Meningite em pessoas vivendo com HIV: Aspectos clínico-epidemiológicos de casos em um hospital de referência no Estado do Pará, Brasil / Meningitis in people living with HIV: Clinical-epidemiological aspects of cases in a reference hospital in the state of Pará, Brazil

Sávilla Patrícia Sá de Lima, Milene Regina Ataíde Guerreiro, Andrelina Ramos de Jesus Maciel, Jacqueline Cortinhas Monteiro, Andrea Nazaré Monteiro Rangel da Silva, Antonio Carlos Rosário Vallinoto, Rogério Valois Laurentino, Rosimar Neris Martins Feitosa

Abstract


A inflamação das meninges pode ser causada por diversos agentes infecciosos e sua prevalência está associada a fatores como o estado imunitário do indivíduo. Pessoas que vivem com HIV/AIDS (PVHIV) apresentam maior risco de adoecimento, podendo evoluir com complicações severas devido a gravidade desta doença. Este foi um estudo retrospectivo, descritivo e observacional em PVHIV adultos com notificação compulsória de meningite, no período de janeiro de 2015 a dezembro de 2017. Dos 130 casos analisados, 65,3% eram do sexo masculino, 96,5% eram pardos e 79,2% dos casos residiam na região metropolitana de Belém. A idade da população variou de 19 a 61 anos com média de 33,9 anos sendo 55,4% analfabetos ou tinham apenas o ensino fundamental, 13,1% apresentavam carga viral com o valor de 105 a 106 cópias/mL e 46,2% apresentaram LTCD4+ menor que 250 células/mm³. Quanto ao tipo de meningite, 42,3% dos casos eram de meningite tuberculosa (TBM), 40,8% meningite criptocócica (MC) e 16,9% era meningite por outras causas. Os sinais e sintomas mais frequentes na população estudada foram cefaleia (93,1%), febre (86,0%) e vômito (61,5%). A síndrome da imunodeficiência adquirida (SIDA) foi responsável por 26,1% das causas de óbito, seguida de meningite com 22,8% de casos. Os pacientes com MC acumularam o maior número de óbitos (46,0%). A contagem de LTCD4 e LTCD8 foi significativamente mais alta em pacientes com TBM quando comparada a pacientes com MC. A maioria dos casos de óbito apresentava contagem de linfócitos TCD4+ abaixo de 200 células/mm³ e contagem de LTCD8+ abaixo de 1.000 células/mm³. A população analisada em nosso estudo apresentou um padrão clínico e epidemiológico com predomínio de homens, com idade média de 34 anos, pardos, com baixo nível de escolaridade, pertencentes à região metropolitana de Belém e com alto grau de comprometimento imunológico. Demonstrando também que embora a maioria dos casos fosse de meningite tuberculosa o maior índice de óbitos foi associado aos casos de meningite criptocócica.


Keywords


Meningite, PVHIV, HIV, Coinfecção.

References


ALMEIDA, R.L.G, MACHADO, E.R. Cryptococcus spp. em pacientes com HIV/SIDA: Revisão da Literatura. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, v. 18, n. 1, p. 55-63, 2014.

AMINOFF, M., GREENBERG, D., SIMON, R. Clinical Neurology. San Francisco, McGraw-Hill, 2005.

AYRES, M., AYRES, Jr M., AYRES, D.L., SANTOS, A.S.S. Bioestat 5.0: Aplicações estatísticas nas áreas das ciências biológicas e médicas. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá: IDSM/MCT/CNPq, Belém-Pará, 2007. 364p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde. MS, 2 ed, 706 p., 2017. [citado 25 abril 2021]. Disponível em: https://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/outubro/06/Volume-Unico-2017.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para manejo da infecção pelo HIV em adultos. Brasília: MS, 416p., 2018a. [citado 25 abril 2021]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2013/protocolo-clinico-e-diretrizes-terapeuticas-para-manejo-da-infeccao-pelo-hiv-em-adultos

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico HIV/AIDS 2018. Brasília: MS, 30p., 2018b. [citado 25 abril 2021]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2018/boletim-epidemiologico-hivaids-2018

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim epidemiológico–HIV/Aids/2019. Secretaria de vigilância em Saúde. Número especial. Dez, 2019. 72 p. [citado 3 maio 2021]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2019/boletim-epidemiologico-de-hivaids-2019

CASTRO, M.G.O, et al. Neurocriptococose e meningite pneumocócica em paciente vivendo com HIV. Brazilian Journal of Health Review, v. 2, n. 5, p. 4000-4007, 2019.

CASTRO, A.P., MAGALHAES, A.M., LIRIO, M., PASTE, A.A. Perfil socioeconômico e clínico dos pacientes internados com HIV/AIDS em hospital de Salvador, Bahia. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 37, n. 1, p. 122-32, 2013.

