A.; BARBER, T.; NELSON, M. New treatment options for HIV salvage patients: An overview of second generation Pis, NNRTIs, integrase innibitors and CCR5 antagonists. J Infect, p.1-10, 2008. https://doi.org/10.1016/j.jinf.2008.05.006

LEITE, L.H.M.; SAMPAIO, A.B.M.M. Risco cardiovascular: marcadores antropométricos, clínicos e dietéticos em indivíduos infectados pelo vírus HIV. Rev Nutr [Internet], v. 24, n. 1, p. 79-88, 2011.

LIMA, M.A.C.; DA CUNHA, G.H.; GALVÃO, M.T.G.; ROCHA, R.P.; FRANCO, K.B.; FONTENELE, M.S.M. Hipertensão arterial sistêmica em pessoas vivendo com HIV/AIDS: revisão integrativa. Revista Bras Enferm., v.70, n.6, p. 1279-1988. 2017. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0416

LOPES H.L.; TAVARES W. Diagnóstico das infecções do trato urinário. Rev Assoc Med Bras., v.51, n.6, 2005. https://doi.org/10.1590/S0104-42302005000600008

NUNES, A.A.; CALIANI, L.S.; NUNES, M.S.; DA SILVA, A.S.; DE MELLO, L.M. Análise do Perfil de Pacientes com HIV/AIDS Hospitalizados após Introdução da Terapia Antirretroviral (HAART). Ciênc. Saúde Coletiva Online, v. 20, n.10, p.3191-3198, 2015. https://doi.org/10.1590/1413-812320152010.03062015.

NÙNEZ, M. Clinical syndromes and consequences of Antirretroviral-related hepatotoxicity. Hepatology, v. 52, p. 1143-1155, 2010. https://doi.org/10.1002/hep.23716

OLIVEIRA, F.B.M.; MOURA, M.E.B.; DE ARAÚJO, T.M.E.; ANDRADE, E.M.L.R. Qualidade de vida e fatores associados em pessoas vivendo com HIV/AIDS. Acta Paul Enferm., v. 28, n. 6, p. 510-6, 2015.

OLIVEIRA, O.C.A.; DE OLIVEIRA, R.A.; DE SOUZA, L.R. Impacto do tratamento antirretroviral na ocorrência de macrocitose em pacientes com HIV/AIDS do município de Maringá. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v.44, n.1, p. 35-39, 2011. https://doi.org/10.1590/S0037-86822011000100009

PIERI, F.M.; LAURENTI, R. HIV/AIDS: perfil epidemiológico de adultos internados em hospital universitário. Cienc. Cuid. Saúde., v.11, p. 144-152, 2012. https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v11i5.17069

PIAUÍ. Secretaria de Saúde. Coordenação de Doenças Transmissíveis. Informe epidemiológico da Aids no Piauí [Internet]. Teresina: SESAPI; 2020. Disponível em: http://www.saude.pi.gov.br/uploads/warning_document/file/456/ACFrOgAtGEdMzOsXzCCzJdSsOpqYhratjeswy1cZUOMvbaMXfGZB2rBPoVppBQyvj99r6S-_n8rWnEm7Q-vH4HBiopHbjcu7AtP8Bs4v2iKjW_jO7lCWn4IGJPtRC0A_.pdf

PIAUIENSE, J.N.F. Epidemiologia da HIV/AIDS em Teresina-PI: análise retrospectiva. Brasilian Journal os Sugery and Clinical Research. v.21, n.3, p. 7-12, 2018.

POTTES, F.A.; DE BRITO, A.M.; GOUVEIA, G.C.; DE ARAÚJO, E.C.; CARNEIRO, R.M. AIDS e envelhecimento: características dos casos com idade igual ou maior que 50 anos em Pernambuco, de 1990 a 2000. Rev Bras Epidemiol., v. 10, n. 3, p. 338-51, 2007. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2007000300005

RIGHETTO, R.C.; REIS, R.K.; REINATO, L.A.F.; GIR, E. Comorbidades e coinfecções em pessoas vivendo com HIV/AIDS. Rev Rene, v.15, n.6, p.942-948, 2014. https://doi.org/10.15253/2175-6783.2014000600006

SANCHES, R.S.; SANTOS, W.R.; FERNANDES, A.P.M. Dislipidemias e doenças cardiovasculares na infecção pelo HIV. J Nurs Health, Pelotas (RS), v. 1, n. 2, p. 214-221, 2011. https://doi.org/10.15210/jonah.v1i2.3431

SCHERZER, R.; ESTRELLA, M.; LI, Y.; CHOI, A.I.; DEEKS, S.G. Association of Tenofovir Exposure with Kidney Disease Risk in HIV Infection. AIDS, v. 26, n. 7, p. 867–875, 2012. https://doi.org/10.1097/QAD.0b013e328351f68f

SILVA, C.M.; VARGEM, O.M.C. A percepção de mulheres quanto à vulnerabilidade feminina para contrair. Rev. esc. enferm. USP [online], v. 43, n.2, p.401-406, 2009. https://doi.org/10.1590/S0080-62342009000200020.

TAVARES, W.; MARINHO, L.A.C. Rotinas de Diagnóstico e Tratamento das Doenças Infecciosas e Parasitárias. São Paulo: Atheneu, 2005.

UNAIDS. United Nations Programme on HIV/AIDS. Tratamento 3 em 1 é ampliado para todos os pacientes, 2015. Disponível em: https://unaids.org.br/2015/04/tratamento-3-em-1-e-ampliado-para-todos-os-pacientes/ Acesso em: 12 jan. 2021.

VIDAL A.P.A.; PANNAIN V.L.N.; BOTTINO A.M.C.F. Esofagites em pacientes com síndrome de imunodeficiência adquirida. Estudo histológico e imunoistoquímico. Arq. Gastroenterol, v.44, n.4, 2007. https://doi.org/10.1590/S0004-28032007000400006.

VIEIRA, C.P.B.; COSTA, A.C.S.S.; DIAS, M.C.L.; DE ARAÚJO, T.M.E.; DE GALIZA, F.T. Tendência de infecções por HIV/Aids: aspectos da ocorrência em idosos entre 2008 e 2018. Escola Anna Nery., v. 25, n. 2, p. 1-8, 2021. https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2020-0051

VIEIRA, E.M.; VILLELA, W.V.; RÉA, M.F.; FERNANDES, M.E.L.; FRANCO, E.; RIBEIRO, G. Alguns aspectos do comportamento sexual e prática de sexo seguro em homens de Município de São Paulo. Cad Saude Publica, v.16, n.4, p. 997-1009, 2000. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2000000400018

YOUNG, J.; SCHÄFER, J.; FUX, C.A.; FURRER, H.; BERNASCONI, E. Swiss HIVCohort Study. Renal function in patients with HIV starting therapy with tenofovir and either efavirenz, lopinavir or atazanavir. AIDS, v. 26, n. 5, p. 567-75, 2012. https://doi.org/10.1097/QAD.0b013e32834f337c




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-156

Refbacks

  • There are currently no refbacks.