CASTRIGHINI, C.C., REIS, R.K., NEVES, L.A.S., GALVÃO, M.T.G., GIR, E. Prevalência e aspectos epidemiológicos da coinfecção HIV/tuberculose. Rev Enferm UERJ, v. 25:e17432, 2017.

CRODA, M.G., VIDAL, J.E., HERNÁNDEZ, A.V., DAL MOLIN, T., GUALBERTO, F.A., DE OLIVEIRA, A.C. Tuberculous meningitis in HIV-infected patients in Brazil: clinical and laboratory characteristics and factors associated with mortality. Int J Infect Dis, v.14, n. 7: e586-91, 2010.

ELSEGEINY, W., MARR, K.A, WILLIAMSON P.R. Immunology of Cryptococcal Infections: Developing a Rational Approach to Patient Therapy. Frontiers in Immunology, v. 4, n. 9, p. 651, 2018.

EMMERICK, I.C.M., CAMPOS, M.R., SCHRAMM J.M.A., SILVA S.R., COSTA M.F.S. Adjusted estimates of meningitis case, Brazil 2008-2009. Epidemiol Serv Saúde, v. 23, n. 2, p. 215-226, 2014.

ERDEM, H., et al. The burden and epidemiology of community-acquired central nervous system infections: a multinational study. Eur J Clin Microbiol Infect Dis, v. 36, p. 1595–611, 2017.

FERREIRA, T.C.R., SOUZA, A.P.C., RODRIGUES JÚNIOR, R.S. Perfil clínico e epidemiológico dos portadores do HIV/AIDS com coinfecção de uma unidade de referência especializada em doenças infecciosas parasitárias especiais. Rev Univ Vale Rio Verde, v. 13, n. 1, p. 419-431, 2015.

GOMES, R.R.F.M., CECCATO, M.G.B., KERR, L.R.F.S., GUIMARÃES, K.D.C. Factors associated with low knowledge on HIV/AIDS among men who have sex with men in Brazil. Cad Saúde Pública, v.33, n.10, e00125515, 2017.

HODGSON, A., SMITH, T., GAGNEUX, S., ADJUIK, M., PLUSCHKE, G., MENSAH, N.K., BINKA, F., GENTON, B. Risk factors for meningococcal meningitis in northern Ghana. Trans R Soc Trop Med Hyg, v. 95, n. 5, p. 477-80, 2001.

JARVIS, J.N., HARRISON, T.S. HIV-associated cryptococcal meningitis. AIDS, v.21, n. 16, p. 2119-2129, 2007.

LEE, Y.C., WANG, J.T., SUN, H.Y., CHEN, Y.C. Comparisons of clinical features and mortality of cryptococcal meningitis between patients with and without human immunodeficiency virus infection. J Microbiol Immunol Infect, v. 44, n. 5, p. 338-45, 2011.

MARAIS, S., PEPPER, D.J., SCHUTZ, C., WILKINSON, R.J., MEINTJES, G. Presentation and outcome of tuberculous meningitis in a high HIV prevalence setting. PLoS One, v. 6, n. 5, p. e20077, 2011.

MILLER, G., et al. Elevated risk for invasive meningococcal disease among persons with HIV. Ann Intern Med, v.160, p. 30–37, 2014.

MÜLLER, O., KRAWINKEL, M. Malnutrition and health in developing countries. Canadian Medical Association Journal, v. 173, p. 279–86, 2005.

PARK, B.J., et al. Estimation of the current global burden of cryptococcal meningitis among persons living with HIV/AIDS. Aids, v. 23, p. 525–530, 2009.

PORTER, R.S., KAPLAN, J.L. The Merck Manual of Diagnosis and Therapy. In: Neurologic Disorder. Kenilworth, NJ, USA: Merck & Co, 2011.

RAMÍREZ, B.C., et al. Outcomes of HIV-positive patients with cryptococcal meningitis in the Americas. Int J Infect Dis, v. 63, p. 57-63, 2017.

SESA. Secretaria da Saúde do Estado do Ceará. Boletim Epidemiológico: Meningites. p. 1-13, 2019. [citado 5 maio 2021]. Disponível em: https://www.saude.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/9/2018/06/Boletim_Meningite_2019.pdf

SILVA, R.M.G. Meningite por Cryptococcus neoformans como causa de febre prolongada em paciente com AIDS. Rev. Assoc. Med. Bras, v. 50, n. 2, p.123, 2004.

VINNARD, C., MACGREGOR, R.R. Tuberculous Meningitis in HIV-Infected Individuals. Current HIV/AIDS Rep, v.6, n.3, p.139–145, 2009.

WILLIAMSON, P.R., et al. Cryptococcal meningitis: epidemiology, immunology, diagnosis and therapy. Nat Rev Neurol, v. 13, n.1, p. 13–24, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-154

Refbacks

  • There are currently no refbacks.